Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

Programar-se para uma boa Quaresma

Para bem vivenciar a Quaresma é necessário programar-se.

 
Faça seu planejamento, colocando numa cartela escrita que observâncias você realizará, com a graça de Deus. Eis o que se deve planejar:

1. Oração - deve-se fazer algo a mais na oração diária: um salmo ou mais, a via sacra, etc...

2. Penitência - deve-se necessariamente retirar algo do alimento, exceto aos domingos. Também é importante mortificar nossa vontade e nossos sentidos com alguma outra renúncia (a algum hábito, a algo de que se goste...).

3. Esmola - é a caridade fraterna. Um perdão, uma ajuda material ou espiritual, uma aproximação, uma visita, as obras de misericórdia...

4. Vicio a ser combatido - o vício é um mau hábito, que termina por nós impedir de caminhar livremente para o Senhor. Temos vários. Escolha um e procure combatê-lo com firmeza e coragem no tempo quaresmal.

5. Leitura espiritual - escolha um bom livro, que alimente a fé e o amor ao Senhor, para ler neste tempo.

6. Lectio divina - escolha um livro da Escritura para lê-lo do começo ao fim no período quaresmal. Mais aconselháveis seriam o Êxodo ou o Deuteronômio ou o Evangelho de Marcos.
 
Fonte: visaocristaodomhenrique.blogspot.com

Aparições do Anjo de Portugal - continuação

Segunda aparição do Anjo

No verão de 1916, quando os três pastorinhos brincavam no terreiro da casa dos pais de Lúcia, aparece-lhes novamente o Anjo. Ele lhes diz, segundo a narração da Irmã Lúcia:
“- Que fazeis? Orai! Orai muito! Os Corações Santíssimos de Jesus e Maria têm sobre vós desígnios de misericórdia. Oferecei constantemente ao Altíssimo orações e sacrifícios.
...
- Como nos havemos de sacrificar? – perguntei.
- De tudo o que puderdes, oferecei a DEUS sacrifício, em ato de reparação pelos pecados com que ELE é ofendido, e súplica pela conversão dos pecadores. Atraí assim sobre a vossa pátria a paz. Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal. Sobretudo, aceitai e suportai com submissão o sofrimento que o Senhor vos enviar.”

Terceira aparição do Anjo

No fim do verão ou princípio do outono do mesmo ano, novamente na Loca do Cabeço, deu-se a última aparição do Anjo, descrita pela Irmã Lúcia nos seguintes termos:
“Depois de termos merendado, combinamos ir rezar na gruta, que ficava do outro lado do monte. [...] Logo que aí chegamos, de joelhos, com os rostos em terra, começamos a repetir a oração do Anjo: Meu DEUS! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos! Etc. Não sei quantas vezes tínhamos repetido esta ...oração, quando vemos que sobre nós brilha uma luz desconhecida. Erguemo-nos para ver o que se passava, e vemos o Anjo tendo na mão esquerda um cálice, sobre o qual está suspensa uma Hóstia, da qual caem algumas gotas de Sangue dentro do cálice.”
Deixando o cálice e a Hóstia suspensos no ar, o Anjo prostrou-se em terra junto às crianças e fê-las repetir três vezes a oração:
“SANTÍSSIMA TRINDADE, PAI, FILHO, ESPÍRITO SANTO, ofereço-Vos o PRECÍOSISSIMO CORPO, SANGUE, ALMA E DIVINDADE de JESUS CRISTO, presente em todos os sacrários da Terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos de seu Santíssimo Coração [de JESUS] e do CORAÇÃO IMACULADA de MARIA, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores”.
Depois, levantando-se, deu a HÓSTIA a Lúcia, e o cálice, deu-o a beber a Francisco e Jacinta, dizendo:
“- Tomai e bebei o CORPO e o SANGUE de JESUS CRISTO, horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos! Reparai os seus crimes e consolai o vosso DEUS.”
As palavras do Anjo produziram profunda impressão nas três crianças, as quais, a partir de então, começaram a expiar pelos pecadores por meio de sacrifícios e de uma assídua vida de oração.
E prostrando-se de novo em terra, repetiu conosco outras três vezes a mesma oração: ‘SANTÍSSIMA TRINDADE …’ e desapareceu.
Nós permanecemos na mesma atitude, repetindo sempre as mesmas palavras; e quando nos erguemos, vimos que era noite e, por isso, horas de virmos para casa.”



Fonte: Arautos do Evangelho
 

Anjo de Portugal

Celebrando ontem, a memória dos Beatos Francisco e Jacinta, recordamos também a Aparição do Anjo e as orações ensinadas por ele aos pastorinhos.
Rezemos, sempre!!

- 'Meu DEUS! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos! Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e Vos não amam!'

O Anjo de Portugal e os Pastorinhos


Primeira aparição:
As aparições de NOSSA SENHORA em Fátima foram precedidas por três visões que Lúcia, Francisco e Jacinta tiveram do Anjo de Portugal, ou da Paz. Por meio dos colóquios com o Anjo, a Providência predispunha as crianças para o momento em que NOSSA SENHORA lhes falaria.
Primeira aparição do Anjo
As aparições do Anjo ocorreram entre abril e outubro de 1915, em uma colina próxima da Cova da Iria, denominada Cabeço. Algumas manifestações sobrenaturais antecederam a aparição do Anjo. Lúcia, e mais três outras meninas, viram pairar sobre o arvoredo do vale, uma espécie de nuvem alvíssima com forma humana, “uma figura, como se fosse uma estátua de neve, que os raios do sol tornavam ainda mais transparente”, segundo as palavras de Lúcia. Em dias diferentes, esta aparição se repetiu duas vezes.
Foi na Loca do Cabeço, onde, um dia de primavera de 1916, que o Anjo apareceu claramente pela primeira vez. Depois de rezar, as crianças estavam brincando quando um forte vento sacudiu as árvores. Elas vêem, então, caminhando sobre o olival em sua direção, um jovem resplandecente e de grande beleza, aparentando ter 15 anos, de uma consistência e um brilho como o do cristal atravessado pelos raios do sol. A Irmã Lúcia assim conta o que se seguiu:
“Ao chegar junto de nós, disse: - 'Não temais! Sou o Anjo da Paz!'. E, ajoelhando em terra, curvou a fronte até o chão e fez-nos repetir três vezes estas palavras:

- 'Meu DEUS! Eu creio, adoro, espero e amo-Vos! Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e Vos não amam!'

Depois, erguendo-se, disse: - 'Orai assim. Os Corações de JESUS e MARIA estão atentos à voz das vossas súplicas'. E desapareceu.
A atmosfera de sobrenatural que nos envolveu era tão intensa que quase não nos dávamos conta da própria existência por um grande espaço de tempo, permanecendo na posição em que nos tinha deixado, repetindo sempre a mesma oração. A presença de Deus sentia-se tão intensa e íntima que nem mesmo entre nós nos atrevíamos a falar. No dia seguinte, sentíamos o espírito ainda envolvido por essa atmosfera que só muito lentamente foi desaparecendo.”
Fonte: Arautos do Evangelho

Pastorinhos de Fátima

Ontem celebramos a Festa Litúrgica dos Pastorinhos de Fátima: Francisco e Jacinta Marto.


Em 1917, os dois irmãos e uma prima, a pequena Lúcia dos Santos, assistiram a seis aparições de Nossa Senhora de Fátima, entre maio e outubro. A Virgem fez a eles revelações que mais tarde ficaram conhecidas como o "Segredo de Fátima".
NOSSA SENHORA apareceu para eles, primeiramente, na Cova da Iria, em Portugal, por volta do meio dia. Depois de rezarem o terço, como habitualmente faziam, viram uma luz brilhante; julgando ser um relâmpago, decidiram ir-se embora, mas, logo abaixo, outro clarão iluminou o espaço, e viram em cima de uma pequena azinheira (onde agora se encontra a Capelinha das Aparições), uma "SENHORA mais brilhante que o sol", de cujas mãos pendia um terço branco.
Lúcia, na segunda aparição, havia pedido à VIRGEM de Fátima que os levasse para o Céu..."Sim, à Jacinta e ao Francisco levo-os em breve. Mas tu ficas cá mais algum tempo para Me fazer conhecer e amar. (...)", foi a resposta de NOSSA SENHORA.
Jacinta e Francisco esperaram, assim, o cumprimento da promessa de que a VIRGEM MARIA os levaria em breve para o Céu. Pouco mais de um ano, após as aparições na Cova da Iria, Francisco e Jacinta adoeceram gravemente, atacados de bronco-pneumonia. Continuavam com os sacrifícios e penitências, fervorosamente. E percebiam que aquela doença devia conduzi-los ao Céu.
Nas aparições, NOSSA SENHORA pede aos Pastorinhos que façam sacrifícios pelos pecadores. Relatando a Lúcia*, Jacinta contava:
"NOSSA SENHORA veio nos ver, e disse que vem buscar o Francisco muito breve para o Céu. E a mim perguntou-me se queria ainda converter mais pecadores. Disse-lhe que sim. Disse-me que ia para um Hospital, que lá sofreria muito. Que sofresse pela conversão dos pecadores, em reparação dos pecados contra o Imaculado Coração de MARIA, e por amor de JESUS. Perguntei se tu ias comigo. Disse que não. Isso é o que me custa mais. Disse que ia minha mãe levar-me, e, depois, fico lá sozinha!
Em suas últimas palavras, Jacinta fala sobre o pecado, sobre os sacerdotes e os governantes e sobre as virtudes cristãs, surpreendendo pelas análises acertadas e profeticamente tão reais para nossos dias.
Francisco partira para o Céu no dia 04 de abril de 1919. NOSSA SENHORA veio buscar Jacinta no dia 20 de fevereiro de 1920. Os processos de beatificação do Francisco e da Jacinta deram os seus primeiros passos em 1952. Em 1989, Papa João Paulo II assinou o decreto da heroicidade das virtudes dos irmãos, abrindo caminho à beatificação, que aconteceu no ano 2000, depois de comprovado um primeiro milagre alcançado pela sua intercessão. Como Jacinta foi a última dos irmãos a falecer, a data de sua morte foi escolhida para a celebração litúrgica dos Beatos.
Para que se complete o processo de canonização dos Beatos Francisco e Jacinta, falta apenas que um milagre se dê através da sua intercessão. “Olhando hoje a vida destas duas crianças conseguimos intuir que viveram os apelos com que NOSSA SENHORA os desafiou, de tal forma que olhá-los é olhar uma concretização da mensagem de Fátima”.
Fontes: Associação Católica NOSSA SENHORA de Fátima / Santuário de Fátima
Beatos Francisco e Jacinta, rogai por nós

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Passio Domini

Hoje é dia de Contemplarmos a PAIXÃO de CRISTO (PASSIO DOMINI)
 


 Sugestão de roteiro/orações:

Parte I ...

1) O Angelus da Paixão

V. O Anjo do SENHOR levou ao Monte das Oliveiras o cálice do fortalecimento.

R. E o SENHOR recebeu do Coração do PAI a força do sacrifício para a redenção.

AVE MARIA...

v. O SENHOR disse do alto da Cruz: “Tudo está consumado”

r. E, pela Sua morte, trouxe-nos a salvação.

AVE MARIA...

v. A vitória da redenção do SENHOR brilha sobre o tempo e a eternidade.

r. O Vosso amor, SENHOR JESUS CRISTO, abriu-nos o Céu!

AVE MARIA...

V. Lembrai-Vos de nós, SENHOR, no Vosso Reino.

R. E não nos meçais segundo os nossos pecados, mas segundo a Vossa Misericórdia.

Oremos:

SENHOR DEUS, PAI Celestial, que nos destes Vosso FILHO Unigênito para nos redimir pela Sua morte na Cruz, tornai eficaz em todos nós fruto da redenção. Mandai os Vossos Santos Anjos a nos ajudarem, a fim de que, por meio deles, reconheçamos sempre melhor este grandioso ato da redenção, sigamos sempre mais consciente a Palavra e a Vontade de DEUS e, um dia, possamos agradecer-Vos com todos os Santos Anjos por toda eternidade. Amém

2) Oração em Benefício dos Sacerdotes

Meu DEUS e PAI do Céu, naquela noite no jardim das Oliveiras, Vosso FILHO disse a Pedro: “Crês” tu que não posso apelar para Meu PAI que prontamente enviaria mais do que doze legiões de Anjos para Minha defesa? (MT 26,53)

PAI, pedimos-Vos agora: enviai essas doze legiões de Anjos com “cálices do fortalecimento” ao “Getsemani” da Santa Igreja para defender e assistir nossos sacerdotes, afim de que, fortalecidos pelo poder e presença desses Anjos, possam realizar fielmente sua missão sacerdotal. Amém

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Os Anjos

(CIC 331)
"CRISTO é o Centro do mundo angélico.
São seus os Anjos: 'Quando o FILHO do homem vier em Sua Glória com todos os seus anjos...' (Mt 25,31). São seus porque foram criados por e para ELE: “Pois foi nEle que foram criadas todas as coisas, nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis: Tronos, Dominações,Principados, Potestades; tudo foi criado por ELE e para ELE' (Cl 1,16). São seus, mais ainda, porque ELE os fez mensageiros de seu projeto de salvação.
...
'Porventura não são todos eles espíritos servidores, enviados ao serviço dos que devem herdar a salvação?' (Hb 1,14)"
 

sábado, 7 de fevereiro de 2015

7 de fevereiro - Tobias



São João Bosco escreveu a história sagrada pondo em linguagem acessível a seus jovens alunos as comoventes passagens bíblicas. Destas, uma das mais belas é a narração da viagem de Tobias, que teve por anjo da guarda o próprio São Rafael, "um dos sete espíritos que estamos continuamente na presença de Deus".
Enviado pelo pai - também chamado Tobias - a uma terra desconhecida, o jovem viajante pediu a um desconhecido que o acompanhasse, o qual era um anjo que assumira aspecto humano, e que dissera conhecer o caminho. Tobias, além de cumprir a missão retornou com um remédio para curar a cegueira que seu genitor adquirira em um acidente. Recobrada a visão, pôde o velho Tobias ver a esposa do filho - que se casara na viagem - e as riquezas trazidas no retorno. E, para surpresa de todos, no momento dos agradecimentos o guia da viagem revelou-se como sendo o arcanjo Rafael.
São Rafael é atualmente considerado como o padroeiro dos viajantes.
A HISTÓRIA DE TOBIAS
O reino de Israel durou duzentos e cinquenta e quatro anos, e teve dezenove reis, todos ímpios. Frequentemente mandou-Ihes Deus profetas para admoestá-los e levá-los a eles e a seus súditos à prática do verdadeiro culto, mas inutilmente. As ameaças dos profetas foram desprezadas e os mesmos profetas foram encarcerados, exilados ou mortos. Tan­tas iniquidades esgotaram a misericórdia do Senhor, que entregou o povo e o rei de Israel nas mãos de seus inimigos. O último rei de Israel foi Oséias, sob cujo governo teve fim aquele reino.
No princípio ele tentou libertar-se do jugo dos Assírios de quem se tinha tornado tributário; mas, indignado, Salmanassar, rei da Assíria, marchou com poderoso exército para expugnar Samaria. Depois de três anos de cerco, apoderou-se da cidade, prendeu Oséias e meteu-o a ferros. Depois de submeter todo o reino ao seu poder, levou o rei e o povo para a Assíria e para a Média, donde não mais voltaram.
Os Israelitas na Assiria
Os Israelitas padeceram na Assíria duríssima escravidão; muitas vezes faltou-lhes um pedaço de pão para matarem a fome e um trapo para se vestirem. Muitos foram assassinados e seus cadáveres atirados fora dos muros da cidade para servirem de pasto às aves de rapina e a outros animais ferozes, sem que se lhes pudesse dar sepultura, sendo isto proibido por uma lei desumana. Assim aquele povo, que fora surdo aos repetidos avisos dos profetas do Senhor, pagava o duro preço de suas infidelidades.
Virtude de Tobias
Deus, que é sempre bom, mandou um consolador aos pobres Israelitas. Foi o piedoso Tobias, homem educado no santo temor de Deus, grandemente estimado pela sua piedade e paciência.
Levado ao cativeiro com os outros, à vista de seus irmãos oprimidos, dedicou-se ao santo mister de consolar os aflitos, de alimentar e vestir os necessitados e sepultar os mortos. Quando sabia que um Israelita morto era atirado em qualquer canto, deixava o que estava fazendo e 'aproveitava da escuridão da noite para enterrá-lo.
O rei cruel, tendo notícia de semelhantes fatos e de como Tobias dispensava seus bons ofícios aos seus irmãos de exílio, mandou que fosse espoliado de todos os bens e condenado à morte. Apesar disso, o Senhor conservou-lhe a vida: fugindo à cólera do rei, ficou escondido por algumas pessoas piedosas, em companhia de sua mulher e seu filho. Pouco depois, tendo sido assassinado esse rei cruel, pôde Tobias continuar no desempenho de seu piedoso mister. Um dia, tendo-se sentado à mesa para jantar, veio seu filho adverti-lo de que haviam deixado na praça um cadáver. Levantou-se imediatamente da mesa, foi buscar o cadáver e o ocultou em casa, sepultando-o depois durante a noite, mostrando assim quanto era constante e qual o seu ardor no exercício da caridade.
Paciência de Tobias
A virtude de Tobias foi experimentada por Deus com grandes tribulações. Uma ocasião, após ter passado a noite inteira a dar sepultura aos mortos, voltava para casa ao clarear do dia, e prostrado de cansaço deitou-se perto de um muro sobre o qual havia um ninho de andorinhas, e ali adormeceu. Durante o sono caiu-lhe nos olhos um pouco de cisco quente do ninho daqueles passarinhos e ficou cego. Nesse mísero estado, conservou-se sempre fiel ao Senhor. Nada temia tanto como o pecado e até a sombra dele. Sua mulher que o sustentava com o seu trabalho, levou para casa um dia um cabrito que lhe haviam dado como paga. O cego, ouvindo-o berrar, disse: Vê lá que esse cabrito não tenha sido roubado! Se o foi, mulher, volta imediatamente a restituí-lo ao seu dono. Não devemos lançar mão da mínima coisa pertencente aos outros.
Recomendações de Tobias
Oprimido por tantas desventuras, Tobias pediu ao Senhor que o chamasse à outra vida. Supondo que Deus ouvira o seu pedido, deu ao filho estas lembranças: Meu filho: recomendo-te que respeites sempre tua mãe e nunca te esqueças do que ela sofreu por ti. Não se apague ele tua mente a imagem de teu Deus e guarda-te do pecado e de fazer algo contra os mandamentos divinos. Tem compaixão dos pobres e Deus terá compaixão de ti. Faze esmola; se tiveres pouco, desse mesmo pouco dá o que puderes, mas dá de boa vontade. A esmola apaga os pecados, faz achar misericórdia diante de Deus e conduz à vida eterna. Nas dúvidas, aconselha-te com homens prudentes, mas não te associes nunca aos perversos. Foge da soberba e preserva-te da impureza.
O filho, todo comovido, respondeu-lhe: Meu pai, farei tudo quanto me disseste. E manteve fielmente a sua promessa.
Tobias manda seu filho a Rages
O bom Tobias não morreu então, como supunha. O Senhor conservou-lhe a vida para fazê-lo gozar inefáveis, consolações, por meio de seu filho chamado também Tobias. Um dia disse o velho a seu filho: Tobias, emprestei dez talentos de prata a Gabael, que reside em Rages, cidade da Média. Eis o documento relativo. Apresentando-lhe, ele te restituirá logo o dinheiro. Mas como tu não sabes o caminho, vai procurar algum amigo fiel que te possa guiar. O filho obediente saiu de casa e encontrou um jovem prestes a empreender uma viagem. Ignorando que o desconhecido fosse um anjo de Deus, disse-lhe delicadamente: Bom jovem, quem és tu? Conheces a estrada que conduz à Média? E o jovem respondeu: Eu sou Israelita e conheço bem o caminho de que falas, pois morei muito tempo em Rages, na casa de Gabael. Tobias, com o consentimento do pai, partiu com o anjo Rafael, que disfarçado sob aparência humana e sem dar-se a conhecer, prontificou-se a acompanhá-lo.
Chegando à margem do Tigre, um peixe monstruoso atacou o jovem Tobias, e já parecia que ia devorá-lo, quando o Arcanjo lhe disse que não temesse e que segurasse o peixe, o matasse e lhe tirasse o fígado, com o qual faria um remédio para curar o pai.
Uma viagem iniciada sob tão bons auspícios não podia terminar senão próspera e feliz. E de fato, o anjo não só fez com que Tobias recebesse o dinheiro que fora buscar, como também procurou, e conseguiu que o mesmo desposasse uma rica e virtuosíssima donzela de nome Sara, filha única de Raguel.
Volta do filho. Cura e santa morte do pai
Entretanto, Tobias e sua mulher esperavam ansiosos pela demora. Muitas vezes a mãe, do alto de um monte, procurava impaciente ver se o descobriria ao longe. Por muitos dias foi vã a sua expectativa. Finalmente avistou-o um dia e satisfeitíssima, correu a dar a boa nova ao marido. O velho Tobias, apesar de cego, quis ir ao encontro do amado filho. Os pais o abraçaram com ternura. Isto era apenas o início das grandes consolações que ao velho Tobias queria a bondade divina conceder.
O jovem Tobias unge os olhos do pai com o fel do peixe, e o velho imediatamente recupera a vista, e pode ver, não somente o filho amado, mas ainda observa a esposa, admira suas singulares qualidades e as grandes riquezas que trouxera consigo. Espalhada a noticia da volta do filho de Tobias e de como o bom pai tinha sido curado, seus parentes se reuniram para dar graças ao Senhor e festejar o acontecimento. Em presença de todas essas pessoas, enumerou o filho os solenes benefícios que havia recebido do companheiro de viagem, que ainda julgava ser um homem. Querendo de alguma maneira recompensá-lo, pediram-lhe quisesse aceitar metade das riquezas que havia trazido. O anjo então deu-se a conhecer e disse ao velho: Agora é tempo de eu manifestar a verdade. Quando sepultavas os mortos e te ocupavas em obras pias ou em fervorosas orações, eu oferecia tudo ao Senhor. E porque ele te amava, quis que a cegueira aumentasse teu merecimento; depois mandou-me Deus a mim para curar-te e trazer-te todos estes bens. Pois que eu sou o anjo Rafael, um dos sete espíritos que estamos continuamente na presença de Deus. Louvai, pois, ao Senhor e contai a todos as suas maravilhas. Dito isto, desapareceu. Eles ficaram por três horas prostrados no chão bendizendo o nome de Deus.
Tobias viveu ainda quarenta e dois anos; sentindo, depois, que se avizinhava a hora de sua morte, chamou o filho e recomendou-lhe que se mantivesse fiel e constante no santo serviço de Deus. Depois serenamente expirou, na paz do Senhor, com cento e dois anos de idade.
O filho atingiu a idade de noventa e nove anos. Ele, seus filhos e netos imitaram as virtudes paternas; por isso foram sempre benquistos dos homens e abençoados por Deus.
FONTE: texto extraído de História Sagrada, de São João Bosco (Livraria Salesiana Editora, São Paulo, 1944, 8 ed), com adequação redacional-ortográfica.