Em união com todos os Santos Anjos

"Sanctus, Sanctus, Sanctus. Dóminus, Deus Sábaoth Pleni sunt caeli et terra Glória tua. Hosánna in excélsis. Benedíctus, qui venit In nómine Dómini, Hosánna in excélsis.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Passio Domini

Na Quinta-feira Santa, Nosso Senhor foi até o Jardim das Oliveiras para rezar, começando assim a Sua Divina Paixão. Ali Ele rezou: "Pai, se for da Vossa vontade, afastai de mim este cálice: no entanto, não se faça a minha vontade, mas a Vossa". Então um Anjo descendo do céu apareceu-Lhe para O fortalecer. Do mesmo modo como o Anjo fortaleceu e consolou Nosso Senhor, o Eterno Sumo Sacerdote, assim nos reunimos na presença de Jesus na Eucaristia para fortalecer espiritualmente e nutrir os nosso sacerdotes, através da intercessão dos santos Anjos. Jesus quis que o Seu sacerdócio permanecesse na Igreja, de uma forma visível através dos sacerdotes.
O "mistério pascal" de Jesus Cristo está no centro da nossa fé cristã. A Páscoa de Jesus realizada através de seu sofrimento, morte e ressurreição começando cada quinta-feira à noite e prosseguindo até sexta-feira à tarde, mantem um certo grau de recolhimento e de reflexão sobre a Paixão do Senhor. Devem passar uma hora na quinta-feira à noite e outra hora na sexta-feira à tarde (de acordo com as possibilidades do próprio estado de vida) dedicando-se à oração e adoração, em união com Jesus Cristo assim como Ele passou através da agonia no Jardim das Oliveiras na Quinta-feira Santa, e morreu na cruz na Sexta-feira Santa.

Assim como o anjo veio fortalecer a Cristo no Jardim do Getsêmani, assim também invocamos os santos Anjos para fortalecer-nos no carregar as nossas próprias cruzes. No entanto, a observância da Passio Domini é acima de tudo uma oração de intercessão para os outros. Durante o tempo que acompanhamos Cristo na sua paixão, oferecemos as gotas do Preciosíssimo Sangue de Jesus que Ele derramou por amor a nós e para a salvação do mundo. Nós oferecemos o Seu sangue, de modo especial para os sacerdotes e para os religiosos, para que eles sejam fiéis no cumprimento de suas vocações. Também intercedemos por aqueles sacerdotes que abandonaram a sua vocação para que eles possam se reconciliar com Cristo e a Sua Igreja.

Nosso Senhor pede que vigiemos com Ele uma hora. Qualquer pessoa seguindo este apelo do Senhor e permitindo ser conduzida pelo seu santo Anjo, aprende, antes de mais, a força do silêncio; silêncio que é algo mais do que "Não falar". É o silêncio dos lábios e do coração, do amor à tranqüilidade e ao recolhimento; o silêncio que tem a reverência como o seu primeiro fruto. Ele também eleva o homem para o mundo das verdades da fé. Ele é o caminho para a purificação e integridade, uma arma contra toda a dissipação, distração e superficialidade.

Existem três fases na vida ascética que consideramos ser a Lei dos santos Anjos: silenciar - escutar- obedecer. Estas três práticas, a seu tempo, deverão dar frutos e tornarem-se, por assim dizer, os atributos característicos de quem é guiado pelos santos Anjos.

Ouvimos Nosso Senhor falando aos nossos corações, e imploramos ao Pai Celestial de permitir que uma gota do Preciosíssimo Sangue de Jesus, derramado no Jardim de Getsêmani, possa cair sobre aqueles por quem oramos. No mais profundo desespero de Nosso Senhor, Ele encontrou os Apóstolos dormindo e lhes perguntou: "Então não pudestes vigiar uma hora comigo?". Queremos passar estas três horas com nosso Salvador, para que neste tempo Ele não sofra sozinho.

Venha, então, convidamos você, aonde estiver, para se reunir conosco e com os santos Anjos neste trabalho abençoado que fazemos em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amen