Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

sábado, 17 de janeiro de 2015

A união do homem e Anjo

Jesus Cristo não é só o centro dos homens, mas também dos Anjos: «Cristo é o centro do mundo angélico. São seus os Anjos... São seus porque foram criados por e para Ele... São seus, mais ainda, porque Ele os fez mensageiros de seu projeto de salvação» (CIC 331). «Eles aí estão, desde a criação e ao longo de toda a História da Salvação, anunciando de longe ou de perto esta salvação e servindo ao desígnio divino de sua realização» (CIC 332). Por isso, este serviço se refere ao próprio Verbo encarnado e ao Seu Corpo na terra, a Igreja. «Desde a Encarnação até a Ascensão, a vida do Verbo Encarnado é rodeada da adoração e do serviço dos Anjos... Protegem a infância de Jesus, servem a Jesus no deserto, confortam-no na agonia, embora tivesse podido ser salvo por eles da mão dos inimigos, como outrora fora Israel. São ainda os anjos que “evangelizam”, anunciando a Boa Nova da Encarnação e da Ressurreição de Cristo. Estarão presentes no retorno de Cristo, que eles anunciam, a serviço do juízo que o próprio Cristo pronunciará» (CIC 333).
 
«Do mesmo modo, a vida da Igreja se beneficia da ajuda misteriosa e poderosa dos Anjos» (CIC 334). «Em sua Liturgia, a Igreja se associa aos Anjos para adorar o Deus três vezes Santo; ela invoca a sua assistência... Além disso; festeja mais particularmente a memória de certos Anjos (S. Miguel, S. Gabriel, S. Rafael, os Anjos da guarda)» (CIC 335).
 
Deste modo, «desde o início até a morte, a vida humana é cercada sua proteção e por sua intercessão. “Cada fiel é ladeado por um Anjo como protetor e pastor para conduzi-lo à vida”. Ainda aqui na terra, a vida cristã participa na fé da sociedade bem-aventurada dos Anjos e dos homens, unidos em Deus” (CIC 336). Com razão, portanto, a «Igreja venera os Anjos que a ajudam em sua peregrinação terrestre» (CIC 352).A ajuda dos Santos Anjos e a união dos homens com eles permitem a estes viver melhor a fé e também testemunhá-la com mais força e convicção.
 
Os Santos Anjos, com efeito, contemplam continuamente a face de Deus (cf. Mt 18,10) e vivem em constante adoração. De modo particularmente eficaz podem, por conseguinte, iluminar os fiéis que se abrem conscientemente à sua ação, sendo estes fiéis ajudados por eles a contemplar na fé os mistérios divinos: Deus mesmo e as suas obras (theologia e oikonomia) (cf. CIC 236), a crescer no conhecimento e no amor de Deus, a permanecer na Sua presença e a realizar uma adoração particularmente reverente e amorosa, dedicando-se à maior glorificação de Deus.