Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

sábado, 31 de agosto de 2013

A Pequena Flor e os Santos Anjos


Santa Teresa de Lisieux acarinhava uma especial devoção aos Santos Anjos.
 Como isso se encaixa bem em seu pequeno caminho para nosso Senhor, associado pequenez com a presença e o cuidado dos Santos Anjos: "Veja que você não desprezeis algum destes pequeninos, porque eu vos digo, os seus anjos nos céus sempre veem a face de meu Pai que está nos Céus ".
 (Mt 18,10) 

Quando olhamos para ver o que a Pequena Flor diz sobre os Santos Anjos, não esperamos um tratado pesado, mas sim um medley de canções oriundas de seu coração. Desde sua infância, eles formaram uma parte de sua experiência e do ambiente espiritual.
Como uma criança de nove anos, antes de sua Primeira Comunhão, Santa Teresa consagrou-se aos Santos Anjos como membro da "Associação dos Santos Anjos", com as palavras: "Eu solenemente consagro-me ao seu serviço. Prometo, na presença de Deus, da Virgem Maria e aos meus companheiros, ser fiel e aplicar-me a imitar as suas virtudes, principalmente o seu fervor, sua humildade, sua obediência e sua pureza. " Já como um aspirante tinha prometido: "para homenagear com uma especial devoção a santos Anjos e Maria, sua Rainha agosto .... vou trabalhar com todas as minhas forças para corrigir meus defeitos e adquirir virtudes, para cumprir todos os meus deveres como aluno e como um cristão. "

Os membros da associação também promoviam uma devoção especial ao Anjo da Guarda, a quem orou: "Anjo de Deus, príncipe celestial, vigilante guardião, guia fiel, pastor caridoso, me alegro que Deus o criou com tantas perfeições, que Ele santificados através da Sua graça e que Ele coroou-o com glória por ter perseverado em seu serviço. Que Deus seja louvado por todas as muitas coisas boas que Ele tem feito por mim! Que tu mesmo seja abençoado por tudo de bom que faz para mim e meus companheiros. Eu entrego a ti o meu corpo, minha alma, minha memória, a minha inteligência, minha imaginação e minha vontade. Governa me, ilumina-me, purifica-me e dispõe de mim segundo a tua boa vontade.(Manuel de l'Association des Saints Anges, Tournai) .

O simples fato de que só o futuro doutor da Igreja fez esta consagração e disse que essas orações como uma criança não, é claro, torná-lo parte de sua doutrina espiritual madura. No entanto, em sua maturidade, ela não só lembra dessas consagrações com aprovação alegre, mas recomenda-se aos anjos em diferentes formas - como veremos.
Isso, faz testemunho da importância que ela anexado a este vínculo com os santos anjos, em A História de uma alma, ela escreve: "Quase imediatamente após a minha entrada na Abadia, fui recebida na Associação dos Santos Anjos. Eu amei as práticas piedosas impostas, como eu tinha uma atração muito especial para orar ao bem-aventurado espíritos do céu, especialmente para aquele que Deus deu a mim como companheiro do meu exílio " (História, cap. IV, 40v °) .

O Anjo da Guarda


A Pequena Flor cresceu em uma família com termos familiares com os Anjos. Seus pais falavam espontaneamente deles em circunstâncias variadas (cf. História I, 5ro; Letters = LT 120) . E Pauline, sua irmã mais velha, assegurava-lhe diariamente que os Anjos estavam ali para vigiar e protegê-la (cf. Story, II, 18vo) .

Em sua peça, A Fuga para o Egito, ela descreve aspectos importantes da missão do Anjo da Guarda. Há a Santíssima Virgem diz Susanna, a esposa de um bandido e a mãe das Dimas infantis, doentes com lepra. "Desde o seu nascimento, Dimas foi sempre acompanhado por um mensageiro celeste e este mensageiro nunca vai deixá-lo como ele, você também tem um anjo encarregado de guardá-la dia e noite, é ele quem inspira os bons pensamentos e ações virtuosas que você conseguir. "
Susanna responde: "Eu garanto que ninguém além de você mesmo já me inspirou com bons pensamentos e que eu ainda não vi o mensageiro que você fala.  Maria responde: "Você ainda não viu, eu sei disso, porque o anjo que está ao seu lado é invisível, no entanto ele é tão realmente presente como eu sou É graças a suas inspirações celestiais que você sentiu o desejo de saber. Deus e vê-lo se aproximar de você. Todos os dias do seu exílio terrestre essas coisas permanecerão mistérios para você, mas quando chegar a hora você vai ver o Filho de Deus descendo sobre as nuvens do céu, acompanhado por todas as Suas legiões de Anjos " (Ato I, Cena 5) .
 Desta forma Teresinha nos dá a entender que Dimas 'acompanhou por toda a grosso e fino de sua vida criminosa e, finalmente, ajudou a reconhecer a divindade de Cristo na Cruz e despertou seu desejo de Deus, ajudando-o a roubar o céu e tornar-se o Bom Ladrão.

Na vida real, a Pequena Flor incentivou a irmã Céline viver santamente e abandonar apelando à presença de seu Anjo da Guarda: "Jesus colocou perto de você um anjo do céu que está sempre cuidando de você, ele te leva em suas mãos para que o seu pé não bata contra uma pedra. Você não pode vê-lo, e ainda assim, ele é o único que há vinte e cinco anos tem preservado a sua alma, que manteve a sua brancura virginal, ele é o único que remove-lhe as ocasiões de pecado .. .. Seu Anjo da Guarda está cobrindo-o com as asas, e Jesus, a pureza das virgens, repousa em seu coração Você não vê seus tesouros;.. Jesus está dormindo e o Anjo continua em seu misterioso silêncio. No entanto, eles estão lá com Maria, que está escondida também sob o véu! ... "(LT 161 1894/04/26) .

Em um plano pessoal, ela procurou a orientação de seu Anjo da Guarda:.. "Meu santo anjo da guarda, me cubra com o seu asa / Com seu fogo de luz a estrada que eu estou tomando / Vem dirigir meus passos ... me ajudar, eu chamo em cima de você / Só por hoje ". (Poemas = PN 5, 12) , e proteção, para não cair em pecado: "Ó meu Santo Anjo da Guarda Cubra-me sempre com as suas asas de modo que eu nunca pode ter a infelicidade de ofender a Jesus! . " (orações Pri = 5, 7) .
Confiantes na sua amizade íntima com seu Anjo, Teresa não hesitou em pedir favores específicos a ele. Por exemplo, para o tio de luto pela morte de um amigo, ela escreveu: "Coloco-me nas mãos do meu bom anjo, eu acho que um mensageiro do céu irá realizar a minha mensagem, eu estou mandando-o para o meu querido tio para derramar alguma consolação em seu coração na medida em que a nossa alma pode contê-lo neste vale de exílio .... " (LT 59 1888/08/22) . De forma semelhante, ela poderia enviar o seu Anjo para participar na Missa, seu irmão espiritual, Pe.. Roulland, missionário na China, estaria oferecendo para ela: "No dia 25 de dezembro eu não deixarei de enviar o meu Anjo para que ele possa colocar as minhas intenções junto ao host que será consagrado por ti." (LT 201 9/1 / 1896) .

Esta mediação de nossas orações se articula de maneira mais formal em sua peça, A Missão de Joana d'Arc; Santos. Catherine e Marguerite Joan dizer: "Criança encantadora, nossa doce companheira, a sua voz tão pura subiu ao Céu O Anjo da Guarda, que sempre acompanha você apresentou os seus desejos para o Deus eterno.". (Cena 5) . Tobias não tinha certeza de São Raphael: "Quando você orou, ... eu ofereci a sua oração ao Senhor!" (Tob 12,12)
De Deus o anjo traz luz e graça, em uma palavra uma bênção. Assim, Stª Margarida garante a Joana, "com Michael, o grande Arcanjo, vamos voltar a te abençoar" (A Missão de Joana d'Arc, Cena 8) . Esta bênção será uma fonte de força e perseverança.

São Michael explica Joana d'Arc: "Você tem que lutar para poder conquistar a vitória!" (Cena 10) . E combater, Joana fez, puxando-a coragem de sua fé em Deus com toda a humildade.
Quando a hora de sua morte chegou, porém, Joana ficou inicialmente revoltada por ter sido traída. Mas São Gabriel veio e mostrou-lhe que, sofrendo a morte por traição, ela seria mais intimamente associada a Cristo, que também foi traído. Joana responde: "O belo anjo Sua voz é doce Sinto a esperança renascer em meu coração, quando fala comigo dos sofrimentos de Jesus! ..." (O Combate e vitória de Joana d'Arc, Cena 5) . Pensamentos semelhantes devem ter sofrido Teresinha do rosto de Jesus em seus julgamentos amargos no final de sua vida.

União com os Anjos

Teresa não procurou visões nem consolações: "Você vai lembrar que é" meu jeitinho "para não ver nada, Você sabe muito bem, eu já disse tantas vezes a Deus, aos anjos e aos santos. Meu desejo é não vê-los aqui na terra ... " (caderno amarelo da Madre Agnes = CJ, 1897/06/04) . "... Eu nunca quis nenhuma visão. Nós não podemos ver aqui na terra, o céu, os anjos, etc; assim como eles são. Prefiro esperar até depois da minha morte" (ibid, 1897/08/05) .

Em vez disso, ela procurou sua ajuda eficaz para a santidade. Em sua parábola sobre o passarinho, ela clama a Cristo:

 "Ó Jesus, seu passarinho está feliz por estar fraca e pouco ... ela não se sente desolado, e o pequeno coração está em paz e começa mais uma vez um trabalho de amar. Ele apela aos Anjos e Santos que se elevam como águias antes do fogo consumidor, e uma vez que este é o objeto de desejo do pequeno pássaro as águias ter pena dele, protegendo e defendendo-a, e pondo em fuga, ao mesmo tempo, o abutres que querem devorá-lo. " (História, IX, 5ro-5vo) .
Com relação à Sagrada Comunhão, ela pensou que não estranho estar muitas vezes sem consolo. "Eu não posso dizer que freqüentemente recebem consolações ao fazer minhas ações de graças depois da Missa, talvez seja o momento em que eu receber o mínimo No entanto, eu acho isso muito compreensível, já que eu me ofereci a Jesus não como um desejoso de sua própria. consolação em sua visita, mas simplesmente para agradá-Lo, que está dando a Si mesmo para mim. "
Como ela se preparar para a vinda de nosso Senhor? Ela continua: "Imagino minha alma como um pedaço de terra e peço a Santíssima Virgem para retirar dela qualquer lixo que a impediria de ser livre, então eu pedir-lhe para criar uma enorme tenda digna do Céu, adornando-a com sua própria joia e, finalmente, eu convido todos os Anjos e Santos para vir e realizar um magnífico concerto lá. Parece-me que, quando Jesus desce em meu coração Ele se contenta em encontrar-se tão bem recebido e eu também. " (História, VIII , 79vo-80ro) .

Os anjos também deliciam-se com este banquete que nos faz "seu irmão", como tem Teresa, Santa Cecília explicar para seu esposo convertido, Valerian:. "Você deve ir sentar-se no banquete da vida / Para receber Jesus, o Pão do Céu / Então o Serafim vai chamá-lo de seu irmão, / e vendo em seu coração o trono de seu Deus, ele / ela terá que deixar margens da terra. / Você vai ver a morada deste espírito de fogo " (PN 3 Santa Cecília, ll.67- 72).

Ainda assim, a mera ajuda dos Anjos por si só não foi suficiente para a Pequena Flor, que queria sua amizade e uma participação íntima na intensidade de seu amor a Deus, na verdade, ela desejava que adotá-la como sua própria. Por isso, sua oração audaciosa: "Ó Jesus, eu sei que, o amor é reembolsado pelo amor sozinho, e então eu procurei e encontrei o caminho para consolar meu coração, dando-lhe amor para o amor .... Lembrando a oração de Eliseu a seu Pai Elias, quando ele se atreveu a pedir-lhe o seu espírito duplo, me apresentei diante dos anjos e santos, e eu disse a eles: 'Eu sou a menor das criaturas, conheço minha miséria e minha fraqueza, mas sei também o quanto nobre e corações generosos gostam de fazer o bem. Peço-lhe, então, benditos habitantes do céu, peço-lhe que me adote como seu filho. Para você só vai ser a glória que você vai me fazer o mérito, mas se dignou a responder à minha oração. Ele é ousado, eu sei, no entanto, atrevo-me a pedir-lhe para obter para mim seu amor em dobro'" (História, Ms B. 4ro) .True to the Way Litte - Teresa procurou não glória, mas somente o amor:

 "O coração de uma criança não busca riquezas e glória [até mesmo a glória do céu] Ela entende que essa glória pertence por direito de seus irmãos, os Anjos e Santos. Sua própria glória será a glória refletida, que brilha na da sua mãe [a Igreja] testa que esta criança pede é amor Ela sabe apenas uma coisa:.. amar-te, ó Jesus " (ibid.) .

Mas uma vez que ela chega ao céu, contemplar a Deus para o conteúdo do seu coração. Para a sugestão de que ela estaria classificada entre os Serafins, ela respondeu, e em tom de gozação: "Ah, mas se eu for entre os Serafins, não vou fazer o que fazem todos eles se cobrem com suas asas diante de Deus;! Eu terei muito cuidado para não cobrir-me com as minhas asas " (CJ, 1897/09/24) .
Teresa, além de aproveitar-se da intercessão dos Anjos e assistência disposto, foi tão longe como a alegação de sua santidade, de modo a crescer mesmo sozinha. Em sua oblação à Divina Misericórdia, reza: "Eu ofereço-lhe todos os méritos dos Santos (no céu e na terra), seus atos de amor e dos Santos Anjos Finalmente, ofereço-Vos, ó Santíssima Trindade,. amor e os méritos da Bem-aventurada Virgem minha Mãe querida. É para ela que eu abandono minha oferta, suplicando-lhe para apresentar a você. " (Pri 6) . Ela semelhante implorou seu anjo da guarda:. "O Anjo Feira da Pátria, / dai-me o vosso santo fervor / Eu não tenho nada, mas os meus sacrifícios / e minha pobreza austera / Com suas delícias celestiais, / oferecê-los à Trindade. (PN 46 , 4 Para meu anjo da guarda) .

Em sua própria consagração religiosa a Deus Teresa também sentiu uma profunda união com os santos anjos. "A castidade torna-me a irmã dos Anjos, / dos Espíritos puros, vitoriosos." (PN 48, 3 Minhas armas) .Ela encorajou-noviça, Irmã Maria da Trindade, com os versos: "Senhor, se você valorizar a pureza do anjo, / De que espírito do fogo que nada os céus azuis, / Você também não ama, elevando-se acima do lodo, / o lírio que Seu amor soube manter puro? / Meu Deus, se o anjo com asas / Quem aparece antes está feliz, / Minha alegria mesmo aqui embaixo é como o seu, / Desde que tenho o tesouro da virgindade ! ... " (PN 53, 4 por Sr. M. da Trindade) .

Por sua vez, estima o Anjo para as almas consagradas, concentra-se mais sobre as almas em especiais relação esponsal desfrutar com Cristo (e em que cada alma pode compartilhar): "Hoje, os Anjos inveja de você / Eles gostariam de desfrutar da felicidade / Que você possui, O Marie / Como esposa do Senhor. (PN 10, 9 Pastora Rainha;.. cf PN 43, 12 Profissão de Irmã M. Madeleine) .

© 2008 Ordem da Santa Cruz

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

O que está acontecendo no Egito?

O mundo árabe acordou! A globalização, especialmente pela internet, é uma das causas desse fenômeno, do qual é difícil de prever os desdobramentos. Em alguns países, os ditadores foram depostos, como no Egito; e na Síria a pressão popular é forte para derrubar o governo. O Egito é o maior e mais importante país árabe, com 85 milhões de habitantes. O povo nas ruas derrubou Osni Mubarak (11/2/2011), que era apoiado pelos generais fardados. Foi eleito um representante do movimento radical islâmico, a “Irmandade Muçulmana”, Mohamed Mursi (18/6/2012), engenheiro que implantou, no Egito, um governo islâmico conduzido por leis do Corão ou Alcorão. Em 26/12/2012, Mursi aprovou uma nova Constituição redigida apenas por muçulmanos mais radicais e aprovada em um referendo. 


Isso provocou a ira dos generais de linha dura que não aceitam um governo islâmico, porque o consideram um fator de atraso; querem uma sociedade mais moderna, como na Turquia, por exemplo. Já são centenas de mortos (mais de 900) por causa da deposição do Presidente eleito Mursi, da Irmandade Muçulmana. Na verdade, o confronto dos militares e a facção muçulmana vêm desde a década de 50.
Está cada vez mais difícil os dois lados sentarem-se a uma mesa de negociação. A Irmandade Muçulmana é forte, tem o apoio de, pelo menos, 20% do povo e 5 milhões de militantes radicais. Acreditam seus adeptos que morrer nesta luta é ser mártir. Como não gostam do Cristianismo, esses radicais estão também perseguindo e matando cristãos, incendiando as igrejas cristãs coptas [cerca de 50], a qual conta com 10% de adeptos na população.




Os cristãos são vistos como aliados dos militares, e por isso são perseguidos.


Diante das tristes notícias que cada dia recebemos sobre a perseguição dos cristãos no Oriente Médio e no Egito principalmente, fica a pergunta o que podemos fazer?

REZAR!!!! Como os cristãos reunidos na casa de Marcos em Jerusalém, rezarmos fervorosamente pedindo ao Senhor pelos que são perseguidos. Pedindo ao Senhor que envie os Santos Anjos para os libertar, assim como enviou um Anjo a Pedro na prisão. (At 12). 


Convido a você que está lendo este post a colocar essa intenção hoje nas suas orações. Rezemos!

Nossa Senhora Rainha da Paz, rogai por nós!!!!!!

terça-feira, 20 de agosto de 2013

A existência dos Anjos


Apesar de cada Anjo esgotar a sua própria espécie, todavia, estão unidos em coros. Há entre eles, pois, uma hierarquia não segundo espécies, mas segundo o grau de luz que os aproxima de Deus.


A divisão mais tradicional na Igreja, fundamentada na Sagrada Escritura, é aquela de Dionísio (Pseudo, ou Aeropagita), que constata nove coros divididos em três Hierarquias:

1º Hierarquia: Serafins, Querubins e Tronos – a serviço exclusivo da contemplação de DEUS, pelo Amor, pelo Conhecimento e pela Aceitação rendida da Sua Vontade, que transmitem ao resto da criação.

2º Hierarquia: Dominações, Virtudes e Potestades – recebem Luz de Deus através dos Anjos da 1ª Hierarquia. Ocupam-se da criação material na sua ligação com realidades espirituais.

3º Hierarquia: Principados, Arcanjos e Anjos – recebem Luz de Deus através dos Anjos da 2ª Hierarquia. Estão a serviço da humanidade.

Como em Deus tudo é Comunhão Pessoal, assim entre os Anjos também reina a comunhão. E esse é o significado mais amplo da existência dos Coros Angélicos: a Comunhão com Deus e em Deus com os outros Santos Anjos.

Assim que os Anjos dos coros mais altos comunicam luzes para os Anjos dos coros mais baixos. Compõem os Coros Celestes os:

1. Serafins: que tem amor ardente para com DEUS (Is 6, 2.6)
2. Querubins: que tem o cume da sabedoria (Gn 3,24; Ex 25,18; Sl 98,1 – Os Seres Vivos de Ez 10,20).
3. Tronos: que tem santo temor e prontidão para com Deus (Cl 1,16).
4. Dominações: que ordenam e governam por meio de súditos, ocupa-se do governo dos Anjos (Cl 1,16).
5. Virtudes: executam as ordens das Dominações, tem o poder de operar milagres na natureza (Ef, 1,21).
6. Potestades: que lutam contra os espíritos maus (Ef 1,21; Cl 1,16).
7. Principados: dirigem os destinos das nações (Ef 1,21; Cl 1,16).
8. Arcanjos: transmitem desígnios importantes de Deus e protegem pessoas que desempenham funções especiais na Igreja e defendem a própria Igreja (Jd 1,9).
9. Anjos: são os mais próximos de nós. A ele pertence nosso Anjo da Guarda (Ex 23,20; Mt 18,10).




domingo, 18 de agosto de 2013

"ELE TE LIVRARÁ DO LAÇO DO CAÇADOR" (SL 90,4)


(Um missionário alemão contou esta história que aconteceu no tempo quando Mao Tse Tung e os comunistas conseguiram, com violência, tomar posse do poder da China, nos anos cinqüenta)




No início da revolução, os comunistas chineses evitaram cuidadosamente danificar ou matar estrangeiros, para não provocar a opinião pública internacional contra si. Nesta situação, cheia de tensões mas de uma coexistência pacífica com a Igreja, o Pe. Carlos pôde continuar seu trabalho missionário, que consistia na pastoral em vários povoados, que eram bem distantes um do outro. Ele se julgava feliz, porque possuía uma moto, com a qual visitava cada Domingo seus rebanhos dispersos, junto com seu sacristão.

Num destes Domingos, quando juntava, depois da Missa, os paramentos litúrgicos, uma voz lhe disse, em sua língua materna: "Não tenhas medo. Tudo irá bem!". Ao ouvir a sua língua materna, ficou admirado e perguntou ao grupo de fazendeiros chineses, que se encontravam ao redor dele, quem deles falava tão perfeitamente alemão. "Alemão?" perguntaram, "Mas o senhor sabe que nós todos somos simples fazendeiros e nunca tivemos a possibilidade de estudar uma língua estrangeira. Porque o senhor está perguntando isso?" Foi óbvio que nenhum deles escutou a voz, e por isso Padre Carlos disse que só quis perguntar e que não era nada de importância.

Mas como seria de importância não tinha ele nem a mínima idéia naquele instante. Pois nesse dia os comunistas decidiram finalizar aquela "coexistência pacífica" com a sua morte! Uma divisão local das forças armadas já tinha recebido as ordens de matar Padre Carlos, porque a Igreja católica estourava a revolução comunista. Só que não quiseram executar o Padre Carlos publicamente, mas num dos trechos mais abandonados de seus caminhos.

Padre Carlos fez as malas da Missa e saiu para o próximo povoado que se encontrava numa região montanhosa. A estrada era ruim e cheia de curvas, por isso, só podia dirigir devagarzinho. Depois de uma curva muito estreita, encontrou-se com um esquadrão de soldados comunistas, que logo atirou contra ele numa distância de mais ou menos trinta metros. Os primeiros tiros acabaram com a moto, e o Padre Carlos e seu sacristão caíram na lama. Tiveram a sorte de achar refúgio atrás de uma grande rocha.

Padre Carlos não podia compreender o que se passava e pensou que os soldados estavam enganados. Logo que vissem que ele era um sacerdote católico, acabariam com os tiros e tudo estaria em ordem. Por isso levantou-se três vezes, querendo convencê-los. Mas três vezes atiraram contra ele sem, porém, apanhá-lo nenhuma vez! Mas desta maneira conseguiram que ele ficasse convencido de que eles o queriam matar.

Afinal os soldados aproximaram-se deles e os aprisionaram. Começando os interrogatórios com uma revista do corpo, notaram que nem o Padre Carlos, nem seu sacristão foram apanhados por um só tiro sequer (e foram sete salvas!). Os fuzileiros ficaram tão impressionados, que soltaram os dois prisioneiros. Mas foi claro que precisavam continuar o caminho a pé, porque a moto ficou muito perfurada.

Saindo de lá, Padre Carlos pensou nas palavras que tinha ouvido depois da Missa: "Não tenhas medo. Tudo irá bem!" e disse a si mesmo: "Agora sei realmente que o Senhor mandou verdadeiramente o Seu Anjo e me livrou da mão do esquadrão comunista de morte!" (como São Pedro falou quando se encontrou numa situação semelhante em At 12, 11).

cumsactisangelis.blogspot.co.at

Oremos!!!


Para Refletir - Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós.





"A Imaculada tem de Deus isoladamente a promessa de vitória sobre Satanás. Ela procura almas que consagrar-se-ão inteiramente a ela, as quais tornar-se-ão em suas mãos instrumentos contundentes para a derrota de Satanás e para a propagação do Reino de Deus."

São Maximiliano Kolbe

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Quaresma de São Miguel

Hoje, 15 de agosto inicia a quaresma de São Miguel Arcanjo, quarenta dias de orações que terminará dia 29 de setembro.



Glorioso São Miguel Arcanjo, chefe e príncipe dos exércitos celestiais amado da casa de Deus, dignai-vos e livrai-nos de todos os males, nós todos que recorremos a vós com confiança, fazei que pela incomparável proteção que a cada dia sejamos mais fiéis a servir a Deus. Levanta-se Deus intercedendo a bem aventurada sempre Virgem Maria São Miguel Arcanjo, e todas as milícias celestes sejam dispersos os seus inimigos e fujam da sua face, todos os que vos odeiam, em nome do Pai do Filho e do Espirito Santo Amém Amém e Amém!!!

Uma pequena explicação sobre a Quaresma de São Miguel:

Assunção de Nossa Senhora





Assunção de Nossa Senhora - Dia das Mil Ave-Marias

(15 de Agosto)

A festa da Assunção de Nossa Senhora é uma das mais antigas da Igreja. No ano de 600 já a Igreja Católica festejava este dia de glória de Maria Santíssima. A festividade de hoje lembra como a Mãe de Jesus Cristo recebeu a recompensa de suas obras, dos seus sofrimentos, penitências e virtudes. Não só a alma, também o corpo da Virgem Santíssima fez entrada solene no céu. Ela, que durante a vida terrestre desempenhou um papel todo singular, entre as criaturas humanas, com o dia da gloriosa Assunção começou a ocupar um lugar no céu que a distingue de todos os habitantes da celeste Sião.

Só Deus pode dar uma recompensa justa; só Ele pode remunerar com glória eterna serviços prestados aqui na terra; só Ele pode tirar toda a dor, enxugar todas as lágrimas e encher nossa alma de alegria indizível e dar-nos uma felicidade completa. Que recompensa o Pai Eterno não teria dado àquela que por ele mesmo tinha sido eleita, para ser a Mãe do Senhor humanado? Se é impossível descrever as magnificências do céu, impossível é fazermos idéia adequada da glória que Maria Santíssima possui, desde o dia da Assunção. Se dos bem-aventurados do céu o último goza de uma felicidade infinitamente maior que a do homem mais feliz no mundo, quanta não deve ser a ventura daquela que, entre todos os eleitos, ocupa o primeiro lugar; aquela que pela Igreja Católica é saudada: Rainha dos Anjos, Rainha dos Patriarcas, Rainha dos Profetas, Rainha dos Apóstolos, dos Mártires, dos Confessores, das Virgens, Rainha de todos os Santos!

Que honra, que distinção, que glória não recebeu Maria Santíssima pela sua gloriosa Assunção! Esta distinção honra também a nós e é o motivo de nos alegrarmos. Maria, que agora é Rainha do Céu, foi o que nós somos, uma criatura humana e como tal, nasceu e morreu, como nós nascemos e devemos morrer; mais que qualquer outra, foi provada pelo sofrimento, pela dor. Pela glória com que Deus a distinguiu, é honrado o gênero humano inteiro e por isso a elevação de Maria à maior das dignidades no céu é o motivo para nos regozijarmos. Outro motivo ainda de alegria temos no fato de Maria Santíssima ser a Medianeira junto ao trono divino.

O protestantismo não se cansa de repetir que a Igreja Católica adora os Santos. Doutrina da Igreja Católica é que os Santos podem interceder por nós, e que suas orações tem grande valor aos olhos de Deus; por isto, devemos invocá-los e pedir-lhes a intercessão. Esta doutrina, baseada na Sagrada Escritura, é além disto mui racional. Os Santos não são iguais em santidade e por isto seu valor de intermediários não é o mesmo. Entre todos os habitantes da Jerusalém, a mais santa, a mais próxima de Deus é Maria Santíssima. A intercessão de Maria deve, portanto, ser mais agradável a Deus e mais valiosa para nós. São Bernardino de Siena chama Maria Santíssima a “tesoureira da graça divina”; Santo Afonso vê em Maria o “ refúgio e a esperança dos pecadores”, e a Igreja Católica invoca-a sob os títulos de “ Mãe da divina graça, Porta do céu. Advogada nossa”. Maria Santíssima é a nossa Mãe, nossa grande medianeira, pelo fato de ser a Mãe de Jesus Cristo, nosso grande mediador. 

O dia de sua gloriosa Assunção é para nós um grande “Sursum corda”. Levantemos os nossos corações ao céu, onde está nossa Mãe. Invoquemo-la em nossas necessidades, imitemo-la nas virtudes. Desta sorte, tornando-nos cada vez mais semelhantes ao nosso grande modelo, mais dignos seremos da sua intercessão e mais garantidos da nossa salvação eterna.

A Assunção de Nossa Senhora é uma verdade, que foi acreditada desde os primeiros anos do cristianismo, e declarada Dogma em 1950 pelo Papa Pio XII. Eis um trecho de um sermão de São João Damasceno, sobre o mistério da ressurreição e Assunção de Nossa Senhora: “Quando a alma da Santíssima Virgem se lhe separou do puríssimo corpo, os Apóstolos presentes em Jerusalém, deram-lhe sepultura em uma gruta do Getsêmani. Tradição antiqüíssima conta que, durante três dias, se ouviu doce cantar dos Anjos. Passados três dias não mais se ouviu o canto. Tento entretanto chegado também Tomé e desejando ver e venerar o corpo, que tinha concebido o Filho de Deus, os Apóstolos abriram o túmulo mas não acharam mais vestígio do corpo imaculado de Maria, Nossa Senhora. Encontraram apenas as mortalhas, que tinham envolvido o santo corpo, e perfumes deliciosos enchiam o ambiente. Admirados de tão grande milagre, tornaram a fechar o sepulcro, convencidos de que Aquele que quisera encarnar-se no seio puríssimo da Santíssima Virgem, preservara também da corrupção este corpo virginal e o honrara pela gloriosa assunção ao céu, antes da ressurreição geral”

REFLEXÕES

Como deve ser suave a morte como termo de uma vida santa! Se queres ter uma morte santa, imita a Maria Santíssima na prática das virtudes, principalmente na fé, na confiança em Deus, no amor a Deus e ao próximo, na humildade, paciência e mansidão, na incomparável pureza, na conformidade absoluta à vontade de Deus. Não há nenhuma destas virtudes, cuja prática esteja acima das tuas forças. Não te importa que os homens te desprezem, se Deus te dá tua estima. Que importa se os homens te abandonarem, sendo Deus teu amigo e protetor? É indiferente que sejas rico ou pobre, se possuíres a Deus. Que são os sofrimentos, tribulações, pobreza, fome, sede e doença em comparação com uma boa morte, que te transportará para uma glória e felicidade sem fim? Quem mais participou da Paixão de Jesus Cristo do que sua Santa Mãe? Há, entre os Santos todos, um só, que tenha sofrido como Maria Santíssima? Não é Ela a Rainha dos Mártires? Não obstante é a bendita entre as mulheres, a Esposa do Espírito Santo, a eleita da Santíssima Trindade. 

Também nós havemos de seguir o caminho da cruz, para nos tornarmos dignos da eterna glória. À Vista de Maria Santíssima ao pé da cruz e seu divino Filho pregado no lenho da ignomínia, devem emudecer nossas queixas, nossos desânimos. 

Lembremo-nos ainda que hoje é o dia das Mil Ave-Marias. Esta prática salutaríssima, vêm dos nossos avós, por antiga tradição católica. É preciso difundir cada vez mais, principalmente no seio da família este dia tão especial, para que nossos pósteros levem adiante esta chama tão preciosa de graça e de bênção de valor inimaginável. É muito salutar passar o dia rezando, intensa e continuamente as Ave-Marias em honra a Maria Santíssima. É como que fazer um retiro espiritual em meio às nossas atividades cotidianas. Delas podemos alcançar por intercessão de Maria, copiosas bênçãos e graças espirituais ou mesmo as temporais que nos afligem nesta peregrinação terrestre. Coloquemos hoje, nas mãos amorosas de Nossa Senhora, todas as nossas dificuldades, aflições e intenções mais íntimas. Façamos o possível para, pelo menos, lembrar-nos de repetir continuamente a oração da Ave-Maria, ainda que mentalmente, desde o alvorecer até o anoitecer. Ainda que o ideal fosse não só contar as Ave-Marias, mas meditar todos os respectivos mistérios do Rosário, as nossas atividades diárias, no automóvel, no trabalho, na escola, no lar, podem impedir meditação adequada. Não importa, o que vale é passarmos o dia rezando, sempre que pudermos, essa oração poderosa tanto para os ataques do mal, quanto para obtermos as graças daí advindas.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

FÁTIMA À LUZ DO ANJO

Os beatos Francisco e Jacinta Marto


A 13 de Maio de 2000, o Papa João Paulo II em Fátima, beatificou os dois pastorinhos Francisco (11/7/1908-4/4/1919) e Jacinta Marto (11/3/1910-20/2/1920). Nesta reflexão não olharemos tanto para estas duas crianças, mas antes, para o papel do Anjo na sua vida. Vamos ver como DEUS, através do Anjo, as preparou para a vinda de Nossa Senhora, para a sua vocação e para a união com a Santíssima TRINDADE. O Anjo não está no centro da mensagem de Fátima, mas conduz-nos para lá. Ele levou os pastorinhos a aprofundar a sua fé em DEUS PAI, à entrega incondicional a CRISTO crucificado no sacrifício, à união de amor no ESPÍRITO SANTO através da Sagrada Eucaristia e à confiança total em Nossa Senhora.

A EDUCAÇÃO DOS PASTORINHOS ATRAVÉS DO SANTO ANJO
A educação destas crianças realizada, de um lado pelo Anjo, de outro lado pela MÃE de DEUS, é um apelo a cada um de nós, assim como à toda a Igreja, a levantarmos os olhos para DEUS. Isto para que, nas trevas que se adensam cada vez mais,a humanidade não perca o caminho para DEUS, mas alcance, através de todas as provações necessárias, a Casa do PAI.

AS PRIMEIRAS TRÊS APARIÇÕES SILENCIOSAS DO ANJO EM 1915
Tudo começa muito secretamente.
Nas suas Memórias, a Ir. Lúcia escreve: "Pelo que posso mais ou menos calcular, parece-me que foi em 1915 que se deu essa primeira aparição do que julgo ser o Anjo, que não ousou, por então, manifestar-se de todo. Pelo aspecto do tempo, penso que se deveram dar nos meses Abril até Outubro de 1915" ... "Na encosta do cabeço que fica voltada para o Sul, ao tempo de rezar o terço na companhia de três companheiras, de nome Teresa Matias, Maria Rosa Matias, sua irmã e Maria Justino, do lugar da Casa Velha, vi que sobre o arvoredo do vale que se estendia a nossos pés pairava uma como que nuvem, mais branca que neve, algo transparente, com forma humana. As minhas companheiras perguntaram-me o que era. Respondi que não sabia. Em dias diferentes, repetiu-se mais duas vezes. Esta aparição deixou-me no espírito uma certa impressão que não sei explicar. Pouco a pouco, essa impressão ia-se desvanecendo e creio que, se não são os factos que se lhe seguiram, com o tempo a viria a esquecer por completo" (Memórias da Irmã Lúcia, Coimbra 1990, 6ª edição, pág. 151).
Com a Ir. Lúcia aconteceu o que se dá hoje com a maioria dos cristãos, que, no fundo do coração, bem sabem que têm um Anjo que os acompanha. Uma vez adultos, depressa se esquecem deste "conhecimento" impalpável.

AS TRÊS APARIÇÕES DO ANJO EM 1916

A PRIMEIRA APARIÇÃO: EDUCAÇÃO À ORAÇÃO, ORIENTADA PARA O PAI
O planalto cársico de Fátima, abre-se por todos os lados em direcção ao céu, como uma taça de sacrifício. Esta terra é, na sua vastidão, como que um reflexo da amplitude do céu. Coberta de oliveiras nodosas, recorda a pátria do Senhor, a Galileia. Nessa terra, tão perto do céu, os três pastorinhos sentem-se á vontade, porque tudo lhes é querido, tanto a natureza viva como as restantes coisas. De repente aparece o Anjo. Ficam surpreendidos quando, anunciado por uma ventania, se aproxima sobre as oliveiras um jovem de uns 15 anos, mais branco do que a neve, sim, mais brilhante que um cristal atravessado pelos raios do sol e de uma grande beleza!
O Anjo faz cair no seu mundo infantil, uma luz de que nada suspeitavam. Este mundo em que vivem, abre-se à grandeza de DEUS. Assustadas pela aparição surpreendente, as crianças ouvem da boca do Anjo, as primeiras palavras que são como que um bálsamo suave: "Não temais. Sou o Anjo da Paz!" (pág. 62). O Anjo convida os pastorinhos: "Orai comigo!" Através da oração do Anjo, o homem deve chegar de novo, à entrega total a DEUS, perdida pela sua desobediência. Levadas por um movimento sobrenatural, as crianças imitam o Anjo, que se ajoelha por terra, curvando a fronte até ao chão. Como é profunda a oração que o Anjo pronuncia diante delas, unindo-as entre si e com ele e vão assim repetindo as suas palavras: "Meu DEUS, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam".
É a primeira coisa que os pastorinhos devem aprender: a fé. Esta, sustentada pela visão do Anjo, toma-se adoração, e orienta-se, com toda a força do corpo e da alma, em esperança para com DEUS, abraçando-O no amor, com todas essas mesmas forças. E a fé, como o Apocalipse a exige quando diz: "Aqui está a paciência e a fé dos Santos" (Ap 13,10). Só uma tal fé, vence tudo, e poderá salvar o mundo do entorpecimento do pecado.
Quando a fé se transforma em oração e entrega total a DEUS, o homem é, do mesmo modo que o Anjo, um instrumento dócil na mão de DEUS. DEUS não pode deixar de ouvir tal oração, por isso o Anjo diz no fim: "Orai assim. Os Corações de JESUS e MARIA estão atentos à voz das vossas súplicas!" (pág. 62). Depois do Anjo desaparecer, os pastorinhos ficaram envolvidos numa atmosfera sobrenatural, tão intensa, que quase não davam conta de si mesmos, e continuavam, como que escondidos em DEUS, repetindo sempre a mesma oração. Eles fazem a mesma experiência que os Anjos: "SÓ DEUS BASTA!"

A SEGUNDA APARIÇÃO DO ANJO: EDUCAÇÃO À REPARAÇÃO, ORIENTADA PARA O FILHO
A segunda aparição do Anjo, deu-se junto do poço no quintal dos pais de Lúcia, nos dias de maior calor por volta do meio-dia. De repente, viram o mesmo Anjo, junto deles. Chamou-os, enquanto estavam brincando. DEUS quer mais! Por isso lhes disse: "Que fazeis? Orai! Orai muito!" (pág. 62).
O Anjo vem avisá-los com insistência: "Os Corações de JESUS e MARIA têm sobre vós desígnios de misericórdia!" Na primeira aparição, o mesmo Anjo tinha de tal modo elevado até DEUS a oração das crianças, esta, como a dele, ficara fixa na Sua Face, despertando nos seus corações, a ânsia pelo céu.
A maior beleza de DEUS, é para nós, pobres pecadores, a SUA infinita Misericórdia para connosco, pobres ovelhas perdidas. Da contemplação desta beleza, nasce o desejo de desagravar a DEUS por todos os ultrajes e ofensas, a exemplo de JESUS crucificado. Por isso, a resposta dos crentes, que praticarem esta contemplação, será sempre a reparação. É a segunda coisa que o Anjo exige às crianças: "Oferecei constantemente ao ALTÍSSIMO orações e sacrifícios!" e quando perguntam como devem fazer sacrifícios, o Anjo responde: "De tudo que puderdes, oferecei um sacrifício em acto de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores."
A nossa vida com DEUS, deve ser cada vez mais, uma união com ELE no sacrifício. Só assim, teremos paz em nós, e à nossa volta. É esta paz, que o Anjo promete às crianças, para a sua pátria. Se o Anjo de Portugal é ao mesmo tempo o Anjo da Paz, a missão de Fátima não pode deixar de ser, senão uma missão de paz para o mundo.
Na sua última frase, o Anjo diz, qual é o sacrifício que agrada mais a DEUS: "Sobretudo, aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos enviar!" (Pág. 62). DEUS coloca a humildade da submissão, que só nos pode abrir de novo as portas do Céu, contra o punho fechado da criatura elevado ao Céu, expressando o "Não quero servir" de Lúcifer. Só no sofrimento, e passando pelo abismo das provações apocalípticas, a Igreja, e com ela a humanidade, encontrará de novo o caminho para DEUS. A vida heróica dos Beatos, Francisco e Jacinta, dá um testemunho eloquente do caminho de sofrimento que percorreram, em reparação da honra ultrajada de DEUS e pela conversão dos pecadores. E pela expiação de poucas almas fiéis, que muitos no mundo serão salvos.
Das palavras do Anjo na segunda aparição se diz o seguinte: "Gravaram-se em nosso espírito como uma luz que nos fazia compreender quem é DEUS, como nos amava e queria ser amado, o valor do sacrifício e como ele Lhe era agradável, como, por atenção a ele, convertia os pecadores" (pág. 153). A luz do próprio Anjo, não só transmite o conhecimento de DEUS e da verdade revelada, mas dá também força para sacrificar tudo, a fim de preparar o caminho para o Reino de DEUS. Tal como os pastorinhos, antes das aparições do Anjo, também nós vivemos, normalmente, conforme as circunstâncias da nossa vida: o nosso olhar não vai para além do nosso horizonte. Sabemos pouco ou nada da grandeza apocalíptica do tempo em que vivemos, mas quando DEUS nos concede uma ligação mais íntima com o Anjo, começamos a ver QUEM é DEUS e como Ele nos ama. Assim, espera igualmente de cada um de nós, uma resposta de amor, visto que o mundo, e até muitos dentro da Igreja, cada vez mais se esquecem d'ELE.
O olhar para o Anjo, abre-nos os olhos para o imenso mundo de DEUS. A espada de dor, abre-nos o coração, assim como abriu o Coração de MARIA, para que se revele o que ELE espera de cada um de nós. Fátima anuncia o mistério da Misericórdia do DEUS Juiz, à qual, os pastorinhos, se entregam cada vez mais, a partir desta segunda aparição, para transformar a justiça em amor misericordioso, atendendo aos pecadores em perigo da condenação eterna.
A TERCEIRA APARIÇÃO:PREPARAÇÃO DOS PASTORINHOS PARA UMA VIDA DE AMOR ATRAVÉS DA UNIÃO EUCARÍSTICA,ORIENTADA PARA O ESPÍRITO SANTO.
A terceira vez, o Anjo aparece no outono de 1916 (em fins de Setembro ou em Outubro) na Loca do Cabeço.
O mistério central da fé cristã é apontado na terceira aparição como: "o remédio da imortalidade", a Sagrada Eucaristia. E o sol espiritual da nossa vida, à luz do qual nós mesmos seremos um dia luz, quando ELE, depois de todos os selos se abrirem, se precipitar sobre a terra (com a velocidade vertiginosa como no milagre do sol em Fátima), para consumar o mundo no fogo do amor. A adoração, a contemplação e a reparação, são caminhos que levam até DEUS, caminhos que têm em vista este último mistério de amor. Por isso, as crianças receberam a Sagrada Eucaristia. Não é um sacerdote, mas o Anjo que as prepara para a sua primeira Comunhão, a recebem da sua mão, na solidão da Loca do Cabeço.
Ir. Lúcia escreve: "Logo que aí chegámos, de joelhos, com os rostos em terra, começámos a repetir a oração do Anjo: "Meu DEUS, eu creio...". Não sei quantas vezes tínhamos repetido esta oração, quando vemos que sobre nós brilha uma luz desconhecida. Erguemo-nos para ver o que se passava e vemos o Anjo, tendo na mão esquerda um Cálix, sobre o qual está suspensa uma Hóstia, da qual caem algumas gotas de Sangue dentro do Cálix. O Anjo deixa suspenso no ar o Cálix, ajoelha-se junto de nós e faz-nos repetir três vezes: "SANTÍSSIMA TRINDADE, PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de JESUS CRISTO, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que ELE mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de MARIA, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores" (pág. 63).
No Santíssimo Sacramento, o PAI e o ESPÍRITO SANTO estão também necessariamente presentes, porque na união com o FILHO são UM só DEUS. Aqui se decide a vocação destas crianças: a morte reparadora que não demorará (Comunhão do Sangue) dos dois irmãos, e a missão de dar testemunho de Lúcia (Hóstia). A oração, pronunciada pelo Anjo, alude à missão da Igreja no fim dos tempos, essas crianças, de modo exemplar, vão à frente. E selada pela Comunhão reparadora: "Tomai e bebei o Corpo e Sangue de JESUS CRISTO, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso DEUS!' (pág. 63). E prostrando-se de novo em terra, repete outras três vezes a grande oração de reparação. Depois desaparece. Também, desta vez, a força sobrenatural é tão intensa que os pastorinhos imitam o Anjo. Lúcia escreve: "A força da presença de DEUS era tão intensa que nos absorvia e aniquilava quase por completo. Parecia até privar-nos do uso dos sentidos corporais por um grande espaço de tempo. Permanecíamos na mesma atitude, repetindo sempre as mesmas palavras; e quando nos erguemos, vimos que era noite e, por isso, horas de virmos para casa" (pág. 63).
Ainda nos dias seguintes, são levados, por essa mesma presença misteriosa do sobrenatural, até nas acções mais simples do dia a dia. "A paz e a felicidade que sentíamos era grande, mas só íntima, completamente concentrada a alma em DEUS" (pág. 154). Como uma falena se aproxima da chama da vela que há-de queimá-la, assim o homem, pode precipitar-se na LUZ do amor de DEUS, lá, onde adoramos a Majestade de DEUS, unidos com o Anjo, a terra "está cheia da SUA glória"! Já na primeira aparição, nenhum pensou em falar. O silêncio impôs-se. Era tão íntima, que não era fácil pronunciar sobre ela, a menor palavra.
Na terceira aparição, a presença do sobrenatural, foi ainda muitíssimo mais intensa. "Por vários dias, nem mesmo o Francisco se atrevia a falar". A primeira coisa que depois dizia era: "Gosto muito de ver o Anjo; mas o pior é que, depois, não somos capazes de nada. Eu nem andar podia, não sei o que tinha!" (pág. 123).
Uma palavra do Anjo que Lúcia lhe transmitiu, tocou muito especialmente o coração do pequeno vidente: "Consolar a DEUS, tão horrivelmente ofendido pelos crimes dos homens" (pág. 123). Foi a sua vocação particular, até ao fim iminente da sua vida. Enquanto Jacinta, nesta hora sublime da graça, se tornou a grande intercessora pelos pecadores.

ORAÇÃO
PAI, FILHO, ESPÍRITO SANTO, dignai-Vos escutar a nossa prece.
Dai-nos a graça, de viver com intensidade, a mensagem que transmitiste aos três pastorinhos, na Cova da Iria. Ensinai-nos, a acolher o amor maternal de MARIA, a rezar o Terço cada dia e a colaborar na salvação de todos os homens. Deixai-nos, ser inflamados pelos Santos Anjos, para uma vida de oração, de penitência, de reparação, de amor à Igreja e ao Santo Padre. Ajudai-nos, a imitar os Pastorinhos, e a viver à sua semelhança, as virtudes e a santidade evangélicas. Amém.

domingo, 11 de agosto de 2013

Dica Filme católico - O Grande Milagre


Recomendadíssimo! Um filme liturgicamente correto que mostra a riqueza da Santa Missa. Garanto que quem assistir, nunca mais participará do Santo Sacrifício da mesma forma.

"O grande milagre é uma história inspiradora que revela a esperança e a fé. A história gira em torno de três personagens em crise: Monica uma viúva e mãe de uma criança de 9 anos faz todos os esforços para manter a sua casa. Don Chema, um motorista de transporte público que recebe a notícia de uma doença que pode levar a morte de seu filho e Dona Cata, uma velha que sente que sua missão na vida é longa. As histórias se entrelaçam quando sentem uma grande necessidade de estar na igreja. E o que não se pode imaginar é que eles estão prestes a mudar suas vidas para sempre. Com a ajuda de anjos da guarda, vai testemunhar o verdadeiro significado da Missa, uma luta constante entre o bem e o mal, o triunfo da fé."

A animação El gran milagro (O grande milagre) é uma proposta interessante porque elucida parte a parte a Santa Missa, numa proposta envolvente que poderia atrair toda a família: desde a criança de cinco anos (afinal, é uma animação) aos mais velhos.

Todo o filme é baseado e feito a partir do Testemunho da Missionária Leiga do Coração Misericordioso de Jesus, Catalina Rivas, transcrito no livro "A Santa Missa", que tem o "Imprima-se!" do Bispo Ordinário:
Imprimatur de Mons. José Oscar Barahona C., Bispo de San Vicente (El Salvador)
"Li atentamente o impresso A Santa Missa, Testemunho de Catalina, Missionária leiga do Coração Misericordioso de Jesus, e não encontro nele nada contrário à Sagrada Escritura nem à doutrina da Igreja; pelo contrário, creio sinceramente que é um testemunho de sublime ensinamento sobre o mistério da Santa Missa. Recomendo vivamente sua leitura e meditação a sacerdotes e leigos para uma melhor compreensão e vivência do Santo Sacrifício do Altar."
San Vicente, 2 de março de 2004




Ficha Técnica:

Produtora e Diretor: 
Dos Corazones, S.A de C.V | Bruce Morris

Ano: 2011
País: México
Duração: 70 min
Música: Mark Mckenzie
Gênero: Ficção/Drama/Animação
Idiomas: Espanhol, Inglês e Polonês
Estúdio de Animação: Imagica Film, México


sábado, 10 de agosto de 2013

Os Anjos na vida de São Paulo da Cruz

Fundou a Congregação Clérigos Descalços da Santa Cruz e Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo-" Padres Passionistas"

Foi aos dezenove anos de idade, após ouvir um sermão sobre a Paixão de Cristo, que Paulo Francisco Danei decidiu-se pela vida religiosa. 

Nascido em Ovada, na Alexandria, região norte da Itália, no dia 3 de janeiro de 1694, era o primeiro dos dezesseis filhos de um casal de nobres e fervorosos cristãos. Apesar do nome e da posição social, a família não possuía fortuna. 

Seu pai era um dedicado comerciante que viajava muito. Desde a infância Paulo acostumou-se a acompanhar o pai, primeiro como seu companheiro, depois, também, para ajudá-lo nos negócios. 

Também desde pequeno se entregava a exercícios de oração e penitência e à leitura da vida dos santos, encantando-se, especialmente, com a dos eremitas. Gostava de ir à igreja para rezar o terço. Essa rotina floresceu e fez crescer sua vocação. 


Quando ouviu o sermão que o tocou, já pertencia à Irmandade de Santo Antônio. Primeiro pensou em alistar-se como voluntário na cruzada contra os turcos, organizada pelo exército veneziano. Depois, rezando perante a santa eucaristia, ouviu o chamado de Deus para a vida religiosa. Iniciou, então, suas intensas orações contemplativas e penitências.

Junto com seu irmão João Batista, foram viver como eremitas no monte Agentário. Durante a semana, privavam-se de tudo, oravam e penitenciavam-se. Aos domingos, dirigiam-se às cidades, onde pregavam e enalteciam a Paixão do Senhor. 

Assim, amadurecia em seu coração o projeto de uma comunidade religiosa. Até que, segundo ele, uma aparição da Virgem Maria permitiu-lhe conhecer o hábito, o emblema e o estilo de vida do futuro Instituto, que teria sempre Jesus Cristo Crucificado como centro. 


Motivado pelos sermões que atraíram tantos seguidores e apoiado pelo bispo de Alexandria, fundou, em 1720, a Congregação dos Clérigos Descalços da Santa Cruz e da Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, ou dos Padres Passionistas, ordenando-se com o nome de Paulo da Cruz. 

São Paulo da Cruz recebeu uma revelação de DEUS, que lhe dava São Miguel Arcanjo como defensor de sua Congregação face as inúmeras provas pelas quais passaria. O Santo sempre teve pelo Príncipe da Milícia Celeste uma devoção especial. Cerca do fim de sua vida o glorioso Arcanjo apareceu muitas vezes. Um dia em que ele se mostrou todo  resplandecente de luz, o Santo perguntou-lhe se ele protegia sua alma e a Congregação:"Eu sempre velei por uma e outra - respondeu-lhe o Arcanjo -, e não te faltarei jamais no futuro" (Louis-Th, p. 137).





segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Oração ao Santo Anjo para os Jovens



Meu Anjo,
tu, poderosa promessa de Deus,
nunca te vi,
mas o Senhor me diz que estás aqui.
Não te conheci,
mas sempre estiveste presente.

Fica comigo, tu, amigo sagrado,
de dia e durante a noite,
quando estiver sozinho ou acompanhado.
Fica ao meu lado,
onde mais ninguém puder ir comigo,
onde mais ninguém puder ajudar,
onde mais ninguém puder aconselhar.

Protege-me, tu, forte ajudante,
luta por mim,
afasta de mim o que me fere
e livra-me da queda. Amém.


De Youcat - Oração para os jovens