Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Feliz Ano Novo

Então com o nosso Santo Anjo da Guarda possamos arrumar a nossa vida e recomeçar.
Feliz Ano Novo!!!!
Glückliches Neues Jahr!!!!
Nytar!!!!!...
Feliz Año Nuevo!!!!!
Felicigan Novan Jaron!!!!!
Heureuse Nouvelle Année!!!!!
Feliz Aninovo!!!!!
Shaná Tová!!!!
Happy New Year!!!!!
Felice Nuovo Anno!!!!!
Akemashite Omedetou Gozaimasu!!!!!
 
 

domingo, 28 de dezembro de 2014

Sagrada Familia de Nazaré

 
JESUS, Maria e José nossa família vossa é.

História do Anjo da Guarda

"Se é verdade que tu ajudas..."
 
Depois de ler muito sobre a ação dos Santos Anjos em nossa vida, ficava frequentemente pensando como seria bom ter uma experiência pessoal com meu Anjo da Guarda. E eis que não demorou muito...
Era o último dia para a troca do endereço do título de eleitor. Saí com um vereador, que prometeu me ajudar para conseguir mais rápido. Mas ao chegarmos ao local, as filas eram quilométricas e estava chovendo. Ao ver aquela situação, pensei:" Vou esperar a saída do vereador aqui, se ele não conseguir, vou desistir desta mudança de endereço".
Quando ele veio, disse que não tinha como me ajudar naquela situação. Neste momento, no silêncio do meu coração, falei com meu Anjo da Guarda: "Se é verdade que tu nos ajudas nas horas difíceis quando te chamamos, então venha aqui, agora, para resolver esse impasse para mim!"
Não passou 60 segundos, eu estava assim parada, já desistindo, quando chegou um guarda na minha frente e disse: "Pronto, formem uma fila aqui para mudanças de endereços... e a senhora será a primeira da fila".
Eu fiquei pasma, mas logo agradeci ao meu bom Anjo da Guarda, que respondeu tão prontamente a minha súplica. Ao mesmo tempo me lembrei daquele versículo da Bíblia que diz:
"Não ponhas a tua segurança nos poderosos da terra" (cf. Sl 117,9)
Não deveríamos confiar muito mais no poderoso auxílio dos nossos irmãos celestes? Em quantas situações, que para nós, homens, não tem solução, o Santo Anjo nos pode ajudar rapidamente e sem dificuldade nenhuma!
 
 
 
O Anjo - Carta circular da Obra dos Santos Anjos, nº35

São João Evangelista

Ainda na alegria do Natal de Jesus nós celebramos São João Evangelista, apóstolo e seguidor de Nosso Senhor Jesus Cristo. São João nos deu o quarto Evangelho, nos deu as Cartas nas quais ele testemunha o amor de Deus para conosco e nos deu o Livro do Apocalipse também. Mas, acima de tudo, ele... nos deu o testemunho da grandeza do amor de Deus.

 
“A Vida manifestou-se e nós a vimos, e somos testemunhas, e a vós anunciamos a Vida eterna, que estava junto do Pai e que se tornou visível para nós” (1 João 1,2 ).
 

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Feliz Natal!!!

O coro dos anjos ressoa na terra
e um mundo novo seu canto anuncia:
a glória a Deus Pai nas alturas celestes,
e ao gênero humana a paz e alegria.
...
Embora pequeno, deitado em presépio,
em todo Universo, ó Cristo, reinais.
Ó fruto bendito da Virgem sem mancha,
que todos vos amem num reino de paz.

Nasceis para dar-nos o céu como Pátria,
vivendo na carne da humanidade.
Renovem-se as mentes e os corações,
se unam por laços de tal caridade.

Às vozes dos anjos as nossas unimos,
num coro exultante de glória e louvor,
cantando aleluias ao Pai e ao Filho,
cantando louvores e graças ao Amor.
 
 

domingo, 21 de dezembro de 2014

Quarto Domingo do Advento


Neste domingo o evangelista Lucas nos transporta a uma pequena cidade da Galileia, chamada Nazaré. Ela é tão insignificante que nem sequer aparece no Antigo Testamento e é considerada de tão má fama e desprezada que dela se pergunta: "De Nazaré pode vir algo bom?" (Jo 1,46).
É a essa cidadezinha que Deus envia seu mensageiro para se encontrar com uma jovem, da qual só sabemos que se chama Maria e está prometida em casamento a um homem chamado José!
Por que esse silêncio sobre Maria no evangelho? Talvez para que fique bem manifestada a bondade e gratuidade de Deus, que escolheu uma jovem pobre, do povo, para que fosse a mãe de seu Filho.
Este encontro entre o anjo Gabriel e Maria, que torna possível a entrada do Filho de Deus na humanidade, acontece no anonimato, no silêncio e na pobreza. Sem dúvida, os planos de Deus não seguem as formulações e expectativas humanas.
Nós poderíamos pensar que um evento tão importante teria de ser publicado nos jornais da cidade, acontecido numa grande festa e com convidados especiais que reconhecessem e prestigiassem o que se estava realizando.
Mas não, Deus tem outro modo de agir, vem ao nosso encontro e se faz homem através de uma humilde e desconhecida jovem que mora na periferia da Galileia.
Nós somos capazes de reconhecer a visita de Deus no silêncio, na pobreza? Ou pensamos que Ele só está com os que têm dinheiro, poder ou reconhecimento social?
No diálogo do Anjo com Maria, ela é surpreendida pela saudação do Anjo: “Alegre-se, cheia de graça! O Senhor está com você!”, o que deixa claro que a iniciativa é de Deus, é Ele que vai ao encontro desta jovem para propor-lhe ser a mãe do Salvador. Quanta gratuidade e delicadeza de nosso Deus de confiar à Maria seu plano de salvação e esperar sua resposta!
Deus enche o coração daqueles e daquelas que o recebem com a simplicidade de Maria. Faz alguns dias, Papa Francisco deu a conhecer a Exortação Apostólica Pós-Sinodal. Nela somos convidados a renovar a alegria do Evangelho que "enche o coração e a vida inteira dos que se encontram com Jesus. Quem se deixa salvar por Ele é liberto do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento. Com Jesus Cristo sempre nasce e renasce a alegria”.
Maria parece não compreender como seria isso possível, mas não se fecha, talvez ressoem em seu coração as palavras dos profetas do seu povo, que anunciavam a vinda do Messias: "Digam para a capital de Sião: Veja! Seu salvador está chegando..." (Is 62,11); "A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel" (Is 7,14b-15).
Sentindo sua pequenez diante do projeto de Deus que se abre diante dela, Maria tem a coragem de perguntar: "Como vai acontecer isso, se não vivo com nenhum homem?".
A resposta do Anjo fala sobre o poder de Deus: é o Espírito Santo quem obrará nela o milagre da encarnação do Filho de Deus. O Deus para quem nada é impossível, está aguardando o consentimento desta jovem mulher.
Deus se fez homem no sim de uma jovem.
E Maria não se faz esperar, confiando plenamente na Promessa de Deus, se faz totalmente disponível: "Eis a escrava do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra." E pelo seu sim, Deus se encarna no seu ventre, e se torna pessoa humana!
O Papa Leão Magno dizia: "Jesus foi tão humano, que somente Deus poderia ser humano assim". O Salvador do mundo começou a viver no seio desta humilde mulher de Galileia, porque Deus quis ser um de nós: trabalhar com mãos de homem, pensar com inteligência de homem, obrar com vontade de homem, amar com o coração de homem (cf Gaudium et Spes 22), para que a humanidade vivesse a liberdade de sua plena dignidade, a de ser filha amada de Deus!

Um santo Domingo.

Opus Sanctorum Angelorum

domingo, 14 de dezembro de 2014

Advento - Domingo da alegria.



No coração: a esperança.

 O nosso olhar sobre os outros e sobre o mundo pode ser transformado nesta semana: Passar da contestação à bondade; procurar ter uma expressão de sorriso em cada encontro, saudar o outro como um irmão que Deus ama e desejar-lhe todo o bem que Deus quer para ele.

 A alegria cristã não está ao nível de um otimismo simplista, mas coloca no coração diariamente a esperança, possível e credível pela Palavra feita carne.

Que unidos ao nosso Santo Anjo da Guarda possamos viver de forma santa, alegre, em atitude de louvor e de adoração, abertos aos dons do ESPIRITO e aos desafios de DEUS.
 

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Oração a Nossa Senhora de Loreto


Ó Virgem Imaculada, é com viva fé que meditamos nos grandes mistérios que se realizaram nesta tua casa de Nazaré, tão pobrezinha, transportada depois pelos anjos para as colinas de Loreto.

Entre estas sagradas paredes, onde tu foste concebida sem pecado, e, adolescente, viveste de oração e de amor, o anjo te saudou chamando-te: Cheia de graça. Tu respondeste com as milagrosas palavras que abriram o céu e fizeram descer o Salvador do mundo.

Junto a São José, na contemplação da palavra encarnada, na humildade e no trabalho, aqui serviste o Senhor preparando teu espírito ao grande sacrifício: com teu filho terias oferecido, no Calvário, a ti mesma, para te transformar em mãe de todos os homens, remidos pelo sangue de Jesus.

Depois de termos vivido em nossas casas na graça de Deus como tu o fizeste na tua, longe do pecado, obedientes à lei e vontade divina, concede-nos, ó Maria, que possamos um dia, morar na casa do Senhor, contigo, por toda a eternidade.
 
 

Mensagem do Papa Francisco - Advento



“Com a solicitude e a ternura de um pastor que cuida de seu rebanho. ELE dará unidade e segurança ao rebanho, o fará apascentar, vai reunir os animais dispersos, carregar os cordeiros nas dobras de seu manto, especialmente os mais frágeis.
É assim que DEUS se comporta conosco, suas criaturas. Por isso, o Profeta convida aqueles que o ouvem – inclusive nós, hoje – a difundir em meio ao povo esta mensagem de esperança”.
                                                                                    (Papa Francisco / 2º Domingo do Advento)
 
Juventude Obra dos Santos Anjos.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Imaculada Conceição

“O mistério da Imaculada Conceição é fonte de luz interior, de esperança e de conforto. Em meio às provas da vida e especialmente às contradições que o homem experimenta dentro de si e ao redor de si, Maria, Mãe de Cristo, nos diz que a Graça é maior que o pecado, que a misericórdia de Deus é mais poderosa que o mal e sabe transformá-lo em bem.” (Bento XVI 08.12.10)

 

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O Anjo do Senhor.




 Uma das orações mais profundas e, ao mesmo tempo, mais estimadas de nosso povo é “O Anjo do Senhor”. Nem todos sabem reza-la, embora todos os católicos devessem fazê-lo, porque adentra o âmago da nossa fé, o mistério da Encarnação, recordando sua grandiosidade. O toque do Angelus - às 6 da manhã, ao meio-dia e às 6 da tarde - é conservado em nossas Igrejas para nos lembrar de elevarmos o coração a Deus durante a faina diária. Em Roma é costume, desde séculos, o Papa aparecer, aos Domingos, na segunda janela do seu apartamento para a récita do Angelus, acompanhada de uma mensagem e da saudação ao povo que, por vezes, lota a Praça de São Pedro.

Vamos meditar sobre as invocações do Angelus, todas extraídas dos Evangelhos, justamente com o objetivo de aprofundar-lhe o significado, para nos estimular a manter esta preciosa tradição da Igreja.

“O Anjo do Senhor anunciou a Maria” (cf.Lc 1,26-27). Esta frase resume a passagem do Evangelho de São Lucas, na qual o Anjo Gabriel apresenta-se a Maria e anuncia que ela será a Mãe do Salvador. É um anúncio muito solene: “Alegra-te, Maria, porque achaste graça diante do Senhor” (Lc 1,28), significando que Cristo a co-envolve na plenitude do seu Mistério, projetando sobre ela toda a força da Redenção. Ela, por sua vez, aceita essa difícil missão, mesmo sem entendê-la cabalmente e sem saber o seu alcance. “E ela concebeu do Espírito Santo” (cf. Lc 1,35). O Pai e o Filho enviaram sobre Maria o seu Amor recíproco, o próprio Espírito Santo. Como conseqüência, ela concebeu em seu seio a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, o Verbo, para vir a ser gente como nós, exceto no pecado. Aparece, assim, a grandiosidade daquele acontecimento, pela condescendência de Deus querer vir morar conosco, tornando-se um dos nossos. Assim, hoje e para sempre, no seio da Trindade, Jesus Cristo tem unida a si a nossa natureza humana, já glorificada. “Eis aqui a serva do Senhor” (Lc 1,38). Esta segunda invocação repete a resposta de Maria. “Servo” é um termo que, na Sagrada Escritura, adquire um valor todo especial, particularmente em Isaías (cf. Is 53). Porque o Servo por excelência, anunciado pelos profetas, foi Aquele que nos ensinou a entrega total, aniquilando-se pelo próprio despojamento, mesmo sendo Deus (cf. Fl 2,6). E Jesus diz a respeito de si mesmo: “O Filho do Homem veio não para ser servido, mas para servir” (Mt 20,28), deixando-nos o exemplo: “Todo aquele que quiser tornar-se grande entre vós, se faça vosso servo” (Mt 20,26).

Ao colocar-se como serva diante de Deus, Maria antecipou a atitude de seu Filho, apoiando-se na profecia de Isaías. Logo a seguir, ela complementa: “Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1,38). Este “faça-se” é a disponibilidade total à vontade divina - Fiat - tão acentuado por muitos escritores de espiritualidade. Expressa, claramente, o reconhecimento de que nada é melhor do que a vontade de Deus, e o desejo de que ela se cumpra, ainda que não sejam conhecidas todas as suas consequências. A Palavra de Deus é sempre eficaz e, por isso, quando Maria concorda com o seu cumprimento, ela tem absoluta certeza de que vai se realizar o efeito da Palavra.

“E o Verbo se fez carne”... (Jo 1,14). Aqui está o centro do mistério da
Encarnação. Não há mistério mais sublime: Deus se torna gente como nós, passa pelas nossas emoções, pelas nossas fragilidades, e o que é maior e mais trágico, assume toda a nossa história, a triste história dos pecados, carregando sobre si as nossas culpas (cf. Is 53,4-5). Tudo, tudo pesou sobre Ele, que jamais depôs essa “carga” da humanidade, mas, pelo contrário, nos regenerou pelo seu Mistério Pascal.

A terceira e última invocação se completa: ...”E habitou entre nós” (Jo 1,14). A palavra “habitou” não traduz exatamente o que João refere. O Verbo, isto é, a segunda Pessoa da Santíssima Trindade, “fixou a sua tenda” estavelmente no meio de nós, como se Ele a tivesse construído, estabelecendo-a para sempre. De fato, depois que Jesus veio à terra, Ele nunca mais a deixou, ainda que a sua Ascensão gloriosa o tenha afastado visivelmente dos nossos olhos. Mas, Ele continua presente na Eucaristia, ou onde dois ou três estiverem reunidos em seu nome (cf. Mt 18,20), ou, ainda, com os missionários que vão aos confins da terra, anunciando a Boa-Nova: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28,20). Depois destas três invocações, vem a oração de conclusão: “Infundi, Senhor, em nossas almas a vossa graça”... Primeiramente, para aceitar o mistério da Redenção, é preciso a graça, a própria força de Deus que nos é dada para realizar o que nós, normalmente, não conseguiríamos. Nenhuma obra meritória seria possível sem o auxílio da graça de Deus, que nos eleva acima de nossas fragilidades e nos transforma, tornando-nos aptos a fazer a vontade divina, em dimensão sobrenatural.

...”Para que, conhecendo pela anunciação do Anjo o mistério da Encarnação”... É importante conhecer os eventos relacionados à vinda de Deus entre nós: a escolha de Maria, as glórias com as quais Deus a adornou em vista dessa missão, o chamado de José para ser o Pai adotivo do Menino que iria nascer, e todas as dificuldades que tiveram de ser superadas para que o plano de Deus se realizasse, na “plenitude dos tempos”. Entretanto, mais do que conhecer, é preciso vivenciar a ansiosa expectativa, o generoso acolhimento e a jubilosa gratidão daqueles aos quais Deus se confiou como criança indefesa.

...”Cheguemos, por sua Paixão e Cruz, à glória da Ressurreição”. No Mistério Pascal, defrontamo-nos com o ponto convergente dos merecimentos de Cristo: o seu sofrimento, o derramamento de sangue, a coroação de espinhos, a flagelação, o caminho do Calvário, a crucifixão e a morte. Passando por esse mistério da Paixão, Cristo ressuscita glorioso, na manhã da Páscoa, e sobe aos céus. Dessa glória nós quase nada conhecemos. Mesmo àqueles dotados de graças místicas, Ele nunca aparece como está, realmente, nos céus, porque olhos humanos não seriam capazes de suportar essa visão. Somente após a morte, como a nossa fé nos garante, receberemos a “luz da glória”, dom que nos permitirá vê-lO tal como Ele é. Finalmente, na consumação dos tempos, nossos corpos também ressuscitarão, pois a Ressurreição de Cristo é penhor e garantia da nossa.

Quanta beleza e profundidade contidas numa oração tão pequena e facílima de ser rezada diariamente! A todos aconselho recita-la com muita piedade, fé e devoção, santificando as etapas do dia: pela manhã, recordando a atitude de Maria, consagramos a Deus nossas atividades; ao meio-dia, unimo-nos ao Verbo Encarnado em sua Paixão; à tarde, recordamos a morte que cai sobre a humanidade como a noite, na certeza de que Cristo triunfou, pela Ressurreição, e nos torna também vitoriosos, na expectativa da união definitiva com Ele.

CARDEAL D. EUSÉBIO OSCAR SCHEID

“2015 O ANO DA VIDA CONSAGRADA” - DECLARA PAPA FRANCISCO VIDA CONSAGRADA

 O Papa Francisco anunciou na sexta-feira, 29, que o ano de 2015 será dedicado à Vida Consagrada.
 
 
 
 O anúncio foi feito durante a 82ª Assembleia Geral da União dos Superi...ores Gerais (USG), que foi realizado em Roma.

Aos participantes, o Papa afirmou que a radicalidade é pedida a todos os cristãos, mas os religiosos são chamados a seguir o Senhor de uma forma especial. “Eles são homens e mulheres que podem acordar o mundo. A vida consagrada é uma profecia”. O encontro ocorreu nesta manhã, na Sala Sínodo, no Vaticano. Em três horas de reunião, o Pontífice respondeu às perguntas dos superiores gerais e tratou de temas referentes a Nova Evangelização.

Interrogado sobre a situação das vocações, o Papa afirmou existir Igrejas jovens que estão dando muitos frutos, e isso deve levar a repensar a enculturação do carisma. “A Igreja deve pedir perdão e olhar com muita vergonha os insucessos apostólicos por causa dos mal-entendidos neste campo, como no caso de Matteo Ricci”.

O diálogo intercultural, segundo Francisco, deve introduzir no governo de institutos religiosos pessoas de várias culturas que expressam diferentes formas de viver o carisma.

Durante o diálogo, Francisco insistiu sobre a formação, que em sua opinião, deve ser baseada em quatro pilares: espiritual, intelectual, comunitária e apostólica. “É essencial evitar todas as formas de hipocrisia e clericalismo através de um diálogo franco e aberto sobre todos os aspectos da vida”.

Francisco destacou também que a formação é uma obra artesanal e não um trabalho de policiamento. “O objetivo é formar religiosos que tenham um coração terno e não ácido como vinagre”, alertou.

Sobre a relação das Igrejas particulares com os religiosos, o Papa disse conhecer bem os problemas e conflitos. “Nós bispos, precisamos entender que as pessoas consagradas não são um material de ajuda, mas são carismas que enriquecem as dioceses”.

Ao falar sobre os desafios da missão dos consagrados, o Pontífice destacou que as prioridades permanecem as realidades de exclusão, a preferência pelos mais pobres. Destacou também a importância da evangelização no âmbito da educação, como nas escolas e universidades.

“Transmitir conhecimento, transmitir formas de fazer e transmitir valores. Através destes pilares se transmite a fé. O educador deve estar à altura das pessoas que educa, e interrogar-se sobre como anunciar Jesus Cristo a uma geração que está mudando”.

No final do encontro, Francisco agradeceu aos superiores gerais pelo “espírito de fé e serviço” à Igreja. “Obrigado pelo testemunho e também pelas humilhações pelas quais vocês passam”, concluiu o Papa.