Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Os anjos são adoradores de Deus



São João Crisóstomo escreveu sobre a presença dos Santos Anjos na celebração do sacrifício da Missa: “Logo que o Sacerdote começa o Sagrado Rito, legiões de espíritos bem-aventurados descem das alturas. Vestidos de branco ofuscante, rodeiam o altar e assistem o mistério grandioso com a fronte inclinada. No momento da Sagrada Comunhão com muito respeito estão em volta do Bispo, dos Sacerdotes e dos Diáconos, que distribuem aos fiéis o precioso Corpo e o sagrado Sangue do Redentor” (St Josephsblatt, no. 12 / setembro 2001). Em Fátima, um Anjo levou a Sagrada Comunhão aos pastorzinhos: Lúcia recebeu a Sagrada Hóstia, os Beatos Jacinta e Francisco receberam o Preciosíssimo Sangue do Cálice das mãos do Anjo.

Beata Dina Bélanger
A Beata Dina Bélanger (Irmã Maria Cecília de Roma RJM, 1897-1929), do Canadá conta na sua autobiografia um fato parecido. Ela estava doente na cama. “Durante a Santa Missa na hora em que a comunidade se aproximava da Sagrada Mesa, recebi a comunhão espiritual. Pareceu-me - isto se realizou por uma imagem no meu espírito - que um Anjo me deu uma Hóstia invisível. Recebi-A como costumava receber a Hóstia da mão do Sacerdote e a minha ação de graças tinha o mesmo caráter de fé e de amor, como se comungasse uma Hóstia visível aos meus olhos.”

Numa certa manhã, no outono de 1923, ela recebeu a graça da presença perceptível da Santíssima Trindade no seu interior. Ela escreve: “Revelou-se para mim a vida da Santíssima Trindade com uma indizível doçura, paz e amor. Não me movi por respeito e gratidão. Senti-me aniquilada no meu nada. Tendo adorado profundamente o meu tesouro, recebi a inspiração de ‘formar uma corte’ para meu Deus. Perguntei a Jesus, a quem Ele desejava na Sua corte. Ele desejava a companhia da Santíssima Virgem, de São José, do meu bom Anjo da Guarda, de Santa Cecília e Santa Terezinha do Menino Jesus, a fim de que estejam ocupados em amá-l’O e em pensar n’Ele incessantemente. Assim, em mim, Ele nunca ficaria esquecido e sozinho, se minha miserável natureza se tornasse uma vítima da distração. Repeti diariamente a pergunta: A quem desejais na Vossa corte? Minha doce Mãe e os padroeiros mencionados sempre estavam aqui, mas nosso Senhor também designava Anjos e Santos para mim... os Santos, que se celebrava no Céu nesse respectivo dia e que se comemorava na Igreja. Finalmente - e já faz tempo - comecei a convidar todo o paraíso, todos os espíritos angélicos e todos os bem-aventurados para formar a corte do meu amado Rei e a permanecer constantemente nela. No entanto, me via pequenina comparada aos belos Querubins, aos irmãos e irmãs que já entraram na eternidade” (Autobiografia, cap. 17).

Beata Ana Rosa Gattorno
A beata Rosa Gattorno (1831-1900), italiana, fundadora das Filhas de Sant’Ana fez uma experiência parecida. Ela escreve: “Um dia fui comungar... isto no mês de março de 1875. Não me parecia estar bem preparada, porque me sentia muito mal e pouco podia dizer ao meu bem, apenas oferecer-Lhe o sofrimento que experimentava, mas nutria um certo temor de não poder fazer o agradecimento, enfim, estava muito perturbada; logo que O recebi, vi ao meu lado o Anjo Miguel que, juntamente comigo, fazia o agradecimento e, com as mãos juntas, adorava a Deus. Eu, com esta visão, senti um contentamento...” (M. 4. 3, pág. 29: citado do livro: Filhas de Sant’Ana, O Dom de Deus à Rosa Gattorno, Roma 1994, p. 180s).

Na vida das Beatas Dina e Rosa confirma-se o que já São Paulo escreveu na carta aos Efésios (cf. 1,9s): É vontade do Pai Eterno que todas as coisas sejam unidas em Cristo, as que estão nos céus e as que estão na terra. Deus quer ser glorificado não só por indivíduos, mas pela Igreja unida em Cristo. Nesse sentido, é necessário que nos unamos aos Santos Anjos na adoração de Deus. “A uma só voz” com eles glorificamos a Deus em cada Santa Missa ao rezarmos o “Santo”.

Fonte: Obra dos Santos Anjos