Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

sábado, 5 de abril de 2014

DEUS não obriga ninguém a estar com ele

Sim, Deus não obriga ninguém a estar com Ele. “Os Anjos e os homens, criaturas inteligentes e livres, devem caminhar para o seu destino último por opção livre e amor preferencial. Podem, no entanto, desviar-se. E, de fato, pecaram. Foi assim que o mal moral entrou no mundo” (CIC 311).


Com certeza houve alguns Anjos que não aceitaram a vontade de Deus, pois São Pedro escreve: “Deus não poupou os Anjos que pecaram, mas, precipitou-os nos abismos tenebrosos do inferno onde os reserva para o julgamento” (1). Jesus mesmo falou várias vezes dos Anjos caídos: “Vi Satanás cair do céu como um raio!”(2). Mas nem todos os Anjos agiram assim; houve outros que se submeteram a Deus como a seu Criador e colocaram-se à sua disposição, para servi-l’O em qualquer missão no seu Reino. 
 (1. 2Pd 2, 4; cf. Jd 6; Jo 8, 44; Ap 12, 9.12.  /  2. Lc 10, 18; cf. 8, 31; Mt 25, 41).

A Igreja ensina no Catecismo, que Anjos “por Deus criados bons... se tornaram maus por sua própria iniciativa”. “Esta ‘queda’ consiste na opção livre desses espíritos criados, que rejeitaram radical e irrevogavelmente a Deus e o seu Reino.Temos um reflexo desta rebelião nas palavras do tentador ditas a nossos primeiros pais: ‘E vós sereis como deuses’ (Gn 3,5)” (1).

O Beato João Paulo II explica essa realidade de modo conciso:

“As palavras: Não servirei (Jr 2, 20), manifestam a radical e irreversível recusa a tomar parte na 
edificação do Reino de Deus. Satanás, o espírito rebelde, deseja ter o seu próprio reino, e, não fazer 
parte do Reino de Deus” (2).

  (1. CIC 391 e 392.  /   2. Catequese, 23 de Julho de 1986, n 5; cf. Is 14, 12ss e Ez 28, 8ss).


Sobre o número dos Anjos fiéis e infiéis não há clareza. Segundo a passagem de 2 Rs 6, 16: “Não temas, respondeu Eliseu; os que estão conosco são mais numerosos do que os que estão com eles...” S. Tomás é da opinião que a maioria dos Anjos não pecou, pois, os de maior número são aqueles que estão conosco, e estes são os bons (1).

E no Apocalipse se lê: “Um grande dragão vermelho... varria com sua cauda uma terça parte das estrelas do céu, e as atirou à terra” (Ap 12, 3-4); alguns interpretam este texto em relação à queda dos Anjos, de modo que, os anjos caídos seriam uma terça parte dos Anjos que foram criados. Porém, a expressão “uma terça parte” no Apocalipse não pode ser tomada no sentido literal.
1. Cf. S. Tomás, S.Th. I, 63, 9