Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

sábado, 29 de janeiro de 2011

Devoção ao Santo Anjo da Guarda

"Cada fiel é ladeado por um Anjo como protetor e pastor para conduzí-lo à vida", cita o CIC 336.


De fato, esta verdade é especificada no Salmo 90 que recita:

"(O Altíssimo) te cobrirá com suas plumas, sob suas asas encontrarás refúgio. Sua fidelidade te será um escudo de proteção. (...) porque aos seus Anjos ele mandou que te guardem em todos os teus caminhos. Eles te sustentarão em suas mãos, para que não tropeces em alguma pedra. Sobre serpentes e víboras andarás, calcarás aos pés o leão e o dragão. Pois que se uniu a mim, eu o livrarei; e o protegerei, pois conhece o meu nome. ( Quando me invocar, eu o atenderei; na tribulação estarei com ele. Hei de livrá-lo e o cobrirei de glória. Será favorecido de longos dias, e mostrar-lhe-ei a minha salvação)."
Os Anjos não são somente os mensageiros e os servidores fiéis de DEUS, mas com amável benignidade nos estimulam a alcançar a salvação das nossas almas.

 
Por que devemos ter fé no Santo Anjo da Guarda?

1. A fé nos Anjos é uma ajuda indispensável para a santidade.
2. A fé nos Anjos é importante para ensinar-nos o sentido profundo para o mundo do invisível.
3. A fé nos Anjos nos impele para uma amizade confidêncial com o Anjo da Guarda.
4. A fé nos Anjos nos abre a feliz esperança de ter o nosso caro Anjo da Guarda conosco e por toda a eternidade.
5. A fé nos Anjos, portanto, nos mostra a necessidade de familiarizar-nos com o Anjo começando já aqui neste mundo.

É de grande consolação a certeza de que o Anjo está sempre ao nosso lado, ele nos ensina a ver as ocasiões da vida cotidiana na luz da eternidade, para assim juntar tesouros para o céu (Mt 6,20).

Conferência do Pe Policarpo Cotrin ORC

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Oração de São Pio de Pietrelcina

Meu amado JESUS, que
aprendamos com nosso Santo Anjo a rezar e unir a Ti  nossa vida...


“Jesus, Que nada me separe de Ti, nem a vida, nem a morte. Seguindo-Te em vida, ligado a Ti com todo amor, seja-me concedido expirar contigo no Calvário, para subir contigo à glória eterna; Seguirei contigo nas tribulações e nas perseguições, para ser um dia digno de amar-Te na revelada glória do Céu; para cantar-Te um hino de agradecimento por todo o Teu sofrimento por mim. Jesus, Que eu também enfrente como Tu, com serena paz e tranqüilidade, todas as penas e trabalhos que possa encontrar nesta terra; uno tudo a Teus méritos, às Tuas penas, às Tuas expiações, às Tuas lágrimas a fim de que colabore contigo para a minha salvação e para fugir de todo o pecado – causa que Te fez suar sangue e Te reduziu à morte. Destrói em mim tudo o que não seja do Teu agrado.      
                                                                                 Com o fogo de Tua santa caridade, escreve em meu coração todas as Tuas dores.
Aperta-me fortemente a Ti, de maneira tão estreita e
 tão suave, que eu jamais Te abandone nas Tuas dores.
Amém!”




Devoção ao Santo Anjo da Guarda



Por que devemos venerar e invocar devotamente o Santo Anjo da Guarda?




= Ele é um eminente príncipe da corte celeste;

= Ele nos foi designado por Deus como nosso companheiro, protetor e guia.

Lembra-te sempre de sua presença, e nunca faças à vista dele o que não ousarias fazer à vista de tua mãe.

Em todos os perigos corporais e espirituais, invoca-o e segue suas inspirações. Não te esqueças de que também o teu semelhante tem o seu Santo Anjo da Guarda. Saúda também a este Anjo muitas vezes, e regula o teu procedimento com o próximo de conformidade com essa verdade.



Fr. Antônio Wallenstein, O.F.M., Catecismo da Perfeição Cristã, Editora Vozes, Petrópolis, 1956, III edição

domingo, 16 de janeiro de 2011




Anjo
       - Letra e música da Ir. Kelly Patricia

Alguém me olha com olhos puros
Alguém me fala palavras amigas
Tenho uma nova visão
Tenho um novo pensar
Pois este olhar me instrui
Este falar me ensina
A amar.(3x)

sábado, 15 de janeiro de 2011

O Anjo de DEUS me conduzirá a vida.

 "Josué estava vestido com roupas sujas e parado diante do anjo.  Então, o anjo disse aos que estavam de pé, à sua frente: 'Tirai-lhe as roupas sujas'. E disse a Josué: 'Vê, eu tirei de cima de ti a tua culpa e revesti-te com roupas limpas'. E acrescentou: 'Colocai-lhe na cabeça um turbante limpo'. Então puseram-lhe na cabeça um turbante limpo e vestiram-no com roupas limpas. O anjo de Javé estava de pé e disse solenemente a Josué: 'Assim diz Javé dos exércitos: Se andares nos meus caminhos e guardares os meus mandamentos, governarás o meu Templo e guardarás os meus átrios, e Eu dar-te-ei estes que estão aqui de pé'.  Ouve, pois, Josué, chefe dos sacerdotes, tu e os teus companheiros que estão sentados diante de ti, porque eles são homens de presságio: Eu faço vir o meu servo Germe.  Aqui está a pedra que coloquei diante de Josué: sobre esta pedra há sete olhos. Eu mesmo gravarei nela uma inscrição - oráculo de Javé dos exércitos - e num só dia tirarei a maldade desta terra.  Naquele dia - oráculo de Javé dos exércitos - cada um de vós poderá convidar o seu vizinho para debaixo da sua parreira e da sua figueira".  - Zc 3, 3 - 10


"Governar o Templo de DEUS" e aí "estar de pé" significa participar da vida de DEUS. Vida que é eterna. Nossa vida será também eterna, começa aqui e se plenificará no futuro do Reino de DEUS. E para alcançar essa plenitude de vida no Reino Futuro ( no Templo) é preciso "andar pelos caminhos de DEUS". Essa expressão significa observar a Lei e ser fiel a DEUS.
A fidelidade a DEUS e aos compromissos com seu povo é que nos fará "ficar de pé no Templo" do SENHOR, isto é, viver a plenitude da Vida no Reino de DEUS. 

Para alcançar a VIDA é preciso deixar-se conduzir pelo Anjo do SENHOR e por suas santas inspirações. Para Jerusalém ser abençoada, o povo precisava ser limpo. Josué, o sumo sacerdote, com seus vestidos imundos, ilustra isto. Satanás é derrotado, Josué fica limpo; ele é vestido e depois coroado.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Os Reis Magos

Os Três Reis Magos, ou simplesmente Reis Magos ou Magos (em grego: μάγοι, transl. magoi), na tradição cristã, são personagens que teriam visitado Jesus logo após o seu nascimento, trazendo-lhe presentes. Foram mencionados apenas no Evangelho segundo São Matheus,onde se afirma que teriam vindo "do leste" para venerar o Cristo, "nascido Rei dos Judeus". Como três presentes foram registrados, diz-se tradicionalmente que tenham sido três, embora São Matheus não relate, não diz quantos eram, diz-se três pela quantia dos presentes oferecidos.

"Entrando na casa, viram o menino (Jesus), com Maria sua mãe. Prostando-se, o adoraram; e abrindo os seus tesouros, entregaram-lhe suas ofertas: ouro, incenso e mirra." (Mt 2, 11).




Talvez fossem astrólogos ou astrônomos, pois, segundo consta, viram uma estrela e foram, por isso, até a região onde nascera Jesus, dito o Cristo. Assim os magos sabendo que se tratava do nascimento de um rei, foram ao palácio do cruel rei Herodes em Jerusalém na Judéia. Perguntaram eles ao rei sobre a criança. Este disse nada saber. Herodes alarmou-se e sentiu-se ameaçado, e pediu aos magos que, se o encontrassem, falassem a ele, pois iria adorá-lo também, embora suas intenções fossem a de matá-lo. Até que os magos chegassem ao local onde estava o menino, já havia se passado algum tempo, por causa da distância percorridas, assim a tradição atribuiu à visitação dos Magos o dia 6 de janeiro.

A estrela, conta o evangelho, os precedia e parou por sobre onde estava o menino Jesus. "E vendo a estrela, alegraram-se eles com grande e intenso júbilo" (Mt 2, 10). "Os Magos ofereceram três presentes ao menino Jesus: ouro, incenso e mirra, cujo significado e simbolismo espiritual é, juntamente com a própria visitação dos magos, ser um resumo do evangelho e da fé cristã, embora existam outras especulações respeito do significado das dádivas dadas por eles. O ouro pode representa a realeza (além providência divina para sua futura fuga ao Egito, quando Herodes mandaria matar todos os meninos até dois anos de idade de Belém). O incenso pode representar a fé, pois o incenso é usado nos templos para simbolizar a oração que chega a Deus assim como a fumaça sobe ao céu (Salmos 141,2). A mirra, resina antiséptica usada em embalsamamentos desde o Egito antigo, nos remete ao gênero da morte de Jesus, o martírio, sendo que um composto de mirra e aloés foi usado no embalsamamento de Jesus (João 19, 39 e 40), sendo que estudos no Sudário de Turim encontraram estes produtos.
 Quanto a seus nomes, Gaspar significa “Aquele que vai inspecionar”, Melquior quer dizer: “Meu Rei é Luz”, e Baltasar se traduz por “Deus manifesta o Rei”.

"Sendo por divina advertência prevenidos em sonho a não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra" (Mt 2, 12). Nada mais a Escritura diz sobre essa história cheia de poesia, não havendo também quaisquer outros documentos históricos sobre eles.

A exegese vê na chegada dos reis magos o cumprimento a profecia contida no livro dos Salmos (Sl. 71, 11): “Os reis de toda a terra hão de adorá-Lo".

Mais uma vez, sentimos uma profunda gratidão por Maria, a Mãe de Jesus. Ela é a imagem perfeita da Igreja, que oferece ao mundo a luz de Cristo: é a Estrela da Evangelização. "Respice Stellam", diz São Bernardo: olha para a Estrela, tu que buscas a verdade e a paz; dirige teu olhar a Maria e Ela te mostrará Jesus, luz para cada pessoa e para todos os povos.


"O Anjo vai à nossa frente com a luz, a fim de que possamos conhecer e decidir corretamente, para que não percamos a direção para DEUS."

 "Sanctus, Sanctus, Sanctus Dóminus Deus Sábaoth. Pleni sunt caeli et terra glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus qui venit in nómine Dómini. Hosána in excélsis."

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

DEUS RECONCILIOU O MUNDO CONSIGO E CRIOU AMIZADE DOS ANJOS COM OS HOMENS.

A vinda de Cristo em forma humana mudou a relação entre Anjos e homens. A partir da gruta em Belém, os Anjos ficarão na terra com os homens, acompanhando e servindo a nosso Senhor.



O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir. Por isso, também os Anjos se dispõem a servir e seguir ao Senhor na Sua humilhação. Orígenes escreve sobre isto: "Os céus se abriram (Ez 1,1). Não era suficiente que um céu se abrisse, vários céus se abriram, os Anjos desciam para aqueles que deveriam ser salvos. Eles não desciam dum céu mas de todos os céus... Quando eles viram Cristo na terra, o verdadeiro Príncipe dos Anjos, eles desciam diretamente do céu para seguir ao seu Senhor e obedecer a Sua vontade, enquanto eles servem ao Filho de Deus... dizendo: 'Se Ele desce do céu, Se veste com esta carne mortal, sofre na cruz e morre pelos homens, como nós podemos estar tranqüilos e querer cuidar de nós mesmos?' Vinde todos os Anjos, descei do céu!" (Homilias a Ezequiel, 1,7).

A Cruz é símbolo do amor misericordioso de Deus, e a paz está chegando, pois escreve São Paulo: "Deus reconciliou o mundo conSigo... pelo Sangue da Sua Cruz" (Col 1,20). De fato, os Padres da Igreja e a Liturgia, viram no cântico dos Anjos e no anúncio aos pastores durante a Noite de Natal o começo duma nova era de fraternidade entre todas as criaturas dotadas de inteligência.

Temos um exemplo de São Germano, dirigindo-se a Nossa Senhora: "Logo depois do teu parto, os exércitos dos Anjos do ministério celeste saíram e cantaram hinos ao Deus por ti concebido, e quando eles anunciaram que a glória nas alturas se consumira, declararam que à terra havia chegado a paz", e que a partir de então não haverá mais "inimizade, por causa do muro de separação entre os homens e os Anjos, entre o céu e a terra, mas a partir de agora começa-se a construir uma comunicação unânime entre as duas partes. Dos Anjos, como também dos homens, foi oferecido a mesma adequada glorificação do único Deus... Agora, com a aparição do Filho de Deus na terra, os céus e a terra se uniram, os Anjos desceram até o gênero humano e os homens foram elevados à mesma glorificação celeste do único DEUS" (Serm. I in dormitione B.M.V.).

E São João Crisóstomo escreve: os espíritos celestes "desde o nascimento do Salvador, já não desapreciaram aos homens, mas os consideraram como companheiros e codignatários seus" (In Epist. ad Col. hom. 3,4). Esta é a Boa Nova, o Evangelho: "Deus na terra, o homem no céu, e tudo fica unificado entre si. A vida do céu trasladada à terra, como as potestades celestes confiantemente se relacionam conosco, e como os Anjos agora habitam continuamente no nosso mundo" (In Matth. hom. 1,2). Também uma oração do Missale gothicum para a festa de Natal, expressa bem estes pensamentos: "Deus Onipotente e Eterno, que, como uma pedra angular, pela Tua encarnação, restauraste a antiga discórdia entre Anjos e homens, causada pela transgressão junto à árvore antiga, concede aos Teus servos, os quais se alegram de ter-Te na bem-aventurança desta solenidade, como companheiro revestido da carne, que sejam conduzidos à união com os habitantes celestes, sobre os quais Tu colocaste Teu Corpo que assumiste".

sábado, 1 de janeiro de 2011

Santa MARIA, Mãe de DEUS

“Maria, alegra-te, ó cheia de graça, o Senhor está contigo; és bendita entre todas as mulheres da terra” (Liturgia das Horas: Antífona da Hora média; cf Lc 1, 28; 42).




A virgem Maria é saudada pelo anjo, e celebrada pela Igreja, como aquela que de maneira única está portando no seio e irradia ao redor de si mesma a graça de Deus feita pessoa, o Filho do Altíssimo que já no seu próprio nome, Jesus, indica sua profunda identidade e sua missão: revelar a benevolência do Pai, salvar e resgatar do mal toda a humanidade e abrir novamente para ela o caminho para a casa do Pai. Maria, Mãe de Deus, participa também na geração da nova humanidade, cujas primícias é a pessoa do próprio Jesus (cf. Rm 5, 15-19). O evangelista Lucas destaca com insistência a atitude interior de Maria - com certeza partilhada também por José - frente aos acontecimentos da vida. Ela continua, por assim dizer, o processo de gestação e interiorização da Palavra que tinha concebido em si mesma por obra do Espírito Santo na plena disponibilidade da fé e que agora não cessa de interpelá-la. Esta atitude de silêncio meditativo, de contemplação cheia de perguntas sem respostas imediatas e de entrega confiante ao mistério de Deus, acompanhará Maria ao longo da sua vida junto de Jesus, nos momentos alegres e nos momentos problemáticos e tristes (Lc 2, 51; Mt 12,48-50), até os pés da cruz.

Dirigimos os olhos e o coração para a Virgem Maria. Ela é a nossa Mãe, a nossa vida, a nossa doçura e a nossa esperança. Portanto, convém muito dirigirmo-nos a ela, para que aquela que educou Jesus, eduque a nós também. É nosso desejo de aprender a amar como ela ama. Na verdade, Maria foi enviada por Deus! Desde a sua Imaculada Conceição até ao triunfo do seu Coração Imaculado, ela é um "evangelho", revelando como o amor divino pode e tem de formar e animar o coração humano. Tornai-vos como criancinhas e ide, cheias de confiança, ter com a vossa terna mãe; ela ama-vos mais do que se pode dizer. Permiti-lhe tocar-vos com amor; é assim que aprendereis a amar como ela ama. Procurai conhecê-la melhor, mais íntima e pessoalmente. Talvez tenhais este desejo há muito, mas também é possível que tenhais medo... Confie ! DEUS é bom e infinita a sua misericórdia.