Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Os Santos Anjos e as Virtudes Teologais




Cada verdadeiro crescimento na vida espiritual vem de um regresso aos seus princípios essenciais, vividos no dia a dia com amor coerente. O crescimento na vida espiritual significa um aumento da fé, da esperança e da caridade (as chamadas virtudes teologais). Isto manifesta-se num fervor crescente na oração e na prática das virtudes.Em relação à nossa vida espiritual, a tarefa dos Anjos consiste em exortar-nos e ajudar-nos a darmos a DEUS, com a Sua graça, a resposta certa, e em defender-nos do inimigo, sobretudo das suas ciladas subtis.
Porém, o que torna a vida espiritual tão difícil é que a  consiste em estar-se convencido da verdade divina, enquanto a razão permanece na escuridão. Quanto mais crescermos na , tanto mais nos abandonaremos a DEUS que nos guia nesta "escuridão", porque a  é estar convencido das coisas que não se vêem (cf. Carta aos Hebreus 11,1). Isto exige muitas vezes a renúncia ao nosso próprio conhecimento natural, que nos parece ser tão claro e lúcido. São João da Cruz mostra-nos que o abandono a DEUS se vai tornando cada vez mais difícil, porque as provações são cada vez mais duras, mais exigentes. Além disso, a infusão da luz divina na alma é um processo muito doloroso de purificação. A  e a fidelidade a DEUS são as primeiras características dos Santos Anjos, porque só pela humildade da  puderam, em união com São Miguel, permanecer fiéis a DEUS.
esperança aspira a um bem muito grande, até mesmo infinito: a visão beatífica na união de amor com DEUS. Mas no caminho para esta união, a dada altura depara-se com a Cruz. Além disso a alma, consciente da sua indignidade, sofre muitas vezes com pensamentos como este: "Quem sou eu para que DEUS possa ter-me tão grande amor?" Quanto mais DEUS estimula esta união, purificando a alma cada vez mais, tanto mais lhe parecerá, a ela, que Ele é antes o seu inimigo, e a própria miséria, que se manifesta, ameaça esmagá-la (cf. S. João da Cruz, Noite escura, II,6).
esperança dos Anjos, durante a sua provação, estava totalmente posta na bondade divina, visto que a escuridão desta mesma provação parecia ter malogrado todas as suas esperanças e expectativas naturais. Tal como Abraão, eles deviam esperar contra toda a esperança, com  e confiança, na bondade de DEUS. Consideremos esta loucura: o sacrifício do filho de Abraão trouxe em si o germe da esperança, precisamente porque era uma prefiguração do sacrifício redentor do FILHO de DEUS.São Gabriel trouxe este mistério da esperança universal, quando veio anunciar a MARIA a Encarnação do FILHO de DEUS.
O fruto do amor é a união, e todos os homens têm a ânsia desta felicidade. Mas oamor de Nosso Senhor leva a alma à solidão e exige a abnegação: Quem ama a sua vida perdê-la-á, e quem neste mundo aborrece a sua vida conservá-la-á para a vida eterna (Jo 12,25).
Na sua provação, os Anjos tinham que 'morrer' misticamente, porque DEUS lhes deu a conhecer que seria dada preferência aos homens, embora estes, por natureza, estejam muito abaixo dos Anjos. O plano salvífico de DEUS concentra-se principalmente na salvação do homem, plano que seria realizado pelo VERBO Encarnado do PAI, a Quem os Anjos também reconhecem como sua Cabeça (cf. Ef 1,20ss; Col 1,16ss). O amor de preferência que DEUS tem pelo homem é a base de toda a economia da salvação (cf. Heb 2,16; João Paulo II, audiência geral de 9 de Julho 1986).
Foi este pensamento que acendeu no maligno uma raiva fortíssima, o ódio e a inveja contra a humanidade. Mas os Anjos que amorosamente se sujeitaram a este plano divino, foram confirmados em graça, elevados à glória e tornaram-se participantes do plano divino, "tanto que nalguns momentos os vemos realizar tarefas fundamentais em nome de DEUS mesmo" (João Paulo II, ibid.). Na sua provação os Anjos aceitaram a 'cruz' do amor insondável de DEUS, e a sua recompensa foi a glória celeste e uma profunda caridade para com os homens. São Rafael é um exemplo maravilhoso deste grande amor que o Anjo tem aos homens (Cf. o livro de Tobias).

Obra dos Santos Anjos