Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Mês do Sagrado Coração de Jesus


Trago em especial hoje esta história, um testemunho de um sacerdote, que muito me tocou...
um recomeço, um sopro de amor...

PADRE "tu és o amor do coração de Jesus"!


Testemunho:

O Pe. Mirot estava calmamente sentado num banco, nos jardins das Tuilleries, em Paris, e rezava o breviário. Estava tão compenetrado na oração que nem notou que um vagabundo se foi sentar no mesmo banco. Assaltar o padre, não era o caso. Havia muita gente pelos jardins. Roubar? Também não. Enlaçou os dedos e parecia rezar junto.

O Pe. Mirot enfiou o indicador por entre as páginas, fechou o breviário rezando o Pai-nosso, olhando por sobre os óculos para a relva. Proferiu a meia voz "et ne nos inducas in tentationem" (não nos deixes cair em tentação), e o mendicante acrescentou "sed libera nos a malo" (mas livrai-nos do mal).

O pároco voltou-se admirado, e só então se deu conta do companheiro. Afável, como era, disse: "Oh, o senhor foi acólito em pequeno?" "Sim, reverendo, e mais". "Ah, talvez sacristão?" "Muito mais".

O Pe. Mirot fixou novamente o seu olhar distante por sobre as lentes, esperando uma explicação. "Eu fui padre". Por pouco o breviário não caiu das mãos do velho pároco. Os óculos escorregaram-lhe até a ponta do nariz. "Foi padre? E o que é agora?" "Agora não sou nada".

O Pe. Mirot observou o seu interlocutor. Seria um embusteiro? O vadio olhava para o chão, sentindo o olhar indagador do pároco. Sentiu ser seu dever comprovar a veracidade do que afirmava. "Reverendo, penso que estou a inventar. Não, não estou a mentir. Digo a pura verdade". Sem erro recitou o cânon da Missa e as orações que o sacerdote usa na administração dos santos Óleos. A seguir dissertou com competência sobre a posição da doutrina teológica do jesuíta Molina, tema sobre o qual discorrera esplendidamente como estudante de teologia.

"Basta, basta! De fato, o senhor é padre". O Pe. Mirot passou a tratá-lo por 'reverendo', pois no seu modo de ver, o carácter sacerdotal é indelével. "Ah, meu pobre confrade, como é que tudo isso aconteceu?" O outro respirou profundamente, e começou a contar:

"Nasci num lugarejo provinciano. O meu pai confeccionava escovas. Teve sete filhos. Eu era o mais novo. A minha mãe fez a promessa de consagrar-me ao serviço de DEUS. Desde que comecei a pensar, falava disso. Quando me perguntava sobre se eu gostava, afirmei sempre 'sim'. Em parte por respeitar padres, mas também por saber que a mãe gostava de ouvir tal resposta, e, por isso, me tratava bem. Devo dizer que o plano da mãe não era só a glória de DEUS, mas também a promoção dela aos olhos dos outros. A sua pretensão firmava-se mais ainda por eu ser talentoso. No liceu, excepto na matemática, eu era o primeiro em tudo. O meu procedimento era exemplar.

Nas férias em casa, porém, eu sentia um fascínio magnético pelo mundo. Tinha sérias dúvidas sobre a vocação. Resolvi abrir-me com a minha mãe. Com prudência, ao passear, comecei a falar claramente. Ela ficou transtornada. O seu olhar desvairado, brilhava como o de uma alucinada.

Cortei o assunto e puxei outro. Apavorado, reconheci ter esperado demais. E agora? Abrir-me com o director espiritual do seminário? Não tive coragem de lhe causar tamanha desfeita, eu era 'o melhor' do seminário.

Antes das ordens sacras abri a minha alma a um colega e supliquei-lhe que fizesse a minha mãe perceber. Nas férias veio visitar os meus pais, e explicou o caso à minha mãe 'que achava que não seria feliz no sacerdócio'. A mãe ficou fora de si, a espuma veio-lhe à boca, e precisou até de ser acudida por outras pessoas.

Este colega veio informar-me: a meu ver só há duas possibilidades para o teu caso: um dos dois será infeliz, ou tu ou a tua mãe. - Ao que eu respondi: então eu serei infeliz. Serei ordenado, e consolar-me-ei em perder-me na correnteza do activismo e assim aguentarei.

Mas tornei-me um mau padre. Caí, fui suspenso do uso de ordens. Felizmente a mãe não sofreu esta vergonha. Não me submeti às ordens dos meus prepostos. Pendurei a batina e escolhi a liberdade. Procurei a liberdade e caí na escravidão. Fui rolando degrau a degrau.

O padre pôs as mãos no rosto e chorou. O pároco Mirot olhava meditativo em frente. As suas feições tornaram-se tristes, os olhos húmidos. Ele sabia, havia aí muito a perguntar e a falar. Não lhe convinha tocar desnecessariamente na dolorosa ferida. - Uma pergunta, contudo, não pôde deixar de fazer: "E depois de chegar a conhecer o mundo, por que não voltou arrependido?" O padre caído respondeu:

"Mil são os caminhos para o reino do pecado. Um só é o caminho da virtude. É o caminho estreito. A porta é apertada. Nem todos têm a disposição do filho pródigo, e nem todos têm um tal pai. Ao menos eu não tinha a esperança de encontrar um assim. De um monte abrupto e liso escorrega-se num ápice. Mas tornar a subi-lo... como custa! Tentei, quantas vezes! Foi em vão. Quando o diabo tem uma vez uma alma nas garras, não a solta facilmente. Luta ferozmente por ela. E se se trata de uma alma sacerdotal, então, põe todas as potências infernais em movimento".

"E como é que veio abrir-se comigo?" - "Eu observei-o de longe, durante algum tempo, como aliás costumo observar os padres que se cruzam comigo pelo caminho. Uma voz íntima animava-me: vá, confia neste padre. Ele vai ajudar-te. Talvez tenha sido a voz do meu Anjo da guarda. Eu rezo-lhe todos os dias. - E se pudesse mais uma vez começar do princípio... Seria outra coisa!"

O Pe. Mirot reflectiu uns instantes. Então, com alegre energia disse: "Voçê pode começar mais uma vez desde o início. Vou ajudá-lo". Ao padre decaído providenciou roupas, casa e trabalho, ajudar, fazer recados, trabalho de escritório, dar aulas.

Passado um ano, o vagabundo regenerado tornou-se sacristão e apóstolo leigo. Com santo zelo e sucesso trabalhava entre os andarilhos e mendigos. Dominava a gíria deles, conhecia os seus costumes e vícios, o seu sofrimento e tentações. Sabia a saudade que lhe ia no coração e na alma. Muitos e muitos pecadores trouxe de volta a CRISTO.

No terceiro ano entrou num convento, como irmão religioso. Aí, também a sua actividade foi exemplar, deixando os outros na sombra. Parecia um guerreiro, que no início, covardemente, tinha desertado do campo da luta, e que retornava mais aguerrido. Após mais um ano de comprovação, foi recebido no convento como Pe. Ludovico.

O Pe. Mirot fica como que transfigurado, cada vez que a ele se refere. "Poder ter estendido a mão e ajudar um padre decaído, dá-me tanta alegria, que preciso rejubilar. Se na minha vida não tivesse feito outra coisa além isso, seria o suficiente para mim".

O primeiro a preparar o caminho da conversão, porém, foi o Anjo da guarda. A ele a mais profunda gratidão.












(Do livro: A. M. Weigl, "Convivendo com a Anjo da Guarda, Edições Rosário, Curitiba, BR, 1996)











segunda-feira, 28 de junho de 2010

Dica de Livro



Uma dica muito legal para quem gosta de ler e conhecer assuntos pertinente a Igreja Católica:

"CONSIDERAÇÕES SOBRE AS FORMAS DO RITO ROMANO DA SANTA MISSA"

Uma novidade literária muito interessante, um livro que esclarecerá com certeza muitas dúvidas, ou apresentará uma realidade pouco conhecida para muitos jovens.

Você já participou da Santa Missa em latim???
 O padre de costa para a assembléia?????
E as senhoras de véu????
Não???

Acha que isso é novidade ou que não tem nada a ver??!!!!!

Melhor ainda não é legítimo... não pertencem a igreja!!!!!

E o termo progressista e tradicionalista, te soa familiar???

Se alguma pergunta te chamou a atenção leia este post.


“Cum Petro et sub Petro.”

Neste mês de junho, encerrando o Ano Sacerdotal, o Exmo. Sr. Bispo Dom Fernando Arêas Rifan, Bispo Administrador Apostólico da Administração Apostólica Pessoal São João Maria Vianney, lança seu último livro intitulado: “Considerações sobre as formas do Rito Romano da Santa Missa”.
Um livro fundamentado no Magistério da Igreja, que exorta e adverte aos exageros, a hermenêutica da ruptura e da incompatibilidade radical, e enfoca o valor da Eucaristia.
A razão de ser da Igreja é a Eucaristia nos seus vários ritos, Oriental ou Ocidental, Igreja una na sua unidade de culto, tem um só e mesmo sacrifício da Santa Missa.

“A diversidade litúrgica pode ser fonte de enriquecimento, mas pode também provocar tensões, incompreensões recíprocas e até mesmo cismas. Neste campo, é claro que a adversidade não deve prejudicar a unidade. Esta unidade não pode exprimir-se senão na fidelidade à fé comum... e à comunhão hierárquica” – Papa João Paulo II (Carta Apostólica Vigesimus quintus annus, n.16, 4/12/1988).
A Santa Missa na forma atual ou ordinário do Rito Romano , assim como, a Santa Missa na forma tradicional ou extraordinária do Rito Romano, é católica, válida e legítima.
A Santa Missa na forma Antiga do Rito Romana é normalmente celebrada “verus orientem”, voltada simbolicamente para o Oriente, ou seja, voltada para o sol nascente que represente o SENHOR, padre e fiéis voltados para DEUS.

O Sr. Bispo Dom Fernando Rifan, Administrador Apostólico, por faculdade concedida pela Santa Sé, é guardião do Rito Romano na sua forma extraordinária, ou tradicional, e por ser uma riqueza litúrgica católica, exprime através da Missa o amor pela Santa Igreja e a comunhão com ela. Exalta a preferência dos fiéis baseada em razões eclesiais, históricas, teológicas, litúrgicas, espirituais e estéticas.

Este livro, de fato, é uma ótima oportunidade de conhecer e reconhecer a grandiosidade e a riqueza da Igreja Católica. “ Conhecereis a verdade e a verdade nos fará livres”(Jô 8,32).

Uma excelente leitura.

Nós presenciamos todo o dia um monte de novidade na "igreja", mas ser Igreja é está obediente ao Papa. "Devemos nos apoiar, antes, na autoridade da Igreja do que na de Agostinho, de Jerônimo ou qualquer outro doutor" nos ensina S. Tomás de Aquino.
Para adquirir este livro é só entrar em contato com a Igreja Principal da Administração Apostólica:
Paróquia do Imaculado Coração de Nossa Senhora do Rosário de Fátima

Avenida Visconde de Alvarenga,354/386 - Parque Leopoldina
Campos dos Goytacazes/RJ
Tel.:(22)2732-9480

domingo, 27 de junho de 2010

O Santo Anjo tem nome?

Qual é o meu anjo? Qual é o nome do meu anjo?
     Domingo sempre encontramos nos jornais o anjo do dia, coluna próxima ao horóscopo, você já deve ter visto. 
    Começo escrevendo que essa não deve ser a nossa preocupação. Qual o nome do meu anjo! Os santos sempre referiam-se aos seus Santos Anjos da Guarda simplesmente por ANJO. A nossa preocupação deve ser sempre em lembrar que DEUS nos deu um Anjo para nos guardar e que caminha conosco.
    Os Anjos não são simples simbolismos e elementos de linguagem arcaicas. Nós devemos sempre nos fundamentar na Sagrada Escritura, no que a Igreja ensina, Tradição e Magistério eclesiástico; toda a história dos Anjos está fundamentada na Bíblia. Por exemplo, São Paulo entende Anjo como seres celestes, os mensageiros de Deus.
    Na Sagrada Escritura encontramos diversas atividades dos Anjos.

Anúncio - Os Anjos anunciam aos homens a vontade de Deus: Gn 16,7ss; 21,17 e 21  (Agar).
Liturgia - Os Anjos participam do culto litúrgico: Ex 25,19.

Como diz a Escritura:

“Vi o Senhor sentado sobre um alto e elevado trono …. Os Serafins estavam por cima do trono … E clamavam um para o outro e diziam: Santo, Santo, Santo, é o Senhor Deus dos exércitos” (Is. 6, 1-3).

“O Senhor reina …. está sentado sobre querubins” (Sl. 98, 1).

    A distinção dos Anjos como a Igreja nos ensina é em nove coros, agrupados em três hierarquias diferentes, embora não conste explicitamente da Revelação, é de crença geral. Essa distinção é feita em relação a Deus, à condução geral do mundo, ou à condução particular dos Estados, das companhias e das pessoas.
   Os três coros da primeira hierarquia, vêem e glorificam a Deus, três Coros inferiores aos acima enunciados estão relacionados com a conduta geral do universo. E os três últimos Coros dizem respeito à conduta particular dos Estados, das companhias e das pessoas.

Os 9 Coros Angélicos, agrupados em três hierarquias

• Serafins — do grego “séraph”, abrasar, queimar, consumir. Assistem ante o trono de Deus e é seu privilégio estar unidos a Deus de maneira mais íntima, nos ardores da caridade.

• Querubins — do hebreu “chérub”, que São Jerônimo e Santo Agostinho interpretam como “plenitude de sabedoria e ciência”. Assistem também ante o trono de Deus, e é seu privilégio ver a verdade de um modo superior a todos os outros anjos que estão abaixo deles.

• Tronos — algumas vezes são chamados “Sedes Dei”, (Sedes de Deus). Também assistem ante o trono de Deus, e é sua missão assistir os anjos inferiores na proporção necessária.

• Dominações – São assim chamados porque dominam sobre todas as ordens angélicas encarregadas de executar a vontade de Deus. Distribuem aos Anjos inferiores suas funções e seus ministérios.

• Potestades — Ou “condutores da ordem sagrada”, executam as grandes ações que tocam no governo universal do mundo e da Igreja, operando para isso prodígios e milagres extraordinários.

• Virtudes — cujo nome significa “força”, são encarregados de tirar os obstáculos que se opõem ao cumprimento das ordens de Deus, afastando os anjos maus que assediam as nações para desviá-las de seu fim, e mantendo assim as criaturas e a ordem da divina Providência.

• Principados — Como seu nome indica, estão revestidos de uma autoridade especial: são os que presidem os reinos, às províncias, e às dioceses; são assim denominados pelo fato de sua ação ser mais extensa e universal.

• Arcanjos — são enviados por Deus em missões de maior importância junto aos homens.

• Anjos — os que têm a guarda de cada homem em particular, para o desviar do mal e o encaminhar ao bem, defendê-lo contra seus inimigos visíveis e invisíveis, e conduzi-lo ao caminho da salvação. Velam por sua vida espiritual e corporal e, a cada instante, comunicam-lhe as luzes, forças e graças que necessitam

    Observação:
 'Assistir’ ante o trono de Deus tem dois significados: um é quando recebem Suas ordens; quando Lhe oferecem as orações, esmolas, boas obras e votos dos mortais; quando defendem contra os demônios as causas dos homens no Tribunal Supremo; quando fixam seu olhar nos raios da face divina para perceber as delicias inefáveis que constituem sua felicidade.

   O Pastor Angélico, o Papa Pio XII disse a um grupo de peregrinos dos Estados Unidos, falando sobre os Anjos: "Vocês passarão, Deus o permita, uma eternidade de gozo com eles; COMECEM a conhecê-los AGORA.



 (cf. Corn. A Lapide, in Tob. XII, 15; apud Mons. Gaume, Tratado del Espíritu Santo, Granada, Imp. Y Lib. Española de D. José Lopez Guevara, 1877, p. 137 )

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Criaturas de Deus para nos servir


Oração

Grande sois Vós, SENHOR, e poderoso nos Vossos Anjos, DEUS Santo, Forte e Imortal!
Vós os criastes para a Vossa glória.
Vós os criastes como reis, para Vos servirem, ó Soberano de todos os soberanos.
Vós os enviastes para servirem aos homens na terra e eles servem com júbilo.
SENHOR DEUS, Rei, fazei que os reconheçamos, os Vossos Anjos, os servos de Vosso FILHO,
 fazei que os amemos e os levemos para dentro de nossa vida, dos nossos sofrimentos e da nossa morte.
Amém.

segunda-feira, 21 de junho de 2010

A tua vontade livre é a tua maior bênção ou maldição

O Santo Anjo da Guarda um dom de Deus




Em outras postagem contamos algumas histórias sobre Anjos da Guarda, histórias que nos ajudaram a ficar mais conscientes do poder desses companheiros que recebemos de Deus e que sempre permanecem ao nosso lado.

De fato, o Anjo da Guarda é um presente de Deus para nós, é um dom muito precioso!

Mas, ao considerar a ajuda do Anjo da Guarda não seria bom ficar somente com a parte onde ele nos ajuda de maneira extraordinária, em grandes necessidades, ou nos livra de situações nas quais, sem ele, estaríamos perdidos. Embora tais acontecimentos aumentem em nós a gratidão e a confiança no Anjo, não devemos restringir-nos só a tais histórias porque não precisamos esperar momentos perigosos ou crises para entrar em contato com o Anjo ou para experimentar a sua ajuda. Ao contrário, o Anjo está constantemente ao nosso lado, noite e dia, na alegria e na tristeza, na monotonia do dia-a-dia como também no júbilo das festas. Ele foi dado a nós a fim de nos ajudar a chegar ao céu, alcançar a felicidade eterna e, antes disso ainda, para que nos tornemos santos já aqui na terra.

Por isso, o auxílio que o Anjo nos oferece vai muito além da ajuda extraordinária, e abrange muito mais do que a ajuda material. Sua proteção diante de perigos que ameaçam o nosso corpo ou os nossos bens apenas é a menor parte de sua tarefa, porque muito mais do que o nosso corpo ele deve e quer proteger e guardar a nossa alma com as suas riquezas e preciosidades. Que são os nossos bens materiais e o que vale o nosso corpo em comparação com nossa alma?

É na alma que se encontra o nosso entendimento e a nossa vontade, e com esta vontade nós devemos muitas vezes durante a vida decidir-nos por Deus. É nessa vontade que encontramos a nossa felicidade eterna. "A tua vontade livre é a tua maior bênção ou maldição", nossa alma pode ganhar ou perder a sua eterna felicidade conforme a decisão da vontade.

Considerando esse aspecto da alma é bem provável que a maior parte dos milagres realizados pelos Anjos fique desconhecida para nós porque não enxergamos.

Nós devemos rezar muito pedindo a Deus que Ele nos abra os olhos para melhor reconhecermos o quanto e onde o Anjo atua em nossa vida. Somente assim vai brotar em nós a gratidão, e renderemos a devida ação de graças a ele e a Deus. E o que mais poderemos fazer para perceber melhor a disposição que o Anjo tem para nos ajudar? A resposta é simples: Nós devemos conviver mais conscientemente com o nosso Anjo. Quanto mais incluímos o Anjo em nossa vida cotidiana, tanto mais experimentaremos a sua ajuda e assistência.

domingo, 20 de junho de 2010

Santa Gema Galgani

Santa Gema Galgani é um bom exemplo de uma vida unida ao Anjo, de um verdadeiro amor ao seu companheiro celeste e, por isso, ela experimentou muitas vezes e de diversas maneiras a sua presença e auxílio.





O ANJO - "UM SEGUNDO JESUS"


Segundo o diretor espiritual, Pe. Germano de Santo Estanislau, pode-se dizer que o Anjo da Guarda era para Gema "um segundo Jesus" (cf. Pe.Germano de Santo Estanislau, Santa Gema Galgani, a flor da paixão, Porto 1940, pág. 290). E ela mesma disse: "Há seis dias que não vejo a Jesus; Ele, porém, não me deixou completamente só. O Anjo da Guarda conserva-se sempre visível junto de mim" (Ibid. pág. 287). E no seu diário podemos ler: "Como Jesus é bom! Quando Se retira de mim, deixa o Anjo, que me assiste com incansável amor, vigilância e paciência" (Ludwig Beda, Tugendschule Gemma Galganis, Baden 1926, pág. 416).
Assim, santa Gema alcançou uma familiaridade e intimidade muito grande com o Anjo. Queremos transcrever aqui como ela falava com ele: "Dize-me, meu Anjo, o que tinha esta manhã o meu confessor para ser tão severo e recusar a ouvir-me? E o Padre que está em Roma responderá à carta urgente em que lhe peço uma regra de conduta sobre tal ponto? Dize-me, querido Anjo, quando é que Jesus converterá este pecador por quem me interesso? O que devo responder a tal pessoa que me pede conselho? E que pensais vós de mim? Jesus está contente? Como poderei agradar-Lhe?" (Cf. Pe. Germano, pág. 289). Costumava dizer-lhe: "Ó meu Anjo, amo-vos tanto!" Ao que o bom Anjo replicou: "Por que?" - "Porque me tornais boa e humilde, e fazeis com que eu ame a Jesus" (A.D.M., Os Santos Anjos, Lisboa 1945, pág. 14).
Numa outra ocasião disse-lhe: "Se eu alguma vez for má, Anjo querido, não te zangues. Quero mostrar-te minha gratidão". E o Anjo respondeu: "Sim, serei para ti um guia e teu companheiro inseparável. Não sabes Quem te confiou à minha guarda? Foi o Misericordioso Jesus" (Pe. Germano, 287).
Mas santa Gema não somente conversava com o Anjo. Muitas vezes rezaram juntos e cantaram os louvores de Deus. Quando rezaram os salmos, fizeram-nos alternadamente. Quando rezaram jaculatórias, começava uma santa competição, e eles clamavam num entusiasmo crescente: "Viva Jesus!" (Beda, pág. 417).




O ANJO COMO CONSELHEIRO E PROFESSOR


Santa Gema mantinha também o hábito de contar ao seu companheiro celeste todas as suas aflições e as dos outros. E sempre que alguém lhe pedia um conselho ela perguntava ao Anjo o que deveria responder, e este, por sua vez, com inefável doçura, respondia a todas as perguntas. Mas não só isso, ele deu também muitos conselhos e instruções. Uma vez a fez escrever alguns dos ensinamentos que ele ia ditando. À sua ordem, Gema sentou-se à mesa, tomou a pena e o papel, enquanto ele, de pé a seu lado, como um professor junto do aluno, começou: "Lembra-te que quem ama verdadeiramente a Jesus, fala pouco e sofre tudo. Ordeno-te da parte de Jesus, que nunca digas a tua opinião, se não te for pedida, que insistas na tua opinião, mas que cedas depressa. Quando cometeres qualquer falta, acusa-te imediatamente sem ser preciso que os outros te avisem. Obediência pontual e sem réplica ao teu confessor, sinceridade com ele e com os outros. Não te esqueças de guardar a vista, lembrando-te que os olhos mortificados contemplarão as belezas do céu!" (Pe. Germano,pág. 293). São instruções que a santa cuidadosamente colocou em prática.



O ANJO COMO CARTEIRO


Mas santa Gema não se contentava só em pedir conselhos ao seu Anjo. Ela também lhe deu tarefas. Inúmeras vezes encarregou-lhe de encomendá-la a Deus, a Nossa Senhora ou a seus santos patronos no céu, como também pediu-lhe para transmitir mensagens às pessoas distantes. E para ela era tão natural que ficava surpresa quando não recebia resposta. Então, neste caso, mandava cartas pelo correio escrevendo, por exemplo, a seu diretor espiritual: "E não obstante já há tantos dias que vo-lo mandei dizer pelo Anjo; como não fizestes caso? Ao menos podíeis mandar-me dizer por ele que não era vossa intenção ocupar-vos deste negócio. Em todo caso não vos zangueis se de novo insisto por meio desta carta" (Pe. Germano, pág.291). Outras vezes ela escreveu cartas e as entregou ao seu Anjo para que levasse aos destinatários. E ele o fez de verdade! Seu diretor examinou os fatos, como também as pessoas que conviveram com ela. Uma vez, por exemplo, sem que ela soubesse, colocaram uma de suas cartas entre duas imagens de santos. À tarde, de repente, a santa exclamou: "Acabou de sair o Anjo com a carta na mão". E logo, ao verificarem o lugar onde a tinham colocado, não acharam mais (cf. Beda, pág. 423).


O ANJO COMO EDUCADOR SEVERO E CONSOLADOR BONDOSO


O Anjo, por sua vez, não se contentava em receber ordens e tarefas de santa Gema. Ele cuidava fervorosamente dela, guiando-a no caminho da perfeição. Não lhe deixou cometer nenhuma imperfeição e a repreendia, às vezes, até severamente. Escreve ela mesma: "Ontem durante a refeição levantei os olhos e vi o Anjo lançar-me olhares severos; não falava. Mais tarde, quando fui repousar, olhei outra vez para ele, mas depressa abaixei a vista; meu Deus, como estava irritado! 'Não tens vergonha', disse-me ele, 'de cometer faltas na minha presença?' Lançava-me alguns olhares tão severos … Eu não fazia nada senão chorar. Supliquei a Deus e a minha celeste Mãe que o tirasse diante de mim, pois não podia resistir mais. De quando em quando ele repetia: 'envergonho-me de ti'. Rezei para que ninguém o visse neste estado, pois quem o visse assim, de certo nunca mais se aproximaria de mim. Sofri o dia inteiro, não pude recolher-me nenhum momento; o seu aspecto permanecia tão severo, que eu não tinha coragem para lhe falar. De noite não consegui adormecer até que, finalmente, pelas duas horas da manhã, o vi aproximar-se; pôs-me a mão sobre a fronte, dizendo: 'dorme, criatura má'. E não o vi mais (Pe. Germano, pág. 293s).
Gema disse uma vez: "O meu Anjo é um pouco severo, mas sinto-me bem com isso. Nos últimos dias chegou a repreender-me três a quatro vezes por dia" (Ibid. pág. 293). Outras vezes, o Anjo a encorajava : "Estava no leito, muito atormentada, quando me senti subitamente possuída dum profundo recolhimento. Juntei as mãos e, com toda a força do meu fraco coração, fiz o ato de contrição com uma viva dor dos meus inúmeros pecados. E tendo eu o espírito absorvido pela lembrança das minhas culpas, vejo o Anjo junto do leito. Fiquei envergonhada ao ver-me em sua presença. Ele, pelo contrário, com uma amabilidade cheia de encanto, disse-me: "Jesus tem uma grande afeição por ti; ama-O muito" (Ibid. pág.296).
Outro dia aproximou-se dela enquanto fazia a oração da noite, bateu-lhe no ombro e disse: "Gema, como é que tu levas tanta apatia para a oração?" "Não é apatia", respondeu ela, "há dois dias que não me sinto bem". "Faze o teu dever com cuidado, e Jesus te amará mais", replicou-lhe o bom Anjo. E Gema continua contando: "Roguei-lhe que fosse pedir permissão a Jesus para passar a noite junto de mim. Desapareceu imediatamente e, obtida a permissão, voltou ao meu lado. Oh! como se mostrou bom! Quando estava para partir, pedi-lhe que não me deixasse ainda. 'Não posso', respondeu, 'é conveniente que eu vá'. 'Está bem, ide e saudai a Jesus por mim'" (Ibid. pág. 297).
O Anjo ajudou-lhe, principalmente, nos seus sofrimentos e dores, de tal maneira que por várias vezes, sem ele, não teria conseguido suportar todos os seus tormentos. Disse-lhe ele uma vez: "Pobre criatura, como és descuidada. Tenho que velar continuamente por ti" (Ibid. pág. 292). Por isso, ela sempre quis tê-lo ao seu lado quando sofria. Recebeu muitas luzes do Anjo também nas suas meditações sobre a Paixão de Jesus, acendendo desta maneira cada vez mais o fogo do amor no seu coração.
Santa Gema tinha vários "encontros" com o demônio que, às vezes, atacou-a fortemente. Uma vez aconteceu que o demônio espancou-a tão cruelmente na oração da noite, que a pobre ficou impossibilitada de se mover. O Anjo, então, ofereceu-lhe seu auxílio, ajudou-a para subir ao leito e ficou de guarda à cabeceira toda a noite.



O ANJO ACEITA TUDO DO NOSSO AMOR


O seu diretor espiritual achava exagerado este relacionamento íntimo com o Anjo e deu algumas diretrizes para ela observar. Ele tinha medo que a santa estivesse sendo enganada pelo demônio. Por isso, ao aparecer o Anjo, ela devia exclamar: "Viva Jesus!" e tentar afastá-lo seja com o sinal da Cruz, com água benta ou mesmo com o cuspir. Caso ele não se afastasse, ela devia convidá-lo a adorar com ela a Santíssima Trindade. Uma vez aconteceu que o Anjo lhe apareceu e ela tentava afastá-lo, mas inutilmente; o Anjo não desapareceu. Então Gema cuspiu no rosto dele, e viu no chão onde tinha caído o cuspe, brotar uma rosa branca, e nela estava escrito em letras de ouro: "Tudo se aceita do amor" (Ferdinand Holböck, Vereint Mit den Engeln und Heiligen, Stein am Rhein, 1984, pág. 394).

VIVER COM O ANJO



Da vida de santa Gema vale também que nem tudo podemos imitar como, por exemplo, o envio das cartas pelo Anjo ou as aparições dele. Mas, o que podemos aprender quando consideramos as experiências desta santa é uma relação com o Anjo como de uma criança. Não havia nada que Gema escondesse diante do Anjo ou que não lhe contasse. Por isso, ele sabia tudo dela, não só porque estava sempre ao seu lado, mas também porque ele ouviu tudo de sua própria boca. Assim o amor ao Anjo tornou-se fecundo para muitas pessoas que, desta forma, receberam grandes ajudas de santa Gema Galgani seja pelas suas fervorosas orações, seja por meio dos bons conselhos que ela deu, inspirada pelo Anjo. Será que a nossa união com o Anjo já é tão grande que não precisamos esforçar-nos por fazê-la mais íntima, ou não devemos reconhecer humildemente que estamos ainda bem no início do caminho? Uma coisa é clara: quanto mais nós cultivamos a intimidade com o Anjo, amando-o, invocando-o, falando-lhe de nossas preocupações e fracassos, tristezas e alegrias e as dos outros também , pedindo sua ajuda, seu conselho e agradecendo por tudo o que ele faz por nós, tanto mais ele entrará em ação a nosso favor, e a dos outros.


Fonte: Obra dos Santos Anjos

sábado, 12 de junho de 2010

Santo Onofre

"Siga o seu caminho humildemente com Deus"




Muitos santos tiveram uma ligação especial com o seu Santo Anjo da Guarda. Um deles é um grande santo, mas praticamente desconhecido, o Santo Onofre, eremita. A Igreja celebra sua festa em 12 de junho. O impressionante neste santo é o seu Anjo da Guarda que deu-lhe uma linha de vida para viver como um eremita.

Onofre viveu como um monge num Mosteiro no deserto, perto do final do século IV. Foi chamado cada vez mais para o deserto, como Elias e João Batista, só para viver para Deus.

Depois de pedir por muitos anos, recebeu permissão para ir para a solidão. Quando a noite em que ele seguiria para as montanhas do deserto, lhe apareceu uma luz, estava aterrorizado e temia deixar o mosteiro, mas seguiu sua própria vontade. Onofre era um monge muito obediente.

A luz, no entanto, foi o seu Anjo da Guarda, que trazia a seguinte mensagem:

"Não temais, sou o teu Anjo Guardião. Deus desde o início destinou-me a você, pois, segundo a Sua vontade, devo acompanhá-lo para o deserto. Ser perfeito, faz o seu caminho humildemente com Deus, faz o seu trabalho com alegria, sempre cuide do seu coração, nunca reclame, seja perseverante nas boas obras. E garanto que nunca vou te deixar, até o momento em que irá levar a sua alma à Divina Majestade ".

Estas frases tomar sabedoria de uma vida. Apesar de sua brevidade, eles podem nos servir como regra de vida, podem esclarecer-nos, o nosso Santo Anjo da Guarda gostaria de recomendar-nos.

Quando lhe foi perguntado como ele recebia a  Eucaristia na solidão do deserto Onofre explicou que um anjo do Senhor levava o Corpo e o Sangue de Cristo, todo sábado e domingo. Ele acrescentou: "É normal para os eremitas no deserto".

Curiosidade:
Santo Onofre, Confessor (grego: Ονούφριος, onouphrios), considerado Santo pela Igreja Católica e Venerável pela Igreja Ortodoxa, foi um eremita que viveu no deserto da Tebaida no Alto Egipto, em fins do século IV da Era Cristã (o seu nome grego pode ser mesmo uma corruptela do termo egípcio Uen-nefer - «o que está sempre feliz, satisfeito» - um epíteto tradicionalmente guardado para o antigo deus egípcio Osíris; de resto, a dificuldade da sua transcrição em outras línguas levou-o, por exemplo, a ser venerado sob o nome de Humphrey, na Inglaterra).

O relato de um seu discípulo, Pafnútio, que o encontrou no deserto egípcio, constitui a nossa única fonte para o conhecimento da vida de Santo Onofre: monge num cenóbio nas proximidades de Tebas, abandonou-o para viver uma vida de eremita; durante 60 a 70 anos, Onofre viveu sozinho no deserto, usando apenas, para proteger as partes pudentas, folhas e/ou o seu longo cabelo e barba.

Onofre tornou-se bastante representado na arte medieval, sobretudo nas representações de homens selvagens e dos Padres do Deserto.

Tanto a Igreja Católica como a Igreja Ortodoxa o celebram no dia 12 de Junho. É considerado o patrono da fortuna (sorte).

Obtida de "http://pt.wikipedia.org/wiki/Santo_Onofre"





sexta-feira, 11 de junho de 2010

Ano Sacerdotal


Sagrado Coração de Jesus, fazei que vos amemos cada vez mais!


"O Sacerdote é o amor do coração de Jesus."
                                               São João Maria Vianey



Missão do sacerdote é mostrar que Deus não está longe do homem


Palavras do Papa na homilia de encerramento do Ano Sacerdotal


CIDADE DO VATICANO, sexta-feira, 11 de junho de 2010 (ZENIT.org).- "Deus quer que nós, como sacerdotes, em um pequeno ponto da história, compartilhemos das suas preocupações pelos homens."



Assim afirmou o Papa Bento XVI durante a solene Concelebração Eucarística com mais de 15 mil sacerdotes do mundo inteiro, realizada hoje na Basílica de São Pedro, como conclusão do Ano Sacerdotal.



O Papa centrou sua extensa homilia, ao explicar a figura do Bom Pastor, em falar sobre a missão do sacerdote, que não é outra a não ser levar Deus aos homens, em um momento histórico no qual Deus parece distante e inalcançável.



Este "afastamento" de Deus não é novo na história do homem: "As religiões do mundo, pelo que podemos ver, sempre souberam que, em última instância, só existe um Deus. Mas este Deus era distante".



Esse Deus "abandonava aparentemente o mundo a outras potências e forças, a outras divindades. Era preciso chegar a um acordo com elas. O Deus único era bom, mas distante. Não constituía um perigo, mas tampouco oferecia ajuda. Portanto, não era necessário ocupar-se d'Ele. Ele não dominava", explicou o Papa.



Curiosamente, "esta ideia ressurgiu no Iluminismo. Aceitava-se, no entanto, que o mundo pressupõe um Criador. Esse Deus, porém, teria construído o mundo para depois retirar-se dele".



"Agora o mundo tem um conjunto de leis próprias segundo as quais se desenvolve e nas quais Deus não intervém, não pode intervir."



No entanto, afirmou o Papa, o cristianismo supõe a boa notícia de que "Deus cuida pessoalmente de mim, de nós, da humanidade. Não me deixou sozinho, extraviado no universo e em uma sociedade diante da qual a pessoa se sente cada vez mais desorientada".



Esse Deus, como bom pastor, "mostra o caminho correto aos que lhe são confiados. Ele os precede e os guia. Dito de outra maneira: o Senhor mostra como se realiza de forma justa nosso ser homens. Ensina-nos a arte de ser pessoa".



Em sua missão de pastorear, prosseguiu o Papa, a Igreja "deve usar o bastão do pastor, o bastão com o qual protege a fé contra os farsantes, contra as orientações que são, no fundo, desorientações".



"Justamente o uso do bastão pode ser um serviço de amor. Hoje vemos que não se trata de amor quando se toleram comportamentos indignos da vida sacerdotal. Bem como não se trata de amor quando se deixa proliferar a heresia, o desvio e o esfacelamento da fé, como se nós autonomamente inventássemos a fé."



Ao mesmo tempo, acrescentou, "o bastão continuamente deve se transformar no cajado do pastor, cajado que ajude os homens a poder caminhar por sendas difíceis e seguir Cristo".



"Cada cristão e cada sacerdote deveriam se transformar, a partir de Cristo, em fontes que comunicam vida aos demais. Deveríamos dar a água da vida a um mundo sedento."



"Como sacerdotes, queremos ser pessoas que, em comunhão com seu amor pelos homens, cuidemos deles e os façamos experimentar concretamente esta atenção de Deus", concluiu.



No final da celebração, o Santo Padre cumprimentou os sacerdotes em vários idiomas. Em português, disse:



"Queridos sacerdotes dos países de língua oficial portuguesa, dou graças a Deus pelo que sois e pelo que fazeis, recordando a todos que nada jamais substituirá o ministério dos sacerdotes na vida da Igreja. A exemplo e sob o patrocínio de Santo Cura d'Ars, perseverai na amizade de Deus e deixai que as vossas mãos e os vossos lábios continuem a ser as mãos e os lábios de Cristo, único Redentor da humanidade."



quinta-feira, 10 de junho de 2010

O Anjo da Paz

Dia de 10 de junho, dia da aparição do Anjo da Paz em Fátima


A Mensagem de Fátima é um convite e uma escola de salvação. Foi iniciada pelo Anjo da Paz (1916) e completada por Nossa Senhora (1917). Foi vivida de maneira histórica pelos Três Pastorinhos – Lúcia, Francisco e Jacinta. Hoje, 10 de junho, comemoram-se em Portugal a aparição do Santo Anjo aos Pastorinhos, anjo conhecido como o santo Anjo de Fátima ou Anjo da Paz.

A mensagem de Fátima sublinha os seguintes pontos:

› a conversão permanente;

› a oração e nomeadamente o rosário,

› o sentido da responsabilidade coletiva e a prática da reparação.

A aceitação desta mensagem traz consigo a Consagração ao Coração Imaculado de Maria, que é símbolo de um compromisso de fidelidade e de apostolado. As orações ensinadas em Fátima pelo Anjo e Nossa Senhora ajudam a viver a Mensagem, que, como disse João Paulo II, em Fátima em 1982, é a conversão e a vivência na graça de Deus.

Orações do Anjo
“Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam".

"Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-vos profundamente e ofereço-vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, pevo-Vos a conversão dos pobres pecadores”.


Muitos anos já se passaram desde o dia em que o Anjo de Fátima preparou os três pastorinhos: Lúcia, Jacinta e Francisco para a revelação e a mensagem de Nossa Senhora. Podemos dizer que o "sucesso" de Fátima se deve em boa parte aos bispos portugueses, pois intuitivamente compreenderam que a história da aparição de Fátima nos mostra as verdades evangélicas de uma forma simples e adequada ao nosso tempo. Ambas, tanto a aparição como a mensagem de Fátima, é um credo do catecismo popular. Isso se refere em especial à aparição do Anjo de Fátima, que podemos chamar o "primeiro mistério" de Fátima, já que a Ir. Lúcia manteve o segredo dessas revelações perto de 20 anos. Que diferença dos falsos místicos que fazem questão de espalhar a sua história com rapidez espantosa!

Como a Mãe de DEUS, também o Anjo apareceu seis vezes em Fátima. Nas três primeiras aparições, a Lúcia e a três outras meninas em 1915, ele nada falou. No decorrer do ano de 1916, deu orientações espirituais à Lúcia, Jacinta e Francisco. 

É importante lembrar que também o nosso Anjo da Guarda, que no seu esforço de nos iluminar e conduzir à santidade, age de forma semelhante ao Anjo de Fátima.

                   RESPEITO NA ORAÇÃO


O fato do Anjo não apenas ter-se ajoelhado, mas ter tocado o solo com a sua fronte, nos mostra com que respeito deveríamos apresentar a nossa oração para que não passe de ser uma oração dos lábios, de rotina, O Anjo ensinou às crianças: "Orai assim. Os Corações de JESUS e MARIA estão atentos à voz das vossas súplicas". A frase "Orai assim" é repetição da palavra de JESUS aos Seus discípulos, quando lhes ensinava o PAI nosso (cf Mt 6,9ss). Como explica S. Agostinho, "O PAI Nosso não é só a melhor de todas as orações, mas é o modelo para todas as orações". Da mesma forma, a intenção do Anjo não foi exigir uma determinada oração das crianças, mas muito mais, ensinar que o amor a DEUS e ao próximo deve ser o âmago de toda a nossa oração.

Já que muitos se deixam desanimar facilmente na oração e se sentem sozinhos e abandonados, necessariamente devem dar ouvidos à verdade da fé que JESUS e MARIA nos amam e que tudo o que é bom nos provém através da oração. Como S. Afonso de Liguori assegura: "A única graça que sempre e em todo lugar nos é oferecida é o dom da oração, pois através dela podemos receber todo o bem de DEUS".



Depois disso, o Anjo desapareceu por alguns meses, deixando as crianças sozinhas para ver se ficariam fiéis às graças recebidas; sem falar nada a ninguém a não ser entre si, sem outras visitas consoladoras do Anjo. As crianças permaneceram fiéis ao seu propósito. Lúcia constatou: "As suas palavras gravaram-se de tal forma na nossa mente, que jamais as esquecemos. E, desde aí, passávamos largo tempo assim prostrados repetindo-as, às vezes, até cair cansados". Foi assim que exercitaram uma generosidade heróica.



Nossa Senhora do Rosário de Fátima, ROGAI POR NÓS!
Santo Anjo da Paz, ROGAI POR NÓS!

Fonte: Obra dos Santos Anjos e Santuário de Fátima.

terça-feira, 8 de junho de 2010

O Santo Anjo nos livrou do mal

Uma História do Santo Anjo

      Esta história chegou as minhas mãos através da Carta Circular da Obra dos Santos Anjos, nº 17.

"Somos um grupo de pessoas que tem por finalidade rezar pelos que nos pedem e/ou quando sabemos de situações difíceis, pecaminosas, etc... Rezamos, então, durante trinta dias a Súplica Ardente aos Santos Anjos naquelas intenções.
Foi assim que tomamos conhecimento de um grupo de cinco garotos entre 15 e 17 anos que estavam sendo ameaçados de mortes pelos traficantes que lhes forneciam drogas. 
Depois de uma semana de oração com a Suplica Ardente, os garotos resolveramnparar com o uso da droga e procurar emprego. Os traficantes souberam da decisão e, não querendo perder sua fonte de renda e a possibilidade de tê-los como colaboradores, resolveram agir: invadiram a casa deles armados e ameaçando-os de morte. A família, apavorada, uniu-se a nós, rezando a Suplica Ardente.
E, o que era humanamente impossível, aconteceu: cinco dias depois da invasão da casa com promessa de matá-los, aquele grupo de traficantes voltou para casa dos garotos, mas para pedir perdão a eles e aos familiares pelo ocorrido, dando-lhes a garantia de que nunca mais iriam persegui-los.
Acrescentaram, ainda, que eles mesmo gostariam de ter forças para abandonar o mundo do crime."

     A pessoa que enviou esta história não quis se identificar, nem identificar a cidade que ocorreu. Mas, parece história da carochinha não é!!! Só que é a pura verdade, não duvide da intervenção dos Santos Anjos de Deus na realização dos designos do Pai.
     Que tal experimentar esta oração?

Santos Anjos socorreinos.

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Suplica Ardente aos Santos Anjos

" Vinde depressa, socorrei-nos!"

Nós falamos na postagem anterior de pedirmos aos Santos Anjos, para nos auxiliarem em nossa missão, de rezarmos a Súplica Ardente, e então lhes escrevo esta poderosa oração.

Suplica Ardente

DEUS UNO e TRINTO, Onipotente e Eterno!Antes de recorrermos aos Vossos servos, os Santos Anjos, prostramo-nos na Vossa presença e Vos adoramos: PAI, FILHO e ESPÍRITO SANTO.
Bendito e louvado sejais por toda a eternidade!

DEUS Santo, DEUS forte, DEUS Imortal: que todos os Anjos e homens, que por Vós foram criados, Vos adorem, Vos amem e permaneçam no Vosso serviço!
E Vós, MARIA, Rainha de todos os Anjos, aceitai benignamente as súplicas que dirigimos aos Vossos servos; apresentai-as ao Altíssimo Vós que sois a Medianeira de todas as graças e a Onipotência suplicante a fim de obtermos graça, salvação e auxílio. Amém.



Poderosos Santos Anjos, que por DEUS nos fostes concedidos para nossa proteção e auxílio, em nome da Santíssima TRINDADE nós vos suplicamos:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós suplicamos em nome de Preciosíssimo Sangue de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!

Nós vos suplicamos pelo poderosíssimo nome de JESUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos por todas as chagas de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos por todos os martírios de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos pela Palavra Santa de DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos pelo coração de nosso Senhor JESUS CRISTO:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos em nome do amor de DEUS tem por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos em nome da fidelidade de DEUS por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos em nome da misericórdia de DEUS por nós pobres:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos em nome de MARIA, Mãe de DEUS e nossa Mãe:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos em nome de MARIA, Rainha do Céu e da terra:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos em nome de MARIA, vossa Rainha e Senhora:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos pela vossa própria bem-aventurança:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos pela vossa própria fidelidade:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos pela vossa luta na defesa do Reino de DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nós vos suplicamos:
Protegei-nos com o vosso escudo!



Nós vos suplicamos:
Defendei-nos com a vossa espada!



Nós vos suplicamos:
Iluminai-nos com a vossa luz!



Nós vos suplicamos:
Salvai-nos sob o manto protetor de MARIA!



Nós vos suplicamos:
Guardai-nos no Coração de Maria!



Nós vos suplicamos:
Confiai-nos às mãos de MARIA!



Nós vos suplicamos:
Mostrai-nos o caminho que conduz à Porta da Vida: o Coração aberto de nosso Senhor!



Nós vos suplicamos:
Guiai-nos com segurança à Casa do PAI Celestial!



Todos vós, nove coros dos Espíritos bem-aventurados:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Nossos companheiros especiais e enviados por DEUS:
Vinde depressa, socorrei-nos!



Insistentemente vos suplicamos:
Vinde depressa, socorrei-nos!



O Sangue Preciosíssimo de nosso Senhor e Rei foi derramado por nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!



O Coração de nosso Senhor e Rei bate por amor de nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!



Coração Imaculado de MARIA, Virgem puríssima e vossa Rainha bate por amor de nós pobres.
Insistentemente vos suplicamos: vinde depressa, socorrei-nos!



SÃO MIGUEL ARCANJO
 Vós, Príncipe dos exércitos celestes, Vencedor do dragão infernal, recebestes de DEUS força e poder para aniquilar, pela humildade, a soberba do príncipe das trevas. Insistentemente vos suplicamos que nos alcanceis de DEUS a verdadeira humildade de coração, uma fidelidade inabalável no comprimento contínuo da vontade de DEUS e uma grande fortaleza no sofrimento e na penúria. Ao comparecermos perante o tribunal de DEUS – Socorrei-nos para que não desfaleçamos!




SÃO GABRIEL ARCANJO
 Vós, Anjo da Encarnação, Mensageiro fiel de DEUS, abri os nossos ouvidos para que possam captar até as mais suaves sugestões e apelos da graça emanados do Coração amabilíssimo de nosso Senhor. Nós Vos suplicamos que fiqueis sempre junto de nós, para que, compreendendo bem a Palavra de DEUS quer de nós. Fazei que estejamos sempre disponíveis e vigilantes – Que o Senhor, quando vier, não nos encontre dormindo!





SÃO RAFAEL ARCANJO
Vós que sois lança e bálsamo do amor divino, nós vos suplicamos, feri o nosso coração e depositai nele um amor ardente a DEUS. Que a ferida não se apague nele, para que nos faça perseverar todos os dias no caminho do amor – Que tudo vençamos pelo amor!









ANJOS PODEROSOS e nossos irmãos santos que servis diante do trono de DEUS, vinde em nosso auxílio. Defendei-nos de nós próprios, da nossa covardia e tibieza, do nosso egoísmo e ambição, da nossa inveja e falta de confiança, da nossa avidez na busca de abundância, do bem-estar e da estima pública.



Desatai em nós as algemas do pecado e do apego às coisas terrenas. Tirai dos nossos olhos as vendas que nós mesmos lhes pusemos e que nos impedem de ver as necessidades do nosso próximo e a miséria do nosso ambiente, porque nos fechamos numa mórbida complacência de nós mesmos. Cravai no nosso coração o aguilhão da santa ansiedade por DEUS, para que não cessemos de procura-l’O, com ardor, contrição e amor.



Contemplai o Sangue do Senhor, derramado por nossa causa!
Contemplai as lágrimas da vossa Rainha, choradas por nossa causa!



Contemplai em nós a imagem de DEUS, desfigurada por nossos pecados, que Ele por amor imprimiu em nossa alma!
Auxiliai-nos a reconhecer a DEUS, adora-l’O, amá-l’O e servi-l’O!



Auxiliai-nos na luta contra o poder das trevas que, disfarçadamente, nos envolve e aflige.
Auxiliai-nos, para que nenhum de nós se perca permitindo assim que um dia nos reunamos todos, jubilosamente, na eterna Bem-aventurança. Amém.



 

SÃO MIGUEL, assisti-nos com vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!
SÃO GABRIEL, assisti-nos com vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!
SÀO RAFAEL, assisti-nos com vossos Santos Anjos, ajudai-nos e rogai por nós!





Você pode adquirir esta poderosa oração na Livraria Santos Anjos, maiores informações: www.opusangelorum.org