Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

quinta-feira, 8 de maio de 2014

O anjo guardião da família


Venho aqui descrever minha experiência com os anjos.



Naquele tempo, tínhamos em casa um quarto com 2 beliches, eu ficava na parte de baixo e na parte superior meu irmão, que hoje é diácono. Na época, eu tinha aproximadamente 10 ou 12 anos.
Nesse tempo meu irmão foi para um retiro, ficando fora de casa. Na primeira noite, como eu gostava muito de dormir na cama de cima, aproveitei para dormir na cama de meu irmão.
Em um momento da noite, despertei com uma claridade muito grande no quarto, uma luz branca que gradativamente diminuiu até eu poder enxergar. Ao lado da cama, pude perceber um vulto, quase que virado de costas.
Eu estava tranquilo pois naquele exato momento já sabia quem era. Por momentos, fiquei ali parado, admirando-o. Então ele começou a virar-se lentamente, mas não parecia encostar no chão, pois era um movimento suave. Foi quando me assustei ao ver o seu rosto suave e comprido, notando que se tratava realmente de alguém. Com muito medo me cobri rapidamente com o cobertor.
Fiquei uns instantes ali debaixo do cobertor, com medo do que tinha visto, sabendo quem era, mas ao mesmo tempo assustado. Logo após me cobrir, senti em cima de mim, por cima do cobertor, a mão acolhedora de um adulto e novamente me senti bem mas ainda com medo.
Então tomei coragem e, em um movimento rápido, retirei o cobertor e olhei, mas para minha saudade até hoje, ele não estava mais ali.
Foi com esta experiência, que acreditei de forma irrestrita na existência de Anjos e de Deus. Sempre orei a oração ao santo Anjo, mas vê-lo era algo incrível.
Muito mais tarde, conversei com meu irmão sobre o fato e, com auxílio de um padre amigo e conselheiro, os dois concluíram que talvez não fosse o meu Anjo da Guarda, mas sim um anjo que é enviado à casa da família da pessoa que se ausenta, quando ela é a responsável ou parte importante na família, para cuidar enquanto este membro está fora.
Porém, eu sempre acreditei que era o meu Anjo da Guarda, pois com ele falava quase todos dias em oração, desde criança, e sempre tive fé na sua existência. Além disso, tenho sempre o sentimento que ele continua comigo, às vezes se decepcionando por uma má decisão, comportamento ou pensamento meu, mas feliz quando recomeço tantas e tantas vezes a minha caminhada para o Pai.

Fonte:http://cumsanctisangelis.blogspot.pt/2012/10/o-anjo-guardiao-da-familia.html