Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Os Santos Anjos no Novo Testamento

Não são poucos os episódios da vida de Jesus nos quais os Anjos exercem uma função especial. 
Na Sagrada Escritura encontramos diversas passagem.



Temos:
O Anjo Gabriel anuncia a Maria que conceberá e dará à luz o Filho do Altíssimo (cf. Lc 1,26-38) e, de modo parecido, um Anjo revela a José a origem sobrenatural da maternidade da Virgem (cf. Mt 1,18-25); os Anjos levam aos pastores de Belém a alegre notícia do nascimento do Salvador (cf. Lc 2,8-14); o "Anjo do Senhor" protege a vida do Menino Jesus ameaçada por Herodes (cf. Mt 2,13-20); os Anjos servem a Jesus no deserto (cf. Mt 4,11) e o confortam na agonia (cf. Lc 22,43), anunciam às mulheres que se dirigiram ao túmulo de Cristo que ele "ressuscitou" (cf. Mc 16,1-8) e intervêm também na ascensão, para revelar aos discípulos o sentido dela e para anunciar que "Jesus [...] virá assim, do mesmo modo como o vistes partir para o céu" (At 1,11).

Os fiéis reconhecem a importância da advertência de Jesus para não desprezar um só dos pequeninos que crêem nele, "os seus anjos, no céu, contemplam sem cessar a face do meu Pai que está nos céus" (Mt 18,10), e da consoladora palavra segundo a qual "haverá alegria entre os Anjos de Deus por um só pecador que se converte" (Lc 15,10).

Enfim, eles sabem que "quando o Filho do Homem vier em sua glória, acompanhado de todos os anjos, ele se assentará em seu trono glorioso" (Mt 25,31) para julgar os vivos e os mortos e dar cumprimento à história.

Procure as passagens na Bíblia!

Uma santa leitura.

sábado, 28 de agosto de 2010

Os Santos Anjos no Antigo Testamento

Os fiéis não ignoram os numerosos episódios da Antiga e da Nova Aliança, nos quais os santos Anjos intervêm.

Os Santos Anjos no Antigo Testamento.


Os Anjos guardam as portas do paraíso terrestre (cf. Gn 3,24);
salvam Agar e seu filho Ismael (cf. Gn 21,17);
seguram a mão de Abraão que está pronta para sacrificar o filho Isaac (cf. Gn 22,11);
anunciam nascimentos prodigiosos (cf. Jz 13,3-7);
guardam os passos do justo (cf. Sl 91,11); louvam incessantemente o Senhor (cf. Is 6,I-4);
apresentam a Deus as orações dos Santos (cf. Ap 8,3-4).

 Também a intervenção de um Anjo em favor do profeta Elias, fugitivo e extenuado (cf. 1Rs 19,4-8);
de Azarias e dos seus companheiros jogados na fornalha (cf. Dn 3,49-50);
de Daniel preso na cova dos leões (cf. Dn 6,23).

É familiar a história de Tobias, na qual Rafael, "um dos sete anjos que assistem diante da claridade do Senhor e entram em sua presença" (cf. Tb 12,15), realiza vários serviços em favor de Tobit, do seu filho Tobias e de Sara, a mulher deste.

Estas são algumas passagens do Antigo Testamento que revelam a existência dos Santos Anjos, como também através de suas ações revela-nos os seus serviços.

Confira, abra a Bíblia e leia uma dessas passagens, contemple a Palavra de Deus!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Santo Anjo da Guarda

Os Anjos em relação ao mistério de Cristo desempenham um papel importante em nossas vidas como cristãos, porque sempre o foco é Cristo.

Eles já estão ao lado como servos de Cristo e nos levam a Ele.

Apelamos aos Santos Anjos, e eles ajudam-nos na realidade desse mistério a avaliar mais profundamente e nos ajudam a compreender melhor nossa fé e vida. Não só ao nível da razão, mas realmente na vida diária como crentes a viver. Servem também como nosso protetor contra as ciladas do mal em nosso caminho para Cristo. Precisamos deles e devemos com mais freqüência chamá-los, com maior ousadia e confiança convidá-los a participarem de nossas vidas. Há muitas ocasiões em que os Santos Anjos nos ajudam, sem que saibamos, é a missão do Santo Anjo da Guarda.

Mas se perguntarmos a eles, se pedirmos a ele,muito mais, podem fazer por nós! Por exemplo:
 -Podemos chamá-los em nossas orações, para que possam inflamar nossos corações de amor por Jesus e Maria.
-Podemos chamá-los em nosso trabalho, em nossas tarefas ou na escola.
-Podemos pedir-lhes para proteger os nossos filhos ou para auxiliar-nos no emprego.
-Em difíceis relacionamentos humanos, os Anjos também exercem um papel poderoso para ajudar-nos como pacificadores.  Mas é preciso lembrar de pedí-los e colocá-los agindo diretamente em nossa vida!

Através da clara e sóbria linguagem da catequese, a Igreja ensina que "a existência de seres espirituais, não corporais, que a Sagrada Escritura chama habitualmente de Anjos, é uma verdade de fé. O testemunho da Escritura a respeito é tão claro quanto a unanimidade da Tradição" [CIC 328].

Segundo a Escritura, os Anjos são mensageiros de Deus, "heróis fortes que executam suas ordens, obedecendo sua palavra" (Sl 103,20), colocados a serviço do seu desígnio salvífico, "enviados a serviço daqueles que deverão herdar a salvação" (Hb 1,14).


O Santo Anjo da Guarda




“A função principal do Anjo da Guarda é iluminar-nos em relação à verdade e à boa doutrina. Mas sua proteção acarreta também muitos outros efeitos, tais como reprimir os demônios e impedir que nos sejam causados danos espirituais ou corporais”. Eles “rezam por nós e oferecem nossas preces a Deus, tornando-as mais eficazes pela sua intercessão (Apoc. 8, 3; Tob. 12, 12), sugerem-nos bons pensamentos, incitando-nos a fazer o bem (At. 8, 26; 10, 3ss). Do mesmo modo, quando nos infligem penas medicinais para nos corrigir (2 Sam. 24, 16): e mais importante que tudo quando nos assistem na hora da morte, fortalecendo-nos contra os supremos assaltos do demônio”.

Quando recebemos o nosso Santo Anjo?


O Anjo só passa a custodiar o novo ser depois que este sai das entranhas maternas. Isso porque, desde o momento da concepção até o do nascimento do novo ser, o Anjo da Guarda da mãe cuida também da nova criatura.

Temos necessidade da celeste proteção angélica. Nossa alma imortal está destinada a ser, de futuro, companheira dos Anjos e ocupar a seu lado, no Céu, um dos tronos deixados vazios pela queda daqueles puros espíritos que se rebelaram contra Deus, transformando-se em demônios. Tal necessidade sobretudo provém da própria humana fraqueza para atingir esse objetivo.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Batalha contra o pecado

Você já ouviu uma palavra, música ou alguma cena que despertou uma angústia ou te levou a uma luta interior? Não?! Sim!
Bom, hoje trago um testemunho, que deu início assim, uma frase ouvida durante um caminhar...


"Deus sabe por que, uma simples frase dita por alguém a uma outra pessoa, fez despertar em meu interior uma das mais fortes tentações com relação a um pecado do qual lutava há anos para me libertar.
Vivi uma tortura dos pensamentos: crítica, julgamento, idéias turtuosas, ira, desejo de vingança, revolta, tudo invadia meu pensamento de uma vez e me induzia a pecar contra a liberdade de meus irmãos. Durante a noite tentei de tudo: li, rezei, implorei a presença dos anjos, rezei o terço, recitei salmos em voz alta, cantei, me ajoelhei, me deitei, chorei. Nada adiantou! Pela manhã exausta cumpri a agenda de atividades.
A noite, estava em um encontro da Comunidade Beatitudes, neste encontro a Comunidade passa 24h em jejum e rezam as Vésperas junto com o povo e oram por quem desejar. O alívio que experimentei durante o dia envolvida nas atividades passou imediatamente... a tortura dos pensamentos e sentimentos inadequados, julgamentos caíram sobre mim como chumbo. Comecei a pedir o socorro de Deus, a rezar o Credo, a invocar Maria e os anjos, em especial São Miguel. Nada adiantava e eu me sentia exausta.
Começaram os belos cantos das Vésperas e em determinado momento os irmãos da Comunidade Beatitudes se dispuseram a orar pelo povo. Corri e me ajoelhei aos pés da primeira irmã que estava a disposição, não disse nada. Apenas me ajoelhei. Quase caí para trás quando ela me falou: ' Obrigado por teres lutado a noite inteira contra o pecado. Meus anjos estiveram contigo. Tu me destes a alegria e eu te dei a vitória'.
Voltei ao meu lugar e chorei alto, bem alto, a misericórdia de Deus e o auxílio dos anjos em seu constante serviço a nós, pobres criaturas, para que não pequemos, para que não entristeçamos o espírito santo, para que não nos afastemos de Deus, para que não seja vã para nós a Cruz do Senhor. Creio que foi assim que chorou a pecadora perdoada, bem alto. A misericórdia de Deus dói demais.
Como diz Santa Tereza de Jesus, a misericórdia de Deus purifica mais do que muitas provações.
Aquela dor de misericórdia purificou-me misteriosamente do tal pecado e iniciou em minha alma um caminho de cura tão espantoso que hoje contemplo situações que me teriam levado facilmente ao mesmo pecado e que, entretanto, despertam em mim reações completamente tranquilas. Continuo sendo tentada, mas sou revestida por uma certeza de vitória, por uma memória de amor e de fé."

São José Maria Escrivá nos anima:
"Existem mil e uma ocasião de extraviar-se.
Bem, não existem também os Santos Anjos da Guarda?

Fonte: NOGUEIRA, Maria Emir O. - Anjos nossos de cada dia - Edições Shalom, Fortaleza/Br - 2007

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Dica de Livro


Em comunhão com os Anjos nossos irmãos e amigos,
um livro do Mosteiro Carmelo de São José - Locarmo Monti,
 Editora da Divina Misericórdia.


Escrito à luz da Bíblia, da teologia e da espiritualidade. As ilustrações da capa e dos textos reproduzem afrescos românicos (sécXII) e da cripta  da Abadia de Marenberg no Vale Venosta (Tirol do Sul).



Esta obra, amadurecida no silêncio contemplativo de um Carmelo, deixa transparecer toda a riqueza e fecundidade. O conteúdo inscreve-se perfeitamente na autêntica tradição do povo de DEUS, assim como nas páginas da Escritura e atinge a teologia destes dois milênios de história cristã.

Santa Brígida nos garante, desde agora, uma relação íntima e fraternal com os Espíritos celestes: "Todos que... amam... a santa Igreja, têm nove irmãos, isto é, os nove coros dos Anjos, porque são com eles participantes e companheiros da vida eterna".

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Sangue de Cristo, salvai-nos!!!!

 Sangue de Cristo, dolorosamente fluído do Coração de Jesus, salvai-nos!


Senhor Jesus Cristo, em Vosso Nome, e com o poder de Vosso Sangue Precioso, selamos cada pessoa, fato ou acontecimento através dos quais o inimigo nos queira prejudicar. Com o poder do Sangue de Jesus, selamos toda potência destruidora no ar, na terra, na água, no fogo, abaixo da terra, nos abismos do inferno e no mundo no qual hoje nos moveremos. Com o poder do Sangue de Jesus, rompemos toda interferência e ação do Maligno. Pedimo-vos, Senhor, que envieis aos nossos lares e locais de trabalho a Santíssima Virgem Maria acompanhada de São Miguel, São Gabriel, São Rafael e toda sua corte de Santos Anjos. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos nossa casa, todos os que a habitam (nomear a cada um), as pessoas que o Senhor a ela enviará, assim como todos os alimentos e os bens que generosamente nos concede para nosso sustento. Como o poder do Sangue de Jesus, lacramos terra, portas, janelas, objetos, paredes e pisos, o ar que respiramos e na fé colocamos um círculo de seu Sangue ao redor de toda nossa família. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos os lugares onde vamos estar neste dia e as pessoas, empresas e instituições com quem vamos tratar. Com o poder do Sangue de Jesus, lacramos nosso trabalho material e espiritual, os negócios de nossa família, os veículos, as estradas, os ares, as ruas e qualquer meio de transporte que haveremos de utilizar. Com Vosso Preciosíssimo Sangue, lacramos os atos, as mentes e os corações de nossa Pátria, a fim de que vossa paz e vosso Coração ao fim nela reinem. Nós vos agradecemos, Senhor, por Vosso Preciosíssimo Sangue, pelo qual nós fomos salvos e preservados de todo mal. Amém.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Nossa Senhora do Bom Sucesso

Santa Mãe de Deus, socorrei-nos!!!!



Há mais de 400 anos, no Equador, a Virgem Santíssima anunciou que seria especialmente conhecida no século XX. Madre Mariana de Jesus Torres, uma das fundadoras do Mosteiro Real da Imaculada Conceição de Quito, foi uma grande mística que abraçou o estado de perfeição evangélica conforme o ensinamento do próprio Nosso Senhor Jesus Cristo e o levou a grau de heroicidade. Deus a escolheu para ser depositária de uma série de revelações a propósito do século em que viveu e também dos futuros. Foi a ela que Nossa Senhora apareceu ordenando que mandasse esculpir uma imagem sob a invocação de Nossa Senhora do Bom Sucesso.



Nascida na Espanha, na Província de Viscaya, no ano do Senhor de 1563, Mariana bem cedo sentiu a vocação religiosa. Aos 13 anos de idade, com permissão do Rei Filipe II, abandonou seu país, juntamente com sua tia, Madre Maria de Jesus Talvada, e partiu para Quito, cidade situada em terras de colonização espanhola na América do Sul, a fim de ali estabelecer o primeiro mosteiro nas Américas em honra da Imaculada Conceição.

Entre os atributos santíssimos de Nossa Senhora, um dos que mais provoca a indignação e o ódio de Lúcifer é, certamente, a Imaculada Conceição. Nossa Senhora, escolhida para ser Mãe do Divino Salvador, concebida sem pecado original, co-redentora e medianeira universal de todos os dons divinos, foi fiel a todas as graças desde o primeiro instante de sua concepção e, em nenhum momento, foi escrava do demônio, tendo sido elevada aos Céus e coroada como Rainha dos Céus e da Terra.

As potestades infernais não poderiam ficar satisfeitas com a extensão da devoção à Imaculada Conceição por toda a Terra. Não espanta, assim, que uma terrível tempestade tenha ameaçado naufragar a embarcação em que viajavam as religiosas espanholas. Em meio à tormenta, Madre Maria e a menina viram no mar uma serpente monstruosa de sete cabeças, que movimentando as ondas ameaçava destroçar a frágil embarcação.

A menina deu um grito e caiu desfalecida. Sua tia, Madre Maria, pediu a Deus que as salvassem naquele grande perigo. Terminada esta oração, a tempestade milagrosamente cessou, o dia clareou e ouviram o clamor de terrível voz, dizendo: 'Não permitirei a fundação; não permitirei que progrida; não permitirei que se conserve até o fim dos tempos e a todo momento a perseguirei'.

No dia 13 de janeiro de 1577, na fundação do Real Mosteiro da Imaculada Conceição, professaram as sete religiosas fundadoras, nas mãos de um sacerdote franciscano. Mariana de Jesus não pode participar da cerimônia por ter apenas treze anos. É nesse local bendito que, durante 59 anos, dar-se-á a longa Via Crucis desta grande mística, crescida à sombra da Cruz e transformada em vítima expiatória da justiça divina.

A esta alma - esculpida por longos anos de penitências, orações e sacrifícios - Nossa Senhora apareceu diversas vezes sob a invocação do Bom Sucesso. O Mosteiro da Imaculada Conceição sempre estivera sob a assistência religiosa dos Frades Franciscanos. No entanto, algumas freiras relapsas quanto à Regra não aceitando a influência franciscana, urdiram uma conspiração e conseguiram de Roma que o Convento ficasse sob a tutela do Bispo local.

Vendo o abandono em que ficaram as religiosas fiéis e o risco de extinção do Mosteiro, Nossa Senhora apareceu à Madre Mariana de Jesus Torres: 'É vontade de meu Filho Santíssimo que tu mesma mandes executar uma estátua minha, tal como me vês e a coloques sobre a cátedra da Priora. Colocareis em minha mão direita o báculo e as chaves da clausura, em sinal de minha propriedade e autoridade. Colocarás em minha mão esquerda o meu Divino Filho. Eu mesma governarei este meu Convento'.
Neste momento os três Arcanjos, São Miguel, São Rafael e São Gabriel, que A assistiam, fizeram uma profunda reverência diante de Nossa Senhora e com enorme respeito ergueram a coroa. Ela, então, tomou o cordão e colocou uma das extremidades sobre sua cabeça e ordenou que Madre Mariana tocasse com a outra nos seus pés. Ora, como o cordão era muito curto, houve um milagre e ele esticou-se até alcançar a altura exata da Virgem.

'Aqui tens minha filha, a medida de tua Mãe do Céu, entrega-a a meu servo Francisco del Castillo, explicando-lhe minhas feições e minha postura: ele trabalhará exteriormente minha imagem porque tem consciência delicada e observa escrupulosamente os mandamentos de Deus e da Igreja. Nenhum outro será digno desta graça. Tu, de tua parte, ajuda-o com tuas orações e com teu humilde sofrimento'. Cheia de encanto a Madre tomou aquela preciosíssima relíquia e durante toda a vida a levou consigo'.

Francisco del Castillo, por sua vez, disse que se sentia indigno de ser o escultor de tão insigne imagem, mas que o faria da melhor maneira possível. Perguntado em quanto sairia o trabalho, respondeu que não cobraria nada e que se dava por muito bem pago por ter sido escolhido para tão sublime missão. Confessou-se, comungou e no dia 15 de setembro de 1.610 iniciou a tão esperada obra. Trabalhou longos dias a fio, sempre sob a orientação de Madre Mariana de Jesus Torres. Quando faltavam apenas alguns retoques finais, viu-se que a imagem, ainda que satisfatória, nem de longe representava o que a Madre havia presenciado. Francisco então saiu em viagem à procura de tintas para concluir o trabalho.

Como a Madre Mariana descreve o milagre: 'Na oração da Comunidade da tarde do dia 15, Deus preveniu-me que, na madrugada do dia 16, eu presenciaria suas misericórdias em favor de nosso Convento e do povo em geral. Pediu que me preparasse para receber essas graças com penitência e orações noturnas.

Assim o fiz. Os Arcanjos São Miguel, São Gabriel e São Rafael dirigiram-se para o trono da Rainha dos Céus. São Miguel, saudando-A submisso, disse:

- 'Maria Santíssima, Filha de Deus Pai'.

E São Gabriel acrescentou:

- 'Maria Santíssima, Mãe de Deus Filho'.

E São Rafael concluiu:

- 'Maria Santíssima, Esposa Puríssima do Espírito Santo'.

'Em seguida chamaram a milícia celeste e cantaram todos juntos: Maria Santíssima, Templo Sacrário da Santíssima Trindade'.

'Nisto apareceu S. Francisco de Assis, acompanhado pelos três Arcanjos e seguidos da milícia celeste. Aproximaram-se então da Imagem semiconcluída e, num instante, a refizeram.

'Entrementes, a Imagem estava totalmente iluminada como se estivesse no meio do sol. A Santíssima Trindade olhava comprazida e os anjos cantavam o 'Salve Sancta Parens'.

'A Rainha dos Anjos, no meio de todas essas alegrias, aproximou-se da Imagem e nela penetrou, à maneira de raios do sol que incidem em formosos cristais. Naquele momento a Imagem ficou resplandescente, como se adquirisse vida e cantou com celeste harmonia o 'Magnificat'! Isto aconteceu às três horas da manhã'.

'Essa obra não é minha'

No dia seguinte, como era esperado, Francisco, o escultor, chegou de viagem com as tintas. Quando viu a imagem assim concluída caiu de joelhos e exclamou:

'Madres, que vejo? Esta primorosa Imagem não é obra minha! Não sei o que sente o meu coração: mas é obra angélica, pois um trabalho desse gênero não se pode produzir na terra com mão de frágil barro. Oh não! Escultor algum, por hábil que seja, poderá jamais imitar sequer tanta perfeição e tão maravilhosa beleza'.

Levantando-se em seguida, pediu papel e tinta para lavrar um documento, jurando que aquela bendita Imagem não fora obra sua, mas de anjos, porque a encontrara acabada de outra maneira, que não aquela deixada no coro superior do Mosteiro da Imaculada Conceição, seis dias antes.

FONTE: Albummaezinhablogspot.com

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Oração

ORAÇÃO À RAINHA DOS ANJOS (AUGUSTA RAINHA)






Augusta Rainha dos Céus e Senhora dos Anjos, Vós que desde o princípio, recebestes de Deus o poder e a missão de esmagar a cabeça de satanás; humildemente vos rogamos que envieis as legiões celestes, para que, às vossas ordens, persigam os infernais espíritos, combatendo-os por toda a parte, confundam a sua audácia e os precipitem no abismo.

Quem como Deus?

Ó boa e terna Mãe, vós sereis sempre o nosso amor e a nossa esperança! Ó Mãe de Deu, enviai os santos Anjos, para nos defender e repelir para longe de nós o cruel inimigo!

Santos Anjos e Arcanjos, defendei-nos e protegei-nos! Amém.

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Obedecer ao Santo Anjo da Guarda

A Obediência


No primeiro dia de Maio, pelas 15h, tinha de ir ajudar numa paróquia. Estava atrasado. Pedi uma bicicleta emprestada a um colega, que à frente do guidom tinha um pequeno cesto, onde coloquei ali a minha pasta. Senti uma clara advertência interior "amarra bem"!

- Ah, não! -pensei eu - até arranjar um cordão… fica assim mesmo. - E peguei a bicicleta.

Entrando no asfalto, pedalei à vontade. Foi então que tudo aconteceu.

O quê? Eu não sabia…
- " Agora o senhor vai receber a unção dos doentes/extrema unção". Pouco depois consegui identificar um médico diante de mim. Estava no hospital. O que é que tinha acontecido?

A minha pasta tinha saltado do cesto, caindo à frente da roda. Àquela velocidade, fui arremessado para a estrada. O meu queixo deslocou-se do maxilar. Precisei  levar sete pontos. Uma fratura craniana deixou-me tão deformado que nem o meu pai me reconheceu.

Só no dia 25 de Maio tive alta do hospital, mas demorou ainda algum tempo até me sentir completamente restabelecido.
Consequência de quê?
Por não ir buscar um cordão, por não atender à voz íntima com que me admoestava o meu Santo Anjo da Guarda, voz essa que me era tão conhecida.


Fonte: Carta Circular da Obra dos Santos Anjos

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Santa Maria dos Anjos

Santa Maria dos Anjos, o pedido de perdão de Assis

A pouca distância de Assis, antiqüíssima cidade da Úmbria, foi edificada em 352 uma pequena capela de quatro piedosos eremitas vindos da Palestina e foi dedicada à Virgem Santíssima. No século VI, esta capela foi dada aos Monges Beneditinos do Monte Subásio, os quais, ampliaram e embelezaram-na. Ali, com as 'porções de terras' que tinham, veio o nome Porciúncula, ou seja, "porçãozinha" ou "pequena porção" [de terras]. Em seguida pois, pela freqüente aparição dos Anjos, foi chamada de Santa Maria dos Anjos.





O Seráfico Pai São Francisco de Assis, quando tomou a sua vida santa, vendo o quanto abandonada e decaída estava aquela capela, reparou-a pela fervente devoção que tinha pela Mãe de Deus, da qual lhe foi revelado que aquela igrejinha lhe era querida, de modo especial entre todos aqueles consagrados em seu Nome. Em seguida, São Francisco ganhou-a do Abade Teobaldo, monge beneditino, e ali se retirou com os seus companheiros, quando foi forçado a abandonar o Tugúrio de Rivotorto.

Numa noite de inverno do ano de 1216, enquanto o Homem Seráfico, aceso de zelo ardentíssimo, pensava sobre a conversão e a salvação dos pecadores, uma luz suave o circundou e um Anjo o convidou para a Capela, onde o esperavam Nosso Senhor, a sua Santíssima Mãe e muitíssimos Anjos. Francisco se prostrou na capela e adorou a Jesus e venerou a Virgem Santíssima e os Anjos. Enquanto ele se humilhava assim na vildade do seu nada, Jesus lhe deu a coragem de pedir a graça que lhe agradava. E São Francisco então, como novo Moisés, não pensou em si, mas em todas as almas e respondeu: "Senhor, peço que todos aqueles que, arrependidos e confessados, entrando nesta igrejinha, tenham o perdão de todos os seus pecados e a completa remissão das penas devidas às suas culpas". E Jesus a ele: "Grande é a graça que me pedes, ó Francisco; todavia, concedo-lha a ti, se minha Mãe me pedir". Francisco então pediu a mediação da Virgem Maria, a qual com sua súplica, seu Divino Filho concedeu a graça. Porém, quis que apresentasse ao seu Vigário, o Sumo Pontífice, para obter a sua confirmação.

Dito isto, cessou a visão e Francisco imediatamente foi ao Papa Honório III e ele, depois de várias dificuldades, lhe confirmou a graça, limitando-a, porém, a um dia somente, por todos os anos e fixando para esta o dia 2 de agosto, a começar das Vésperas da Vigília.

No dia 2 de agosto do mesmo ano de 1216, o Seráfico Pai, na presença dos Bispos de Assis, Perúgia, Todi, Espoleto, Nocera, Gúbio e Folinho, que foram convidados para a consagração da igrejinha da Porciúncula, diante de uma multidão extraordinária de fiéis, promulgou a grande indulgência que ele tinha obtido e assim foi aberto a todos os homens perpetuamente o incomparável tesouro do Perdão de Assis.

Depois, com a Bula do dia 4 de julho de 1622, o Papa Gregório XV estendeu esta grande indulgência a todas as Igrejas da Ordem Franciscana e prescreveu que, além da confissão, era necessária a comunhão e a oração pelo Sumo Pontífice. Em 12 de janeiro de 1678, o Papa Inocêncio XI declarou que a dita indulgência estava aplicada também às almas do Purgatório.

 Esta indulgência tornou-se célebre pela sua origem toda extraordinária e pela circunstância singularíssima que esta pode ser lucrada toties quoties, isto é tantas vezes quanto se visita a igreja que goza de tal favor e nas quais se cumprem as prescrições requeridas. A respeito deste propósito, surgiram, é verdade, dúvidas, mas a Santa Sé interveio várias vezes e autoritativamente tirou toda dúvida, declarando e confirmando que ao Perdão de Assis estava anexo este privilégio toties quoties.

Hoje a "Porciúncula" fica dentro da imponente Basílica.


Para render mais facilmente aos fiéis a aquisição de tão grande benefício, o Sumo Pontífice Pio X condedeu, para a comodidade dos fiéis que o Perdão de Assis pudesse ser obtido também nas igrejas ou oratórios que, na aplicação do privilégio com o consenso do Bispo e que o Perdão de Assis pudesser ser transferido do dia 2 de agosto para o Domingo seguinte. O Papa Bento XV, em 16 de abril de 1921, com o um solene documento estendeu esta indulgência do Perdão de Assis a todos os dias do ano, in perpetuo, mas somente na Basílica de Santa Maria dos Anjos, em Assis. E assim o desejo expresso por São Francisco a Nosso Senhor vem com um tal ato completamente exaudito. Ainda hoje em todas as Igrejas do orbe, a indulgência é aplicada neste dia.

Fonte: salvemaliturgia.com