Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

O Anjo da Nação

"Vou enviar um anjo à tua frente para te proteger no caminho e para te conduzir ao lugar que preparei para ti. Está sempre vigilante na sua presença, e escuta o que ele te disser. Não lhe desobedeças... o meu anjo caminhará à tua frente"(Ex 23, 20-23)


Deus fez uma aliança com o seu povo, que tinha libertado da escravidão no Egipto para o deserto. Este povo ainda não se tinha formado como nação. Na antiguidade, o termo 'nação' aplicava-se àqueles que tinham as suas próprias divindades, santuários, ritos religiosos, sacerdotes e legislação. Ao fazer a aliança, os filhos de Jacob, ou seja os clãs descendentes dos seus dozes filhos, transformaram-se numa nação - Israel. Eles adoravam o Deus da criação do mundo, o Deus que no princípio tinha criado os céus e a terra (Gn 1,1). O povo recebeu um santuário sob a forma de uma tenda que abrigava a Arca da Aliança, um altar e regras que diziam respeito à liturgia, que era celebrada por sacerdotes. As leis foram feitas com base nos Dez Mandamentos e o povo dirigiu-se para a Terra Prometida.

Deus nomeou um anjo para os guiar, ajudar e proteger, ao longo do caminho. Pode dizer-se que era o anjo da sua nação; cada nação tinha um. O povo de Israel era Miguel, aquele que se assemelha a Deus, como diria o profeta Daniel. Pode ter sido o Arcanjo Miguel aquele que pouco antes da batalha de Jericó apareceu a Josué naa figura de um homem de pé, segurando na mão uma espada desembainhada. Ele apresentou-se como um dos princípes do exército do Senhor (Js 5, 13-14).

Mas o anjo não lutou ao lado de Israel. O desejo de Deus era que o seu povo soubesse de onde lhe vinha a força e quem é o que faria vitorioso. Os muros de Jericó caíram quando a Arca da Aliança foi transportada à volta da cidade, com os sacerdotes a tocar trombetas. Uma vitória destas não se repetiria no futuro. Deus tencionava mostrar o poder dos Dez Mandamentos, que estavam gravados nas placas de pedra dentro da Arca. Vencer a guerra é mais importante que vencer batalhas.

Foi muito importante Deus ter enviado um anjo da guarda para acompanhar Israel  apenas depois de ter dado Moisés as Tábuas da Lei. A intenção era alertá-los para o tipo de viagem que estavam a iniciar. Era uma jornada para a vida (Dt 30, 15-20). 

Fonte: Os Anjo - Zenon Ziólkowski